DOES LIDOCAINE HAVE ANTIMICROBIAL EFFECTS AGAINST MAJOR PATHOGENS THAT INFECT WOUNDS? AN “IN VITRO” STUDY

Autores

  • Bruno Carvalho Henriques Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Isadora Delfino Caldeira Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Maria Júlia Schadeck Portelinha Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Denis Aloísio Lopes Medina Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Cesar Alberto Talavera Martelli Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Mayla Silva Cayres de Oliveira Laboratório de Análises Clínicas, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Mércia de Carvalho Almeida Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil
  • Mariângela Esther Alencar Marques Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
  • Gisele Alborghetti Nai UNOESTE https://orcid.org/0000-0003-1674-7371

Resumo

Os anestésicos locais são utilizados comumente como agente para analgesia pós-operatória e tem um baixo custo, porém sua ação como agente microbicida ainda é controversa. O objetivo deste estudo foi avaliar se a lidocaína tem efeito antimicrobiano frente à infecção pelas bactérias que mais comumente infectam feridas cirúrgicas. Para este estudo, foram avaliados os seguintes microorganismos: Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Escherichia coli, Proteus mirabilis e Enterococcus faecalis. As soluções testadas foram soro fisiológico, clorexidina, solução de lidocaína, lidocaína pura e solução de antibióticos. As placas testadas com solução de lidocaína e a lidocaína pura não apresentaram halo de inibição. A solução de antibióticos apresentou os maiores halos de inibição em todas as bactérias testadas (p < 0.05). A clorexidina formou halo semelhante ao da solução de antibióticos para Escherichia coli (p > 0.05). A lidocaína não apresentou efeito antimicrobiano em relação a nenhuma das bactérias testadas. Porém, a solução de antibióticos e o digliconato de clorexidina inibiram o crescimento de todas as bactérias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Carvalho Henriques, Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil

Aluno de graduação

Maria Júlia Schadeck Portelinha, Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil

Aluna de graduação.

Denis Aloísio Lopes Medina , Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil

Médico, cirurgião plástico.

Cesar Alberto Talavera Martelli, Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil

Médico, cirurgião vascular.

Mayla Silva Cayres de Oliveira, Laboratório de Análises Clínicas, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil

Bioquímica.

Mércia de Carvalho Almeida, Faculdade de Medicina, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brazil

Mestre, Bioquímica.

Mariângela Esther Alencar Marques, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Doutora, médica patologista.

Gisele Alborghetti Nai, UNOESTE

Professora do Departamento de Patologia da UNOESTE. Médica patologista, responsável técnica pelo Laboratório de Anatomia Patológica da UNOESTE.

Publicado

2020-06-17

Como Citar

Carvalho Henriques, B. ., Delfino Caldeira , I. ., Schadeck Portelinha, M. J. ., Lopes Medina , D. A., Talavera Martelli, C. A. ., Silva Cayres de Oliveira, M. ., de Carvalho Almeida, M. ., Alencar Marques, M. E. ., & Nai, G. A. (2020). DOES LIDOCAINE HAVE ANTIMICROBIAL EFFECTS AGAINST MAJOR PATHOGENS THAT INFECT WOUNDS? AN “IN VITRO” STUDY. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 12(2), 19-23. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/3396

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##