FECHAMENTO PERCUTÂNEO VERSUS CIRÚRGICO DA COMUNICAÇÃO ATRIAL DO TIPO OSTIUM SECUNDUM: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

  • Rodrigo Moroni Felici Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Suzane Costa Furukawa Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Luciane Schadeck Martins Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Leandra Ernst Kerche UNOESTE

Palavras-chave:

Comunicação interatrial, Ostium secundum, tratamento percutâneo, cirurgia, variação anatômica

Resumo

A comunicação interatrial (CIA) representa cerca de 5% a 10% de todos as cardiopatias congênitas diagnosticadas, é mais comum no sexo feminino, com uma prevalência de 1,5 a 3,5 mulheres para cada homem. As alterações no septo interatrial localizadas na fossa oval são denominadas de comunicação interatrial do tipo ostium secundum, que correspondem a 75% dos casos de CIA. Metade dos defeitos resolvem-se espontaneamente, enquanto que a outra metade exige intervenção cirúrgica ou percutânea. Embora a abordagem cirúrgica tenha sido empregada por muitos anos, o desenvolvimento de técnicas percutâneas permitiu o fechamento transcateter da CIA ostium secundum, com ótimos resultados a curto e longo prazo. No entanto, a grande variação anatômica da CIA pode comprometer os resultados do tratamento percutâneo. Frente ao exposto, realizou-se uma revisão integrativa a fim de comparar o fechamento cirúrgico e percutâneo da CIA do tipo ostium secundum apontando os benefícios e as complicações de ambas as técnicas. Os resultados mostraram que quanto à efetividade, segurança e mortalidade, ambas as técnicas são equiparáveis, mas a taxa de complicação e a permanência hospitalar reduzida com o tratamento percutâneo, justifica sua indicação como método de escolha para o tratamento da CIA do tipo ostium secundum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandra Ernst Kerche, UNOESTE

Graduada em Ciências Biológicas pela UEL (2005), Mestre em Biotecnologia pela UEL (2010) e Doutoranda em Biomateriais pela Unesp de Pres. Prudente. Trabalhos com ênfase em Biomateriais, Mutagênese e Genética do Câncer.

Referências

Cardoso CO, Rossi Filho RI, Machado PR, François LMG, Horowitz ESK, Sarmento-Leite R. Efetividade da Prótese de Amplatzer® para Fechamento Percutâneo do Defeito do Septo interatrial tipo ostium secundum. Arq Bras Cardiol 2007;88(4):384-389. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2007000400003

Ribeiro MS, Costa RN, Pedra SRFF, Kreuzig DL, Fontes VF. Estado atual do tratamento dos defeitos do septo atrial. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 2017;27(1):39–48. DOI: https://doi.org/10.29381/0103-8559/2017270139-48

Pedra CAC,Pedra SRF, Fontes VF. Comunicação interatrial do tipo ostium secundum. Do tratamento cirúrgico ao percutâneo e os dinossauros do futuro. Arq Bras Cardiol, 2003;80(6):650-5. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2003000600010

Rao PS, Harris AD. Recent advances in managing septal defects: atrial septal defects. F1000Res. 2017;22;6:2042. DOI: https://doi.org/10.12688/f1000research.11844.1

Silveira AC, Rached EB, Campane FZ, Maielo JR. Comunicação interatrial. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba. 2008;10(2):7-11.

Naqvi N, McCarthy KP, Ho SY. Anatomy of the atrial septum and interatrial communications. J Thorac Dis. 2018 Sep;10(Suppl 24):S2837-S2847. DOI: https://doi.org/10.21037/jtd.2018.02.18

Alal Z, Hascoët S, Gronier C, Godart F, Mauri L, Dauphin C, Lefort B et al. Long-Term Outcomes After Percutaneous Closure of Ostium Secundum Atrial Septal Defect in the Young: A Nationwide Cohort Study. JACC Cardiovasc Interv. 2018 Apr 23;11(8):795-804. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jcin.2018.01.262

Hajizeinali A, Sadeghian H, Rezvanfard M, Alidoosti M, Zoroufian A, Volman MA. A comparison between size of the occluder device and two-dimensional transoesophageal echocardiographic sizing of the ostium secundum atrial septal defect. Cardiovasc J Afr. 2013 Jun;24(5):161-4. DOI: https://doi.org/10.5830/CVJA-2013-014

Ursi ES. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2005.

Da Costa RN, Ribeiro MS, Pereira FL, Pedra SRF, Jatene MB, Jatene IB et al. Fechamento percutâneo versus cirúrgico da comunicação interatrial em crianças e adolescentes. Arq Bras Cardiol. 2013;100(4):347-354.

DOI: https://doi.org/10.5935/abc.20130059

Hoashi T, Yazaki S, Kagisaki K, Kitano M, Kubota SM, Shiraishi I, et al. Management of ostium secundum atrial septal defect in the era of percutaneous trans-catheter device closure: 7-Year experience at a single institution. J Cardiol. 2015 May;65(5):418-22. doi: https://doi.org/10.1016/j.jjcc.2014.07.009

Thingnam SKS, Mahajan S, Kumar V. Surgical perspective of percutaneous device closure of atrial septal defect. Asian Cardiovasc Thorac Ann. 2018 Jun;26(5):343-346. DOI: https://doi.org/10.1177/0218492318776568

Pillai AA, Sinouvassalou S, Jagadessan KS, Munuswamy H. Spectrum of morphological abnormalities and treatment outcomes in ostium secundum type of atrial septal defects: Single center experience in >500 cases. J Saudi Heart Assoc. 2019 Jan;31(1):12-23. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jsha.2018.09.002

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Felici, R. M., Furukawa, S. C., Martins, L. S., & Kerche, L. E. (2022). FECHAMENTO PERCUTÂNEO VERSUS CIRÚRGICO DA COMUNICAÇÃO ATRIAL DO TIPO OSTIUM SECUNDUM: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 13(2), 90–96. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/3894

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)