AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E SUAS MÚLTIPLAS VIOLÊNCIAS: O BIOPODER E SUAS MARCAS NA EDUCAÇÃO FORMAL

Autores

  • Wesley Piante Chotolli Fundação Educacional de Penápolis - FUNEPE

Palavras-chave:

violência na escola, diferenciação social, poder e educação

Resumo

Considerando a necessidade de analisar a violência e suas determinações no ambiente das instituições de ensino e suas ramificações nas esferas da dominação e da segregação social, objetiva-se discutir os impactos das práticas da educação formal e suas possíveis relações com a biopolítica. Para tanto, procede-se da pesquisa bibliográfica de autores e autoras problematizadores das redes de poder implicadas no cenário educacional e suas possíveis consequências na reprodução dos elementos hegemônicos culturais da realidade objetiva, legitimando o discurso de universalização do ensino em contraposição ao respeito às diferenças. Desse modo, observa-se que as instituições educacionais auxiliam na perpetuação das desigualdades sociais, utilizando-se das violências em suas diversas dimensões nos atos pedagógicos e na ausência de problematização dos marcadores simbólicos das diferenças, o que permite concluir a necessidade de desnaturalização e estranhamento das ações efetivadas no interior destas agências de socialização e de construção dos sujeitos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wesley Piante Chotolli, Fundação Educacional de Penápolis - FUNEPE

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR), especialista em Ensino de Sociologia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR) e mestre em Ensino e Processos Formativos pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal), na linha de pesquisa Tecnologias, Diversidades e Culturas. Foi vice-presidente da Fundação Educacional de Penápolis (FUNEPE) entre 2017 e 2019. Atua como professor de Sociologia no Ensino Médio e é docente da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis (FAFIPE), mantida pela FUNEPE, exercendo também a função de Coordenador de Extensão (FAFIPE/FUNEPE).

Referências

ABRAMOVAY et al. Construindo referências sobre violência, escola e educação entre saberes e desencontros, destacando o cotidiano escolar. In: ABRAMOVAY, Mirian (Org). Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília : UNESCO, Observatório de Violência, Ministério da Educação, 2005. p.53-82.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS; SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil 2015: as experiências de adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais. Curitiba: ABGLT, 2016.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 35.ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (org). Escritos de educação. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 39-64.

BOURDIEU, Pierre; CHAMPAGNE, Patrick. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (org). Escritos de educação. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 217-227.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 7.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 13 jan. 2020.

BRASIL. Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CRETTIEZ, Xavier. As formas da violência. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collége de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 4.ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 7.ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz & Terra, 2018.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento das prisões. 42.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (org). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9.ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (org). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. p. 7-34.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3. ed. ver. amp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

MACEDO, Elisabeth. A cultura e a escola. In: MISKOLCI, Richard (org). Marcas das diferenças no ensino escolar. São Carlos: EdUFSCar, 2014. p. 11-43.

MACEDO, Elisabeth. As demandas conservadoras do Movimento Escola Sem Partido e a Base Nacional Comum Curricular. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.507-524, abr.-jun., 2017.

MACEDO, Elisabeth. Repolitizar o social e tomar de volta a liberdade. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.34, p. 1-15, 2018.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: projetos de pesquisa/ pesquisa bibliográfica/ teses de doutorado, dissertações de mestrado, trabalhos de conclusão de curso. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2020.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2.ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 2.ed. ver. e ampl. Belo Horizonte: Autêntica Editora: UFOP, 2016.

INSTITUTO UNIBANCO. Roteiro de Análise de Indicadores Educacionais: Desigualdade Racial. S/d.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Racismo “à brasileira”. In: ALMEIDA, Heloisa Buarque; SZWAKO, José (org). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009. p. 70-115.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 24.ed. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 73-102.

SILVÉRIO, Valter Roberto et al. Relações étnico-raciais. In: MISKOLCI, Richard (org). Marcas das diferenças no ensino escolar. São Carlos: EdUFSCar, 2014. p. 113-155.

VENCATO, Anna Paula. Diferenças na escola. In: MISKOLCI, Richard; LEITE JÚNIOR, Jorge (org). Diferenças na educação: outros aprendizados. São Carlos: EdUFSCar, 2014. p. 19-56.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Chotolli, W. P. (2022). AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E SUAS MÚLTIPLAS VIOLÊNCIAS: O BIOPODER E SUAS MARCAS NA EDUCAÇÃO FORMAL. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 19(1), 46–65. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/4186