SELECTION OF DROUGHT-TOLERANT TOMATO DURING THE VEGETATIVE STAGE

Autores

  • Jessica Cardoso Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Taizi Regina Silva
  • Antonio Carlos de Souza Abboud
  • Taciane Finatto
  • Leomar Guilherme Woyann
  • Thiago de Oliveira Vargas

Palavras-chave:

Português, inglês

Resumo

O estresse hídrico consiste em uma importante restrição à produtividade do tomateiro. Dois cruzamentos contrastantes foram realizados para estimar características fisiológicas e morfológicas envolvidas na resposta ao estresse hídrico durante a fase vegetativa, visando identificar genótipos superiores para tolerância à seca. Duas variedades (GBT_2037 – sensível à seca e GBT_2016 – intermediário tolerante à seca) foram utilizadas como parentais femininos e um híbrido comercial (tolerante à seca) foi usado como fonte de pólen em ambos os cruzamentos: C1 (GBT_2037 × Híbrido comercial) e C2 (GBT_2016 × Comercial híbrido). As populações de parentais (P), primeira geração de descendentes (F1) e segunda geração de autopolinização (F2) foram expostas ao estresse hídrico durante 20 dias, quando foram analisadas: características fisiológicas (conteúdo relativo de água das folhas, prolina e teor relativo de clorofila) e morfológicos (altura da planta, diâmetro do caule, número de folhas, matéria fresca e seca de raízes e parte aérea e classificação por nivel de murcha). As médias de clorofila, razão raiz/parte aérea e teor de água nas folhas para a geração F2 de C2 foram superiores a C1, indicando que C2 resultou em plantas com maior capacidade de manter o turgor sob condições de estresse hídrico e apresentou menos danos nas estruturas fotossintéticas, consequentemente apresentando maior tolerância ao estresse hídrico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-05-16

Como Citar

Cardoso, J., Silva , T. R., Abboud, A. C. de S. ., Finatto, T. ., Woyann, L. G., & Vargas, T. de O. (2022). SELECTION OF DROUGHT-TOLERANT TOMATO DURING THE VEGETATIVE STAGE. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 18(2), 42–53. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/4332