ASSOCIAÇÃO ENTRE INSEGURANÇA ALIMENTAR E CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS ASSISTIDOS POR UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO INTERIOR PAULISTA

Autores

  • Juliana Santos Bóia Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Vitoria Eduarda Fernandes de Morais Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Aparecido Ignacio Junior Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Sabrina Alves Lenquiste Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Rayana Loch Gomes Faculdades Unidas do Vale do Araguaia, UNIVAR

Palavras-chave:

alimentos, envelhecimento, segurança alimentar, assistência alimenta, saúde pública

Resumo

O objetivo foi verificar a associação entre insegurança alimentar (IA) e consumo alimentar de idosos assistidos por uma Estratégia da Saúde da Família (ESF). Foram avaliados 16 idosos, de ambos os sexos, com média de idade 69,13 anos e IMC de 29,23 kg/m2. Foram utilizados a Escala brasileira de insegurança alimentar, questionário de frequência alimentar e recordatório alimentar de 24 horas. Peso e altura foram retirados dos prontuários dos pacientes. Observou-se que 37,5% dos idosos estavam em IA leve, 31,25% em IA moderada, 18,75% em IA grave e apenas 12,5% em segurança alimentar. Os indivíduos não consomem leite desnatado e possuem frequente ingestão de ovos, embutidos, margarina, cereais refinados, bebidas industrializadas, doces e balas. E pouca ou nenhuma utilização de azeite e cereais integrais. Sem associação significante entre IA e consumo alimentar. Conclui-se que não houve associação entre insegurança alimentar e consumo alimentar de idosos assistidos por uma ESF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Pereira RJ. Nutrição e envelhecimento populacional: desafios e perspectivas. Rev Jour Heal NPEPS. 2019;4(1):1-5. DOI: http://dx.doi.org/10.30681/252610103714

IBGE - Censo Agro. 2017 Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-denoticias/releases/21837-projecao-da-Populacao-2018-numero-de-habitantes-do-paisdeve-parar-de-crescer-em-2047

Soares GFC, Andrade EG da S. A osteoporose: um dos principais fatores responsável de fraturas em idosos e sua relevância. Rev Inic Cient Ext.2019;2(1):24-9. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade de Brasília, 2018.

Dias MF. Fatores que contribuem para adesão e desistência de um programa de atividades físicas para idosos. [Dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília - Faculdade De Educação Física. 2018.

Volpini M, Frangella VS. Avaliação nutricional de idosos institucionalizados. Einstein (São Paulo).2013;11(1):32–40. DOI: https://doi.org/10.1590/S1679-45082013000100007

Souza JD, Martins MV, Franco FS, Martinho KO, Tinôco AL. Dietary patterns of the elderly: characteristics and association with socioeconomic aspects. Rev Bras de Geri e Geron. 2016;19(6):970–7. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1981-22562016019.160035

Kuwae CA, Carvalho MC da VS, Prado SD, Ferreira FR. Concepções de alimentação saudável entre idosos na Universidade Aberta da Terceira Idade da UERJ: normas nutricionais, normas do corpo e normas do cotidiano. Rev Bras de Geri e Gero. 2015;18(3):621–30. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14224

Filipa S. Insegurança alimentar e risco nutricional na pessoa idosa em centro de dia. [Tese]. Universidade do Porto.2018;(1):1-316.

Ferreira E, Modesto NE, Santana SS. Segurança alimentar, perfil nutricional e de saúde de usuários de unidades básicas de Americana. Rev de Trab Acad da FAM. 2019 ;4(1):7-15.

Trivellato PT, Morais D de C, Lopes SO, Miguel E da S, Franceschini S do CC, Priore SE. Insegurança alimentar e nutricional em famílias do meio rural brasileiro: revisão sistemática. Cien Saude Colet. 2019;24(3):865–74. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018243.05352017

Paz AA, Santos LRB, Eidt RO. Vulnerabilidade e envelhecimento no contexto da saúde. Acta Paul Enferm.2006; 19(3): 338-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002006000300014

Fechine BRA, Trompieri N. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. InterSciencePlace. 2012;1(20):10694. DOI: http://dx.doi.org/10.6020/1679-9844/2007

Paula NM, Zimmermann SA. A insegurança alimentar no contexto da pandemia da covid-19 no Brasil. Revista NECAT - Rev do Núc de Estu de Econ Cat. 2021;10(19):56–67.

Escala Brasileira de Insegurança Alimentar – EBIA: análise psicométrica de uma dimensão da Segurança Alimentar e Nutricional - Acervo Social. [Estudo Técnico]. 2014; 1(14):5-9.

Fisberg RM, Marchioni DM, Carolina A. Avaliação do consumo alimentar e da ingestão de nutrientes na prática clínica. Arq Bras Endocrinol Metab.2009;17(3):48-53.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302009000500014

Ribeiro AC, Savio KEO, Rodrigues MLCF, Costa THM, Schmitz BAS. Validação de um questionário de frequência de consumo alimentar para população adulta. Rev Nutr Campinas.2006;19(5):553-62.

Ferreira MG, Silva NF, Schmidt FD, Silva RMVG, Sichieri R, Guimarães LV, et al. Desenvolvimento de Questionário de Frequência Alimentar para adultos em amostra de base populacional de Cuiabá, Região Centro-Oeste do Brasil. Rev Bras Epidemiol.2010;13(3):413-24.

Fernandes SG. Insegurança alimentar em idosos a viver na comunidade em Portugal [Dissertação]. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa - Escola Nacional de Saúde Pública. 2017.

Justo VC. Insegurança alimentar e fatores associados em idosos de Dourados [Dissertação]. Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados. 2013.

Hammerschmidt KSA, Bonatelli LCS, Carvalho AA. Caminho da esperança nas relações envolvendo os idosos: olhar da complexidade sobre pandemia da covid-19. Rev Panam Salud Publica 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2020-0132

Schlüssel MM, Silva AAM, Pérez ER, Kac G. Insegurança alimentar e excess de peso entre mulheres e crianças brasileiras. Cad Saúde Pública.2012;29(2):219–226. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000200003

Pedraza DF, Menezes TN de. Questionários de Frequência de Consumo Alimentar desenvolvidos e validados para população do Brasil: revisão da literatura. Cien Saude Colet.2015;20(9):2697–720. DOI:https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.12602014

Ferreira MG, Silva NF da, Schmidt FD, Silva RMVG da, Sichieri R, Guimarães LV, et al. Desenvolvimento de Questionário de Frequência Alimentar para adultos em amostra de base populacional de Cuiabá, Região Centro-Oeste do Brasil. Rev Bras de Epide. 2010;13(3):413–24. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.12602014

Morais DC, Dutra LV, Franceschin SCC, Priore SE. Insegurança alimentar e indicadores antropométricos, dietéticos e sociais em estudos brasileiros: uma revisão sistemática. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(5):1475-88. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014195.13012013

Rosa TE da C, Mondini L, Gubert MB, Sato GS, Benício MHD. Segurança alimentar em domicílios chefiados por idosos, Brasil. Rev bras geriatr gerontol. (Online).2012;15(1):69–77. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014195.13012013

Ruschel LF, Henn RL, Backes V, Melo P de, Marques LA da S, Olinto MTA. Insegurança alimentar e consumo alimentar inadequado em escolares da rede municipal de São Leopoldo, RS, Brasil. Cien Saude Colet.2016;21(7):2275–86. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.00742015

Moreira APB, Alfenas GRC, Santana RFL, Priore ES, Franceschini CCS Evolução e interpretação das recomendações nutricionais para os macronutrientes. Rev Bras Nutr Clin. 2012;27(1): 51-9.

Downloads

Publicado

2022-01-14

Como Citar

Bóia, J. S., Morais, V. E. F. de, Ignacio Junior, A., Lenquiste, S. A., & Gomes, R. L. (2022). ASSOCIAÇÃO ENTRE INSEGURANÇA ALIMENTAR E CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS ASSISTIDOS POR UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO INTERIOR PAULISTA. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 13(2), 1–11. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/4205

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)