RUPTURA: DISCUSSÕES EM TORNO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PÚBLICAS BRASILEIRAS PARA UM CURRÍCULO VIVO ANTIRRACISTA

Autores

  • Rosa Maria Rodrigues Barros Universidade Estadual de Maringá (UEM) https://orcid.org/0000-0002-2212-6187
  • Teresa Kazuko Teruya Universidade Estadual de Maringá (UEM)

DOI:

https://doi.org/10.5747/ch.2023.v20.h549

Palavras-chave:

Políticas Públicas e Educação, Currículo, Formação Docente, Decolonialidade

Resumo

A compreensão da identidade e dos papéis dos sujeitos na sociedade é necessária tanto para o alcance de uma satisfação subjetiva, própria do ser, como para o desenvolvimento da sociedade nas dimensões relacionais e produtivas. Este artigo é um convite às discussões e ao desenvolvimento de outras pesquisas e práticas, com objetivo de compreender as complexidades do currículo, a decolonialidade e à docência. Recorre aos documentos que compõem as políticas educacionais públicas brasileiras (nacionais e internacionais) no que se refere à constituição do currículo e da formação docente, como: Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2018), a BNC- Formação (BRASIL, 2019) e a Declaração Internacional de Incheon (UNESCO, 2016a). A análise documental está ancorada em Stuart Hall (2016), Aníbal Quijano (2005), José Sacristán (2017), Maria Lúcia Damásio (2008), Eneida Shiroma (2011), Teresa Teruya e Delton Felipe (2018), entre outros. Além disso, a série “Ruptura”, criada por Dan Erickson, com a primeira temporada em 2022, exibida pelo serviço de streaming Apple TV+, representa uma crítica ao desligamento das relações interpessoais da vida cotidiana em detrimento do trabalho em uma organização, e demandas do Capital. A análise da série possibilitou perceber as circunstâncias da superficialidade dos discursos das políticas públicas educacionais, que reverberam na formação docente e no currículo. Tais discursos não atendem de fato a inclusão dos grupos minoritários da sociedade, a diminuição dos distanciamentos provocados pelas desigualdades socioeconômicas e a desconstrução do racismo estrutural, mas apresentam apagamentos culturais em atendimento a um currículo colonial.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Teresa Kazuko Teruya, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

    Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1982), graduação em História pela Faculdade Auxilium de Lins (1996), mestrado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995), doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000) e pós-doutorado pela UnB (2010). Aposentada pela Universidade Estadual de Maringá e professora voluntária do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) da Universidade Estadual de Maringá-PR. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação, Mídia e Estudos Culturais - GPEMEC. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: teorias pedagógicas, educação, formação de professores, estudos culturais. website: nt5.net.br

Referências

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund-.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2011.

ARMADA, Charles Alexandre Souza. Uma sociedade global e um novo tempo. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, v.7, n.2, set./dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/rdp/article/view/5608

Acesso em: 19 fev. 2023.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BENATTI, Lucas Men. Culturas estéticas e afro-diaspóricas: estratégias para uma pedagogia antirracista. Campo Mourão: Fecilcam; Curitiba: Editorial Casa, 2022.

BENDRATH, Eduard Angelo. Estado, políticas públicas e organismos internacionais: a educação no foco do debate. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v.16, n.32, p.157-171, jul./dez. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/intm/article/view/2432/1578. Acesso em: 22 ago. 2022.

BENJAMIM, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre, RS: L&PM, 2013.

BOOM, Alberto Martínez. La educación en América Latina. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 49, n. 1, p.163–179, 2009. Disponível em: https://rieoei.org/historico/documentos/rie49a06.pdf. Acesso em: 19 nov. 2022. https://doi.org/10.35362/rie490678

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal,1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 15 set. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 26 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 20 set. 2022.

BRASIL. Lei 13415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional... Brasília: Câmara dos Deputados, 2017. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html. Acesso em: 21 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 2.167, de 19 de dezembro de 2019. Homologa o Parecer CNE/CP nº 22/2019 em conjunto a Resolução CNE/EP n.2, de 20 de dezembro de 2019. Institui a Base Nacional Comum para a formação inicial de professores para a Educação Básica (BNC- Formação). Diário Oficial da União (DOU), p. 142, Seção 1, 2019a. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/277508966/dou-secao-1-20-12-2019-pg-142?ref=feed. Acesso: 15 jan. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP n.2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: MEC, 2019b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=135951-rcp002-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 4 set. 2022.

CURY, Carlos Roberto Jamil; REIS, Magali; ZANARDI, Adriano Antônio. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina Damboriarena. Uma cartografia dos Estudos Culturais: uma versão latino-americana. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. E-book.

GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro Educador: saberes constituídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019. E-book.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Apicuri, 2016.

IANNI, Octavio. Globalização e crise do Estado-Nação. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 4, n. 6, 2008. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/753. Acesso em: 5 jan. 2023.

INNERARITY, Daniel. Una teoria de la democracia compleja: governar em nel siglo XXI. Barcelona: Galaxia Gutenberg, 2020. E-book. Disponível em: https://pt.scribd.com/read/440427515/Una-teoria-de-la-democracia-compleja#. Acesso em: 15 fev. 2023.

JENKINS, Philip. Terras sem nome: a colonização europeia, 1492-1765. In: JENKINS, Philip. Uma história dos Estados Unidos da América. Lisboa, PT: Texto & Grafia, 2012, p. 27-59. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/478717690/Uma-Historia-dos-Estados-Unidos-da-America-pdf

Acesso em: 15 fev. 2023.

NOGUEIRA, Adrinelly Lemes; BORGES, Maria Célia. A BNC-Formação e a Formação Continuada de professores. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 1, p. 188–204, 2021. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/13875. Acesso em: 7 fev. 2022. https://doi.org/10.22633/rpge.v25i1.13875

PENAFRIA. Manuela. Análise de filmes: conceitos e metodologias. In:

VI CONGRESSO SOPCOM. 6., 2009. Lisboa. Anais […]. Lisboa: Universidade Lusófona, 2009. Disponível em: https://bocc.ubi.pt/pag/bocc-penafria-analise.pdfAcesso em: ago. 2022.

PEREIRA, Rodrigo da Silva; SILVA, Maria Abádia da. Estado Capitalista brasileiro e organismos internacionais: continuidades das reformas educacionais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 18, n. 2, p. 523-544, abr./jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8651372. Acesso em: 11 maio 2022. https://doi.org/10.20396/rho.v18i2.8651372

PERONI, Vera Maria Vidal; CAETANO, Maria Raquel; LIMA, Paula Valim de. Reformas educacionais de hoje: as implicações para a democracia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 415-432, jul./dez. 2017. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/793. Acesso em: 25 out. 2021. https://doi.org/10.22420/rde.v11i21.793

PILETTI, Nelson; PRAXEDES, Walter. Principais correntes da sociologia da educação. São Paulo: Contexto, 2021.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, AR: CLACSO, 2005, p. 227-278. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/lander/pt/lander.html Acesso em: 19 nov. 2022.

RABELO, Jackeline; JIMENEZ, Suzana; SEGUNDO, Maria das Dores Mendes (org). O movimento de educação para todos e a crítica marxista . 1. ed. Fortaleza, CE: Imprensa Universitária da UFC, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/16670/1/2015_liv_jrabelo.pdf. Acesso em: 22 set. 2022.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3 ed. Porto Alegre, RS: Penso, 2017.

SAUTER, Gabriela Ossenbach. Estado y educación en América Latina a partir de su independencia (siglos XIX y XX). Revista Iberoamericana de Educación, v. 1, n. 1. 1993. Disponível em: https://rieoei.org/historico/oeivirt/rie01a04.htm. Acesso em: 7 fev. 2023. https://doi.org/10.35362/rie101243

RUPTURA (SEVERANCE). Dirigido por Ben Stiller, Aoife McArdle. Plataforma Apple TV+. 2022. 9 episódios (390 min). Série. Disponível em: https://tv.apple.com/us/show/severance/umc.cmc.1srk2goyh2q2zdxcx605w8vtx Acesso em: 12 nov. 2022.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

TARÍN, Francisco Javier Gómez. El análisis de textos audiovisuales: significación y sentido. Espanha, 2010.

TERUYA, Teresa Kazuko; FELIPE, Delton Aparecido. Políticas públicas e o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana na educação escolar. In: ALVES, Amanda Palomo (org.). Diálogos sobre diversidade, relações raciais e desigualdade no Brasil. Maringá, PR: Eduem, 2018. p. 247-265. https://doi.org/10.7476/9786586383027.0013

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Conferencias regionales sobre la educación despues de 2015: declaraciones finales. In: Foro mundial sobre la Educación, 2015. Corea. Anais [...]. Corea, 2015. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002330/233014s.pdf. Acesso em: 30 ago. 2022.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Educação 2030: declaração de Incheon e marco de ação, rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Brasília: UNESCO, 2016a. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000243278_por. Acesso em: 30 ago. 2022.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaración de Lima: balances y desafíos para la agenda educativa regional 2015 -2030. Peru: OREALC, 2016b. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000244335. Acesso em: 17 jan. 2021.

Downloads

Publicado

2023-05-25

Edição

Seção

Dossiê: Políticas Educacionais e formação de professoras/es

Como Citar

RUPTURA: DISCUSSÕES EM TORNO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PÚBLICAS BRASILEIRAS PARA UM CURRÍCULO VIVO ANTIRRACISTA. (2023). Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 20(1), e234604. https://doi.org/10.5747/ch.2023.v20.h549

Artigos Semelhantes

1-10 de 325

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>