[MOBILI] QUALI[DADE] URBANA: EIXO DE TRANSFORMAÇÃO URBANA EM GUAIANASES, SÃO PAULO-SP

Autores

  • Juliana Barreto da Silva
  • Victor Martins de Aguiar Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Yeda Ruiz Maria Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE

Palavras-chave:

eixo de estruturação, mobilidade, qualidade urbana

Resumo

A cidade de São Paulo possui, desde sua urbanização no século XIX, a ferrovia como elemento estruturador que distingue duas regiões – leste e oeste –, sob aspectos físicos e sociais. Entre eles, é evidente a desfavorável posição da Zona Leste em relação ao distanciamento do centro, sendo a primeira região a ser ocupada pelos populares, que cruzaram o território através da ferrovia e das grandes obras viárias da cidade que, desprezou, desde a sua formação, o espaço disponível para o pedestre. Hoje, 2020, no extremo leste localiza-se o bairro de Guaianases, ocupado pela população de baixa renda que, há trinta quilômetros de distância do centro, possui o trem como principal meio de acesso a este. Além da baixa oferta de emprego e qualidade no transporte, o bairro apresenta alto percentual de trabalhadores que gastam mais de uma hora no deslocamento casa-trabalho; fatores que caracterizam o local como bairro dormitório. Neste contexto, surge a Área de Estação, localizada no eixo de estruturação de bairro e que, responsável por configurar os deslocamentos diários da população local, é assumida como ponto de partida para a transformação do seu espaço. Para tanto, foram realizados levantamentos no entorno da área da Estação de Guaianases que, através de análises quantitativas e qualitativas, possibilitou a identificação das condições temporais, físicas e sociais do seu espaço; além da revisão da atual legislação pertinente que, atrelada aos princípios orientados ao transporte sustentável, permitem viabilizar e explorar instrumentos e políticas voltadas ao desenvolvimento local de bairro e, posteriormente, da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEM, S. F. de. Contribuição para estudos das estações ferroviárias paulistas. 1998. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm#art183>. Acesso em: 14/03/2020.

_____. Constituição Federal (1988). Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm>. Acesso em: 14/03/2020.

FARQUHAR, M. Definitions of quality of life: a taxonomy. Journal of Advanced Nursing, Oxford, v.22, n.3, p.502-8, 1995. https://doi.org/10.1046/j.1365-2648.1995.22030502.x

FLECK, M.P.A.; LOUZADA, S.; XAVIER, M.; CHACHAMOVICH, E.; VIEIRA, G.; SANTOS, L.; PINZON, V. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde. Revista de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.33, n.2, p.198-205, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. COORDENAÇÃO DE POPULAÇÃO E INDICADORES SOCIAIS. Perfil dos municípios brasileiros: gestão pública 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv32431.pdf>. Acesso em: 14/03/2020.

______________________________________________. Censo Demográfico (2000). Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=78>. Acesso em: 16/03/2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO. Valores de Edificações de Imóveis Urbanos. IBAPE/SP, 2017. Disponível em: <https://www.ibape-sp.org.br/adm/upload/uploads/1543595741-VEIU%202017.pdf>. Acesso em: 16/03/2020.

INSTITUTO DE POLÍTICAS DE TRANSPORTE E DESENVOLVIMENTO. Guia de implementação de políticas e projetos de DOTS. Rio de Janeiro: ITDP Brasil, 2017. Disponível em: < http://itdpbrasil.org.br/wp-content/uploads/2017/12/ITDP-BR-DU-GUIADOTS-V2.3.pdf>. Acesso em: 10/11/19.

_____________________________________________________. Padrão de Qualidade DOTS. Rio de Janeiro: ITDP Brasil, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10/11/19.

LANGENBUCH, J. R. A estruturação da grande São Paulo: estudo de geografia urbana. 1968. Tese (doutorado) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, Universidade Estadual de Campinas. Rio Claro, SP, 1968.

MOURA, I. B., OLIVEIRA, G. T., FIGUEIREDO, A. C. Plano Diretor Estratégico de São Paulo (PDE-SP): análise das estratégias sob a perspectiva do desenvolvimento orientado ao transporte sustentável. In: BALBIM, R., KRAUSE, C., CLARISSE, C. L. (org). Cidade em movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: Ipea, ITDP, 2016. p. 143-180.

RAFAEL, H. M. P. et al. Desigualdades socioespaciais de acesso a oportunidades nas cidades brasileiras (2019). Texto para Discussão Ipea, 2535. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9586>. Acesso em: 14/03/2020.

RAMOS, S. C. S. Nosso Bairro, Nossa Vida. Memórias de Guaianases. São Paulo: Clube de Autores, 2017.

SÃO PAULO. Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras. Quadro Analítico Guaianases. São Paulo: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, 2016.

__________. Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras. Quadro Analítico Macrorregional – Macrorregião Leste 2. São Paulo: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, 2016.

__________. Pesquisa Origem Destino 2017. São Paulo: Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos, 2019. Disponível em: <http://www.metro.sp.gov.br/pesquisa-od/arquivos/Ebook%20Pesquisa%20OD%202017_final_240719_versao_4.pdf>. Acesso em: 10/11/2019.

__________. Pesquisa de Emprego e Desemprego – PED. São Paulo: Ministério do Trabalho e Previdência Social, 2015. Disponível em: <https://www.seade.gov.br/produtos/midia/2017/01/MSP_Indicadores_25jan_2.pdf>. Acesso em: 10/11/2019.

__________. Plano Diretor Estratégico de São Paulo (2002). Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/lei-ordinaria/2002/1343/13430/lei-ordinaria-n-13430-2002-plano-diretor-estrategico-revoga-a-lei-n-10676-88-e-dispositivos-das-leis-n-s-13-260-01-8-881-79-9-049-80-9-411-81. Acesso em: 14/03/2020.

__________. Plano Diretor Estratégico de São Paulo (2014). Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/lei-ordinaria/2014/1605/16050/lei-ordinaria-n-16050-2014-aprova-a-politica-de-desenvolvimento-urbano-e-o-plano-diretor-estrategico-do-municipio-de-sao-paulo-e-revoga-a-lei-n-13430-2002. Acesso em: 14/03/2020.

SEADE – FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS. Índice Paulista de Vulnerabilidade Social. São Paulo: SEADE, 2010. Disponível em: <http://www.ipvs.seade.gov.br/view/index.php?selLoc=0&selTpLoc=2&prodCod=2>. Acesso em: 20/03/2020.

SIM, D.; GEHL, J. Soft City: Building Density for Everyday Life. Washington D.C.: Island Press, 2019.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. 2ª. ed. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

_________. As ilusões do plano diretor. 1ª. ed. São Paulo: [s.n.], 2005.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

Silva, J. B. da, Aguiar, V. M. de ., & Maria, Y. R. (2021). [MOBILI] QUALI[DADE] URBANA: EIXO DE TRANSFORMAÇÃO URBANA EM GUAIANASES, SÃO PAULO-SP. Colloquium Socialis. ISSN: 2526-7035, 4(3), 33–48. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/cs/article/view/3846