PHYSALIS GROWTH, DEVELOPMENT AND YIELD AT DIFFERENT SOWING SEASONS IN THE BRAZILIAN NORTHEASTERN SEMIARID

Autores

  • Tamara Torres Tanan Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Alismário Leite da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Romeu da Silva Leite Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Stephanie Soares Arriero Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Marilza Neves do Nascimento Universidade Estadual de Feira de Santana

Palavras-chave:

Floração, produção de frutos, Physalis angulata, Physalis ixocarpa

Resumo

O gênero Physalis é composto por espécies de importância econômica e medicinal e seu cultivo está em expansão no Brasil, sendo necessárias pesquisas sobre o desempenho de espécies em diferentes regiões do país. Assim, o objetivo desse trabalho é caracterizar o crescimento, desenvolvimento e produtividade das espécies de Physalis angulata e Physalis ixocarpa cultivadas em três épocas de semeadura na região semiárida da Bahia. Os números de dias após a semeadura foram determinados para a ocorrência dos estágios vegetativo e reprodutivo, e o comprimento e o diâmetro do ramo principal foram avaliados semanalmente. Ao final do cultivo, foram determinados o número e o peso total de frutos por planta. As plantas semeadas em abril apresentaram os melhores resultados, com aceleração da floração, maior produtividade e crescimento próximo a outras regiões produtoras, sendo o melhor período para o cultivo das espécies. P. angulata é uma espécie mais tolerante e pode ser semeada em diferentes períodos sem comprometer o rendimento. Altas temperaturas combinadas com a escassez de chuvas comprometem o desenvolvimento das plantas de ambas as espécies.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamara Torres Tanan, Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

Alismário Leite da Silva, Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

Romeu da Silva Leite, Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

Stephanie Soares Arriero, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

 

 

Marilza Neves do Nascimento, Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

Referências

BURGOS, A. R.; AYALA-GARAY, O. J.; LIVERA, A. H.; LEAL-LEÓN, V. M.; CORTEZ-MONDACA, E. Desarrollo de fruto y semilla de cinco variedades de tomate de cáscara en Sinaloa. Revista Mexicana de Ciencias Agrícolas, v.2, n.5, p. 673-687, 2011.
BRAZIL, 2004. Portaria Interministerial N° 6, March 29, 2004.
CURI, P. N.; CARVALHO, C. S.; SALGADO, D. L.; PIO, R.; SILVA, D. F.; PINHEIRO, A. C. M.; SOUZA, V. R. Characterization of different native american physalis species and evaluation of their processing potential as jelly in combination with brie-type cheese. Food Science and Technology, v.38, n.1, p. 112-119, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1678-457x.01317
DINIZ, A. F.; SANTOS, R. L.; SANTO, S. M. Avaliação dos riscos de seca para o município de Feira de Santana-BA associado à influência do el niño no semi-árido do nordeste brasileiro. Geografia´s, v.1, p. 18-24, 2008.
FILGUEIRA, F. A. R. Novo Manual de Olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3rd edition. Viçosa: UFV Publisher, 2013.
GUIMARÃES, M. de A.; CALIMAN, F. R. B.; SILVA, D. J. H.; FLORES, M. P.; ELSAYED, A. Y. A. M. Exigências climáticas da cultura do tomateiro. In: SILVA, D. J. H.; VALE, F. X. R. (eds.) Tomate: Tecnologia de produção. Visconde do Rio Branco: Suprema Printing and Publishing, 2007. p. 85-99
KALBARCZYK, E.; KALBARCZYK, R. The course phenological phases of potato and its determination by multi-annual variability of air temperature in Poland. Annales UMCS, v.65, n.4, p. 1-11, 2010. http://dx.doi.org/10.2478/v10081-010-0032-y
KALBARCZYK, R.; RASZKA, B.; KALBARCZYK, E. Variability of the Course of Tomato growth and Development in Poland as an Effect of Climate Change. In: BLANCO, J.; KHERADMAND, H. (eds.) Climate Change – Socioeconomic Effects. InTech, 2011. p. 279-306.
LIMA, C. S. M.; GONÇALVES, M. A.; TOMAZ, Z. F. P.; RUFATO, A. R.; FACHINELLO, J. C. Sistemas de tutoramento e épocas de transplante de physalis. Ciência Rural, v.40, n.12, p. 2472-2479, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782010001200006
MATTIUZ, B. Fatores da pré-colheita influenciam a qualidade final dos produtos. Visão Agrícola, v.7, p. 18-21, 2007.
MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 3rd. Edition. Fortaleza: UFC Publisher, 2007.
MARCOS FILHO, J. Fisiologia das Sementes de Plantas Cultivadas. Londrina: ABRATES, 2015.
MEDINA-MEDRANO, J. R.; ABARCA, N. A.; GONZALEZ-ELIZONDO, M. S.; URIBE-SOTO, J. N.; GONZZLEZ-VALDEZ, L. S.; ARRIETA, Y. H. Phenolic constituents and antioxidant properties of five wild species of Physalis (Solanaceae). Botanical Studies, v.56, n.1, p. 24-37, 2015. http://dx.doi.org/56,24.10.1186/s40529-015-010-y
MIRANDA, D. Criterios para el establecimiento, los sistemas de cultivo, el tutorado y la poda de la uchuva. In: FISCHER, G.; MIRANDA, D.; PIEDRAHITA, W.; ROMERO, J. (eds.) Avances en cultivo, poscosecha y exportación de la Uchuva (Physalis peruviana L.) en Colombia. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2005. p. 29-53.
MUNIZ, J.; MARCHI, T.; COLDEBELLA, M. C.; RUFATO, L.; KRETZSCHMAR, A. A. Crescimento vegetativo e potencial produtivo de fisális. Revista de Ciência Agroveterinária, v.14, n.1, p. 15-23, 2015.
OLIVEIRA, J. A. R.; MARTINS, L. H. S.; VASCONCELOS, M. A. M.; PENA, R. S.; CARVALHO, A. V. Caracterização física, físico-química e potencial tecnológico de frutos de camapu (Physalis angulata L.). Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v.5, n.2, p. 573-583, 2011. http://dx.doi.org/10.3895/S1981-36862011000200009
PEIXOTO, G. P.; CÂMARA, G. M. S.; MARTINS, M. C.; MARCHIORI, L. F. S.; GUERZONI, R. A.; MATTIAZZI, P. Épocas de semeadura e densidade de plantas de soja: I. Componentes de produção e rendimento de grãos. Scientia Agrícola, v.57, n.1, p. 47-61, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162000000100015
RIVERA, L. L O. Caracterización agromorfológica de 36 accesiones de miltomate Physalis philadelphica Lam. en el municipio de Chimaltenango. Monograph, Faculdade San Carlos de Guatemala, Guatemala, 2004.
SILVA, J. B. C.; ELÓI, M. A. A.; PARMAGNANI, R. M.; ARAÚJO, G. C. S. Cultivo do tomate para industrialização. 2nd edition. Sistema de Produção, Embrapa Hortaliças (Online), 2006.
SMOLARZ, K. Evaluation of four blueberry cultivars growing in Central Poland. Acta Horticultural, v.715, n.9, p. 81-84, 2006. http://dx.doi.org/10.17660/ActaHortic.2006.715.9
STEHMANN, J. R.; MENTZ, L. A.; AGRA, M. F.; VIGNOLI-SILVA, M.; GIACOMIN, L.; RODRIGUES, I. M. C. 2015 Solanaceae. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Online), 2015.
TANAN, T. T.; NASCIMENTO, M. N.; PASSOS, A. R.; LEITE, R. S.; GUIMARÃES, D. S. Physalis angulata L. cultivada sob níveis de adubação NPK. Magistra, v.25, p. 378-379, 2013.
THOMÉ, M.; OSAKI, F. Adubação de nitrogênio, fósforo e potássio no rendimento de Physalis spp. Revista Acadêmica: Ciências Agrárias e Ambientais, v.8, n.1, p. 11-18, 2010. http://dx.doi.org/10.7213/cienciaanimal.v8i1.10364
ZAPATA, J. L.; SALDARRIAGA, A.; LONDOÑO, M.; DIAZ, C. Manejo del cultivo de la uchuva em Colombia. Antioquia: Corporación Colombiana de Investigación Agropecuaria, 2002.

Downloads

Publicado

2021-03-08

Como Citar

Tanan, T. T., Leite da Silva, A., da Silva Leite, R., Soares Arriero, S., & Neves do Nascimento, M. (2021). PHYSALIS GROWTH, DEVELOPMENT AND YIELD AT DIFFERENT SOWING SEASONS IN THE BRAZILIAN NORTHEASTERN SEMIARID. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 17(1), 36–43. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3565