ASPECTO FINANCEIRO DIANTE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: COMO FATOR DE RISCO E CARACTERÍSTICA EMANCIPADORA DA MULHER

Autores

  • Laura Neves Piciula
  • Antenor Ferreira Pavarina
  • Fábio Ferreira Morong UNOESTE

Palavras-chave:

Violência Doméstica, Dependência Econômica, Autonomia Financeira, Educação Financeira.

Resumo

Este projeto de pesquisa tem como propósito analisar a característica financeira sob duas óticas em face da violência doméstica. Num primeiro momento, identificar a dependência econômica como vetor impeditivo para desvencilhar de uma relação violenta, enquanto que numa segunda apresentação evidenciar a autonomia financeira como um dos mecanismos para romper com a violência doméstica. Para alcançar tal objetivo, o desenvolvimento deste projeto fora efetivado por meio de um acervo bibliográfico que conta com a legislação nacional vigente, tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário diante do tema, livros, artigos eletrônicos, notícias em formato eletrônico, monografias e pesquisas realizadas por instituições governamentais como o DataSenado. A metodologia aplicada neste estudo fora o dedutivo-legal, pois a violência doméstica será generalizada, enquanto que a particularidade da individualização caberá à característica financeira, na qual, ao final, a partir do estudo proposto, procura-se verificar se a característica econômica no que tange a autonômica financeira é de fato um aspecto que se confirma como meio rompedor da violência doméstica. Bem como, correlacionar o empreendido desta com o campo educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Mariany Santos de. As facetas da dependência econômica como obstáculo para mulheres que sofrem violência doméstica e familiar. Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/17358/1/2015_MarianySantosDeAbreu_tcc.pdf.

Acesso em: 14 out. 2019.

ADEODATO, V.;Carvalho, R.;Siqueira, V.; & Souza, F. (2005). Qualidade de vida e depressão em mulheres vítimas de seus parceiros. Revista de Saúde Pública, 39 (1), 108-113. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rsp/2005.v39n1/108-113/pt/. Acesso em: 18 dez. 2020.

ALMEIDA, Diogo. Autonomia financeira ajuda mulheres superar violência doméstica na PB. G1 Globo, Paraíba, 16 de fev, 2015. Disponível em: http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2015/02/autonomia-financeira-ajuda-mulheres-superar-violencia-domestica-na-pb.html/. Acesso em: 7 jul. 2020.

ALVES DE SOUZA, Patrícia; DA ROS, Marco Aurélio. Os motivos que mantêm as mulheres vítimas de violência no relacionamento violento. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 40, p. 509-527, jan. 2006. ISSN 2178-4582.Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/view/17670. Acesso em: 06. jun. 2020.

Ascom SPS, Capacitação prepara mulheres vítimas de violência doméstica para alcançarem a independência financeira. Governo do Estado do Ceará, 2019. Disponível em: https://www.ceara.gov.br/2019/11/07/capacitacao-prepara-mulheres-vitimas-de-violencia-domestica-para-alcancarem-a-independencia-financeira/. Acesso em: 16 jul. 2020.

Associação Paulista do Ministério Público (APMP). Projeto “Tem Saída” gera emprego para vítima de violência doméstica. Ministério Público do Estado de São Paulo, 07 de ago. 2018. Disponível em: https://www.apmp.com.br/noticias/projeto-tem-saida-gera-emprego-para-vitima-de-violencia-domestica/. Acesso em: 18 dez. 2020.

Autonomia financeira como saída para a violência doméstica. Terra Brasil, 2019. Disponível em:https://www.terra.com.br/noticias/brasil/autonomia-financeira-como-saida-para-a-violencia-domestica,7f1a61c3411232f5d49a9809f5f0f68dtjd3ai2v.html. Acesso em: 10 set. 2019.

BANDEIRA, Regina. Projetos visam garantir autonomia financeira a vítimas de violência doméstica. Agência CNJ de Notícias, 2019. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/trabalho-projetos-voltados-para-autonomia-financeira-da-mulher-ajudam-a-reconstruir-vidas/.Acesso em: 14 jul. 2020.

Brasil (2015). Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Programa Mulher, Viver Sem Violência: Diretrizes Gerais E Protocolos De Atendimento. Disponível em:http://www.mulheres.ba.gov.br/arquivos/File/Publicacoes/CasadaMulherBrasileira_DiretrizesGeraiseProtocolosdeAtendimento.pdf. Acesso em: 16 jun. 2020.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Decreto - Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm. Acesso em: 04 fev. 2020.

BRASIL. Decreto n.º 59.537, de 16 de junho de 2020. Regulamenta o inciso III do artigo 13 da Lei nº 17.340, de 30 de abril de 2020, que dispõe sobre medidas de proteção da saúde pública e de assistência, para o enfrentamento da Emergência de Saúde Pública em decorrência da Infecção Humana pelo Coronavírus (COVID-19) no âmbito do Município de São Paulo, bem como o artigo 2º da Lei nº 17.341, de 18 de maio de 2020, que dispõe sobre o estímulo à contratação de mulheres integrantes do Projeto Tem Saída. Diário Oficial da Cidade de São Paulo, 16 jun. 2020. Disponível em: http://legislacao.prefeitura.sp.gov.br/leis/decreto-59537-de-16-de-junho-de-2020. Acesso em: 15 jul. 2020.

BRASIL. Lei n.º11.340, de 07 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha: cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm/.Acesso em: 04 fev. 2020.

BRASIL. Senado Federal. Pesquisa DataSenado: Violência Doméstica e Familiar contra a mulher. Instituto de pesquisa DataSenado. Brasília, Dezembro de 2019. Disponível

em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/violencia-contra-a-mulher-agressoes-cometidas-por-2018ex2019-aumentam-quase-3-vezes-em-8-anos-1/. Acesso em: 07 jun. 2020.

BRASIL. Senado Federal. Pesquisa DataSenado: Violência Doméstica e Familiar contra a mulher. Instituto de pesquisa DataSenado, Observatório da Mulher contra a violência. Brasília, Novembro de 2021.Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/violencia-domestica-e-familiar-contra-a-mulher-2021/. Acesso em: 25 jan. 2022.

CASARIN, Helen de Castro S.; CASARIN, Samuel S. Pesquisa científica: da teoria à prática. Curitiba: Ed. Intersaberes, 2012.

Cerca de 300 mulheres passaram pelo Contrata SP Tem Saída em busca de oportunidades de emprego. Secretária Especial de Comunicação da cidade de São Paulo, 05 mar. 2020. Disponível em:

https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/desenvolvimento/noticias/?p=294583. Acesso em: 16 jul. 2020.

CHERON, Cibele; SEVERO, Elena Erling. Apanhar ou passar fome? A difícil relação entre dependência financeira e violência em Porto Alegre, RS. Porto Alegre, 2010.Disponível em:http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1278279902_ARQUIVO_Cheron_Severo.pdf.Acesso em: 15 set. 2019.

EMPODERAMENTO. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em: https://www.dicio.com.br/empoderamento/. Acesso em: 16 jul. 2020.

Empresas contratadas pela prefeitura de São Paulo terão que destinar 5% das vagas para mulheres vítimas de violência doméstica. Revista Varejo Brasil, 2020.Disponível em: http://www.revistavarejobrasil.com.br/empresas-contratadas-pela-prefeitura-de-sao-paulo-terao-que-destinar-5-das-vagas-para-mulheres-vitimas-de-violencia-domestica/.Acesso em: 14 jun. 2020.

FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa da.A construção da identidade de mulheres e homens como processo histórico-social. São Paulo, Escola de Enfermagem da USP, 2001. Texto Didático. Disponível em:https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/185064/mod_resource/content/1/identidade.pdf/.Acesso em: 07 jun.2020

FRANCISQUETTI, P. P. A escuta da dor. Jornal da Rede Saúde, n. 19, p. 3-4, 1999.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala. Rio de Janeiro: Editora Record, 1998.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. – 6.ed. – São Paulo: Atlas, 2008.

KNOPLOCH, Carol. Mais de 70% das mulheres vítimas de violência não denunciam crime, diz pesquisa no Rio. O Globo, 2016. Disponível em:https://oglobo.globo.com/sociedade/mais-de-70-das-mulheres-vitimas-de-violencia-nao-denunciam-crime-diz-pesquisa-no-rio-16561195.Acesso em: 17 jun. 2020.

MANSSUR, Maria Gabriela Prado. Violência doméstica e a autonomia financeira das mulheres. MP no Debate, ConJur 2018.Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-out-30/mp-debate-violencia-domestica-autonomia-financeira-mulheres#author/. Acesso em: 09 jul. 2020.

MARINHO, Kamila. Câmara Municipal de São Paulo. Programa Tem Saída emprega mulheres vítimas de violência doméstica em São Paulo. CPI da Mulher, 2020. Disponível em: http://www.saopaulo.sp.leg.br/mulheres/programa-tem-saida-emprega-mulheres-vitimas-de-violencia-domestica-em-sao-paulo/. Acesso em: 10 set. 2020.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Prevenção da Violência Doméstica e Familiar Contra as Mulheres com a Estratégia de Saúde da Família. Cartilha,s/d. Disponível em:http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/Cartilhas/prev_viol_domest/CMVP-Portugues.pdf. Acesso em: 5 jun. 2020.

MIZUNO, Camila; FRAID, Jaqueline Aparecida; CASSAB, Latif Antonia. Violência Contra a Mulher: Por que elas simplesmente não vão embora. Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, v. 1, 2010.

MODELLI, Laís. Autonomia financeira como saída para a violência doméstica. Deutsche Welle, 2019.Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/autonomia-financeira-como-sa%C3%ADda-para-a-viol%C3%AAncia-dom%C3%A9stica/a-49021379/.Acesso em: 14 jul. 2020.

ONU MULHERES, Gênero e Autonomia Econômica para as Mulheres. Caderno de Formação – Brasília: SPM – Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, MMIRDH, 2016. Disponível em:http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/caderno_genero_autonomia.pdf. Acesso em: 11 jul. 2020.

ONU MULHERES, Observatório de Igualdade de Gênero da América Latina e do Caribe. Autonomias: autonomia econômica. Disponível em: https://oig.cepal.org/pt/autonomias/autonomia-economica#:~:text=A%20autonomia%20econ%C3%B4mica%20se%20explica,contribui%C3%A7%C3%A3o%20das%20mulheres%20%C3%A0%20economia/.Acesso em: 11 jul. 2020.

PAIVA, J. R. As origens da violência. Um ensaio sobre a psicopatologia do comportamento agressivo. 1999. Disponível em: http://www.members.tripod.com/soswomen/page2.html. Acesso em: 15. fev. 2020.

Plano de trabalho do programa Tem Saída: autonomia financeira de mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Disponível em:https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/trabalho/plano%20de%20trabalho%20tem%20saida.pdf. Acesso em: 15 jul. 2020.

Programa Tem Saída é tema de roda de conversa promovida pela ONU Mulheres. Secretária Especial de Comunicação da cidade de São Paulo, 09 jun. 2020.Disponível em: http://www.capital.sp.gov.br/noticia/programa-tem-saida-e-tema-de-roda-de-conversa-promovida-pela-onu-mulheres.Acesso em: 16 jul. 2020.

Rabello, P., & Caldas Júnior, A. (2007). Violência contra a mulher, coesão familiar e drogas. Revista de Saúde Pública, 41 (6), 970-978.

Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rsp/2007.v41n6/970-978/pt/.Acesso em: 18 dez. 2020.

RÉGIS, Mário Luiz Delgado. A Violência Patrimonial Contra a Mulher nos Litígios de Família. Disponível em:

https://www.lex.com.br/doutrina_27138477_A_VIOLENCIA_PATRIMONIAL_CONTRA_A_MULHER_NOS_LITIGIOS_DE_FAMILIA.aspx. Acesso em: 18 dez. 2020

ROMAR, Carla Teresa Martins. Direito do trabalho esquematizado. Coordenador Pedro Lenza. – 5. ed. – São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

SÃO PAULO. Lei n.º 17.341, de 18 de maio de 2020. Dispõe sobre o estímulo à contratação de mulheres integrantes do projeto Tem Saída e fica autorizado o Poder Executivo a antecipar feriado municipal, por decreto, durante a atual emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/lei-ordinaria/2020/1734/17341/lei-ordinaria-n-17341-2020-dispoe-sobre-o-estimulo-a-contratacao-de-mulheres-integrantes-do-projeto-tem-saida-e-fica-autorizado-o-poder-executivo-a-antecipar-feriado-municipal-por-decreto-durante-a-atual-emergencia-de-saude-publica-de-importancia-internacional-decorrente-do-coronavirus. Acesso em: 18. dez. 2020.

Secretaria Especial de Comunicação. Empresas contratadas pela Prefeitura terão que destinar 5% das vagas para mulheres vítimas de violência doméstica. Cidade de São Paulo, 2020.Disponível em:http://www.capital.sp.gov.br/noticia/empresas-contratadas-pela-prefeitura-terao-que-destinar-5-das-vagas-para-mulheres-vitimas-de-violencia-domestica/.Acesso em: 16 jul. 2020.

SOBOLH, Telma. Violência contra a mulher: pandemia que não cessa. Veja Saúde, 2020. Disponível em: https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/violencia-contra-a-mulher-a-pandemia-que-nao-cessa/.Acesso em: 16 jul. 2020.

TUCHLINSKI, Camila. Educação financeira para meninas promove maior liberdade de escolha na vida adulta. Terra Brasil, 24 set. 2019.Disponível em: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/comportamento/educacao-financeira-para-meninas-promove-maior-liberdade-de-escolha-na-vida-adulta,80e50b286abee735c45aee3c53c8c18c2spyh3hw.html. Acesso em: 08 jul. 2020.

Vítimas de violência terão emprego em prestadoras da Prefeitura de SP. Folha Dirigida, 2020. Disponível em: https://folhadirigida.com.br/empregos/empregos/decreto-regulamenta-emprego-vitima-violencia/. Acesso em: 14 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

Piciula, L. . N., Ferreira Pavarina , A., & Morong, F. F. (2022). ASPECTO FINANCEIRO DIANTE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: COMO FATOR DE RISCO E CARACTERÍSTICA EMANCIPADORA DA MULHER. Colloquium Socialis. ISSN: 2526-7035, 5(3), 45–58. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/cs/article/view/4325