O PERCURSO DAS INTERAÇÕES E DAS BRINCADEIRAS NOS DOCUMENTOS CURRICULARES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5747/ch.2023.v20.h546

Palavras-chave:

Interações e brincadeiras, Documentos curriculares, Educação Infantil.

Resumo

A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica, que tem como finalidade desenvolver a criança de 0 a 5 anos de maneira integral. Assim, as creches e pré-escolas precisam criar metodologias, organizar tempos e espaços direcionados para essas crianças. Nesse sentido, destacamos as interações e as brincadeiras como os eixos que norteiam as práticas dessa etapa, sendo fundamental a articulação entre esses dois pontos para promover ações educativas relevantes. Esse artigo apresenta o estudo realizado a partir das bases legais dentre as quais destacamos a Constituição federal de 1988, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9.394/96), o Estatuto da Criança e do Adolescente nº 8.069/ 1990 (ECA), o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil, 1998 (RECNEI/ volumes 1, 2, 3), as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil, 2010 (DCNEI) e a Base Nacional Comum Curricular, 2017 (BNCC). Entrelaçamos esses documentos oficiais com autores que discutem sobre as interações e brincadeiras na Educação Infantil. Esse trabalho tem como objetivo analisar a configuração das interações e das brincadeiras na legislação e de mais documentos que tratam do currículo e outros aspectos inerentes a essa etapa da educação básica. Primeiramente contextualizamos as concepções e ideias que circundam o brincar e as interações na Educação Infantil e, posteriormente, abordamos a concepção do brincar através dos documentos curriculares e de outros dispositivos legais, como o ECA. Percebemos que o discurso neoliberal envolve os documentos curriculares e limita a prática do brincar na Educação Infantil.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ANGOTTI, M. (org.). Educação infantil: para quê, para quem e por quê? Campinas: Alínea, 2006.

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ASSIS, M. S. S. Práticas de Cuidado e de Educação na Instituição de Educação Infantil: o olhar das professoras In: ANGOTTI, M. (org.), Educação infantil: para quê, para quem e por quê? Campinas: Alínea, 2006. p. 87- 104.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://download.basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 30 out. 2022.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso: 30 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil ( DCNEI). Brasília: Secretaria de educação Básica, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em: 30 out. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências (ECA). Brasília, DF: Casa Civil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 30 out. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Brasília, DF: Casa Civil, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 30 out. 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1961. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722publicacaooriginal. Acesso em: 14 abr. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil ( RCNEI). Brasília: MEC/SEF, 1998. v. 3. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf. Acesso em: 30 out. 2022.

CHIZZOTTI, A. Projeto de Pesquisa em ciências humanas e sociais. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1995.

DAYRELL, J. (org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1992.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no College de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FRIEDMANN, A. O direito de brincar: a brinquedoteca. 4 ed. São Paulo: Abrinq, 1996.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, 1997. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71361/40514. Acesso em: 19 abr. 2023.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2010.

MACHADO, M. L. A. Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

MASCIOLI, S. A. Z. As brincadeiras de roda: vamos todos cirandar. In: ANGOTTI, M. (org.). Educação infantil: para que, para quem e por quê? Campinas: Alínia, 2006. p. 117 – 129.

MOSS, P. Reconceituando a infância: crianças, instituições e profissionais. In: MACHADO,

M. L. A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. (p. 235 – p. 248)

NUNES, M. F. R. Educação infantil: instituição, funções e propostas. In: CORSINO, P. Educação Infantil: cotidiano e política. Campinas: Autores associados, 2012. p. 31 – 45.

OLIVEIRA, Z. R. Os primeiros passos da história da educação infantil no Brasil. In: OLIVEIRA, Z. R. (org.). Educação infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2011. p. 90 – 103.

REDIN, E. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca. Porto Alegre: Mediação, 2000.

SOARES, C. L. Corpo, conhecimento e educação: notas esparsas. In: SOARES, C. L. (org.). Corpo e história. Campinas: Autores Associados, 2006. p.109 -129.

SOUZA, M. C. B. R. A concepção de criança para o enfoque Histórico-cultural. 2007. 154f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WINNICOTT, D. W. A criança e o seu mundo. 6. ed. Rio de Janeiro: JC, 1982.

Downloads

Publicado

2023-05-17

Como Citar

O PERCURSO DAS INTERAÇÕES E DAS BRINCADEIRAS NOS DOCUMENTOS CURRICULARES DA EDUCAÇÃO INFANTIL. (2023). Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 20(1), 171-188. https://doi.org/10.5747/ch.2023.v20.h546

Artigos Semelhantes

1-10 de 258

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>