GENOTYPE × ENVIRONMENT EFFECTS ON MORPHOLOGICAL AND PRODUCTIVE COMPONENTS OF SWEET POTATO (Ipomoea batatas L.)

Autores

  • Sindi Elen Senff
  • Viviane de Fátima Milcheski
  • Ana Caroline Basniak Konkol
  • Ana Carolina da Costa Lara Fioreze UFSC

Palavras-chave:

clones, estável, raízes, produtividade comercial

Resumo

A batata doce (Ipomoea batatas L.) é uma cultura de alta demanda pelo mercado consumidor, devido aos estudos que comprovamos seus benefícios à saúde. Contudo, o baixo uso de clones melhorados reduz a lucratividade potencial da cultura. O melhoramento de plantas busca selecionar genótipos com bons resultados em uma gama de ambientes através da avaliação da presença de interação genótipos x ambientes. A partir disso, o objetivo do presente trabalho foi avaliar a presença de interação clones x safras em caracteres morfológicos e produtivos de clones de batata-doce, no município de Curitibanos- SC, nas safras de 2016/2017 e 2017/2018. Os clones avaliados foram Brazlândia Rosada, BRS Amélia, Beauregard, Brazlândia Roxa e BRS Rubissol. O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados com três repetições. Foram realizadas as avaliações das raízes: comprimento da raiz (CR), diâmetro de raiz (DR), massa média de raiz (MMR), número total de raízes (NTR), número de raízes comerciais (NRC), produção total (PT) e produção comercial (PC). Os dados foram submetidos à análise de variância individual e conjunta. O clone Beaureagard se destacou por apresentar o maior número de raízes comerciais e por ser estável em diferentes ambientes. Beauregard, Brazlândia Roxa e Brazlândia Rosada apresentaram diferença entre safras para o número total de raízes. Não houve diferenças significativas entre safras para a massa média de raízes, notando a superioridade de BRS Amélia sobre Brazlândia Rosada.  O clone Beauregard não apresentou comportamento diferencial entre safras tanto para a produtividade comercial e total, e foi destaque em comparação com os outros clones. Os clones BRS Rubissol e o Beauregard foram considerados os mais promissores para o cultivo de batata-doce nas condições de Curitibanos/SC.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARO, G.B.; FERNANDES, F.R.; SILVA, G.O.; CASTRO, L.A.S. Desempenho de cultivares de batata doce na região do Alto Paranaíba-MG. Horticultura Brasileira, v.35, n.2, p.286-291, 2017. https://doi.org/10.1590/s0102-053620170221

AMARO, G.B.; TALAMINI, V.; FERNANDES, F.R.; SILVA, G.O.; MADEIRA, N.R. Desempenho de cultivares de batata-doce para rendimento e qualidade de raízes em Sergipe. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.14, n.1, p.1-6, 2019. https://doi.org/10.5039/agraria.v14i1a5628

AMORIN, B. S. C.; OLIVEIRA, G.I.S.; SILVEIRA, M.A.; NASCIMENTO, I.R.; FERREIRA, T.A. Adaptabilidade fenotípica de genótipos de batata-doce oriundos de sementes botânicas na região Sul do Estado do Tocantins. Pesquisa Aplicada e Agrotecnologia, v.4, n.3, p.31-50, 2011. https://doi.org/10.5777/PAeT.V4.N3.02

BORÉM, A.; MIRANDO, G.V.; FRITCHE-NETO, R. Melhoramento de Plantas. 7. ed. Viçosa: UFV, 2017. 543 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Registro Nacional de Cultivares. Brasília: RNC, 2020. Disponível em: http://sistemas.agricultura.gov.br/snpc/cultivarweb/cultivares_registradas.php . Acesso em 19 mai. 2020.

CARMONA, P.A.O.; PEIXOTO, J.R.; AMARO, G.B.; MENDONÇA, M.A. Divergência genética entre acessos de batata-doce utilizando descritores morfoagronômicos das raízes. Horticultura Brasileira, v.33, n.2, p.241-250, 2015. https://doi.org/10.1590/S0102-053620150000200017

CAVALCANTE, M.; FERREIRA, P.V.; PAIXÃO, S.L.; COSTA, J.G.; PEREIRA, R.G.; MADALENA, J.A.S. Potenciais produtivo e genético de clones de batata-doce. Acta Scientiarum Agronomy, v.31, n.3, p.421-426, 2009. https://doi.org/10.4025/actasciagron.v31i3.835

CRUZ, C.D. Programa Genes (Versão Windows): aplicativo computacional em Genética e Estatística. 1. ed. Viçosa: UFV, 2001. v. 1. 648 p.

CRUZ, C.D.; REGAZZI, A.J.; CARNEIRO, P.C.S. Modelos biométricos aplicados ao melhoramento genético. 4. ed. Viçosa: UFV, 2012. v. 1. 514 p.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. Brasília: Embrapa, 2018. 355 p.

IBGE. Produção agrícola – lavoura temporária: 2019. 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pesquisa/14/10233 . Acesso em: 16 jun. 2021.

LEAL, M.H.S.; ZEIST, A.R.; RODRIGUES JÚNIOR, N.R.; SILVA JÚNIOR, A.D.; ARANTES, J.H.V.; GARCIA NETO, J.; PIERI, J.R.S.; PERRUD, A.C. Selection of new sweet potato genotypes based on production parameters, physical root characteristics and resistance to Euscepes postfasciatus. Journal of Crop Science and Biotechnology, v.24, p.349-360, 2021. https://doi.org/10.1007/s12892-020-00083-0

MASSAROTO, J.A.; MALUF, W.R.; GOMES, L.A.A.; FRANCO, H.D.; GASPARINO, C.F. Desempenho de clones de batata-doce. Ambiência, v.10, n.2, p.73-81, 2014. https://doi.org/10.5935/ambiencia.2014.01.06

MELO, R.A.C.; AMARO, G.B.; SILVA, G.O.; SANTOS, F.H.C.; VENDRAME, L.P.C. Root production and quality atributes of sweetpotato genotypes in Brasília-DF, Brazil, during two croping seasons. Colloquium Agrariae, v.15, n.2, p.90-95, 2020. https://doi.org/10.5747/ca.2019.v15.n6.a362

MIRANDA, J.E.C.; FRANÇA, F.H.; CARRIJO, O.A.; SOUZA, A.F.; PEREIRA, W.; LOPES, C.A.; SILVA, J.B.C. A cultura da batata-doce. 2. ed. Brasília: Embrapa Hortaliças, 1995. 94 p.

SILVA, J.B.C.; LOPES, C.A.; MAGALHÃES, J.S. Batata-doce (Ipomoea batatas). 6. ed. Brasília: Embrapa Hortaliças, 2008. 23 p.

SILVA, G.O.; SUINAGA, F.A.; PONIJALEKI, R.; AMARO, G.B. Desempenho de cultivares de batata-doce para caracteres relacionados com o rendimento de raiz. Revista Ceres, v.62, n.4, p.379-383, 2015. https://doi.org/10.1590/0034-737X201562040007

STATHERS, T.; NAMANDA, S.; MWANGA, R.O.; KHISA, G.; KAPINGA, R. Manual for sweetpotato integrated production and pest management farmer field schools in sub-Saharan Africa. Uganda: International Potato Center, 2005. 168 p.

TANAKA, M.; ISHIGURO, K.; OKI, T.; OKUNO, S. Functional componentes in sweetpotato and their genetic improvement. Breeding Science, v.67, p.52-61, 2017. https://doi.org/10.1270/jsbbs.16125

UFSC. Boletim anual - estação meteorológica sede UFSC Curitibanos. 2016. Disponível em: https://agriculturaconservacionista.ufsc.br/agrometeorologia/estacao-ufsccuritibanos /boletim-anual_ufsc_2016/ . Acesso em: 26 jul. 2018.

UFSC. Boletim anual - estação meteorológica sede UFSC Curitibanos. 2017. Disponível em: https://agriculturaconservacionista.ufsc.br/agrometeorologia/estacao-ufsccuritibanos /boletim-anual_ufsc_2017-2/ . Acesso em: 26 jul. 2018.

UFSC. Boletim anual - estação meteorológica sede UFSC Curitibanos. 2018. Disponível em: https://agriculturaconservacionista.ufsc.br/agrometeorologia/estacao-ufsccuritibanos /boletim-anual_ufsc_2018/ . Acesso em: 26 jul. 2018.

YOSHIMOTO, M. Physiological functions and utilization of sweet potato. In: RAY, R.C.; TOMLINS, K.I. (Eds.). Sweet potato: post harvest aspects in food, feed and industry. New York: Nova Science Publishers, 2011. p. 59-89.

Downloads

Publicado

2021-10-28

Como Citar

Senff, S. E., Milcheski, V. de F., Basniak Konkol, A. C., & Fioreze, A. C. da C. L. (2021). GENOTYPE × ENVIRONMENT EFFECTS ON MORPHOLOGICAL AND PRODUCTIVE COMPONENTS OF SWEET POTATO (Ipomoea batatas L.). Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 17(5), 7–15. Recuperado de https://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3927