MANEJO DA DOR PEDIÁTRICA: PROJEÇÕES E PERSPECTIVAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

Autores

  • Stela Faccioli Ederli Universidade do Oeste Paulista
  • Berta Aparecida de Oliveira Bazote Universidade do Oeste Paulista
  • Lucas Lima de Moraes Universidade do Oeste Paulista
  • Maria Eduarda de Souza Aredes Universidade do Oeste Paulista
  • Mauren Teresa Grubisich Mendes Tacla Universidade Estadual de Londrina

Resumo

Objetivo: Compreender os critérios utilizados pela equipe de enfermagem para avaliar a dor da criança hospitalizada em uma UTIP. Metodologia: Estudo qualitativo, tendo como público alvo a equipe de Enfermagem de uma UTIP de um Hospital Regional do Interior do Estado de São Paulo. Foram realizados grupos focais alternando em dias ímpares e pares. Analisou-se os dados utilizando Análise Temática proposta por Bardin. Resultados: A análise resultou em duas categorias, sendo a primeira: “Vivenciar a multidimensionalidade da dor da criança: projeções e sentimentos” e a segunda: “Avaliação da dor pediátrica: um cuidado a ser aprimorado”. Conclusão: Conclui-se que as entrevistadas compreendem de forma subjetiva o conceito de dor e que as mesmas não utilizam critérios padronizados para a avaliação da dor, o que gera uma assistência não sistematizada diante do manejo da dor da criança hospitalizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Dantas LVRP, Dantas TSP, Santana Filho VJ, Azevedo-Santos IF, Santana JM. Pain assessment during blood collection from sedated and mechanically ventilated children. Rev Bras Ter Intensiva. 2016;28(1):49-54. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20160013

Knobel E. Condutas no paciente grave. 4.ed. São Paulo: Atheneu; 2016.

Breau LM, Burkitt C. Assessing pain in children with intellectual disabilities. Pain Res Manag. 2009;14(2):116-20. https://doi.org/10.1155/2009/642352

Blasi DG, Candido LK, Tacla MTGM, Ferrari RAP. Avaliação e manejo da dor na criança: percepção da equipe de enfermagem. Semina: Ciên Biol Saúde. 2015;36(1):301-10. https://doi.org/10.5433/1679-0367.2015v36n1Suplp301

World Health Organization. Who guidelines on the pharmacological treatment of persisting pain in children with medical illnesses. Geneva: World Health Organization; 2012.

Silva JA. The challenge of pain. Physchol Neurosci. 2014;7(1):1-2. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.2017012

Serrano SC, Barbosa SMM, Queiroz EJ, Campos FG, Santos ASV. Peculiarities of neuropathic pain in children. Rev Dor. 2016;17(1):110-2. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20160061

Krauss BS, Calligaris L, Green SM, Barbi E. Current concepts in management of pain in children in the emergency department. Lancet. 2016;387(10013):83-92. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61686-X

Gonçalves B, Holz AW, Lange C, Maagh SB, Pires CG, Brazil CM. Care of children in pain admitted to a pediatric emergency and urgency unit. Rev Dor. 2013;14(3)179-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-00132013000300005

Mitchell AJ, Yates CC, Williams DK, Chang JY, Hall RW. Does daily kangaroo care provide sustained pain and stress relief in preterm infants?. J Neonatal Perinatal Med. 2013;6(1):45-52. https://doi.org/10.3233/NPM-1364212

Miranda ML, Bersot CDA, Villela N.R. Sedação, analgesia e bloqueio neuromuscular na unidade de terapia intensiva. Rev Hosp Univ Pedro Ernesto. 2013;12(3):102-9. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/rhupe.2013.7537

Monitto CL, Hsu A, Gao S, Vozzo PT, Park OS, Roter D et al. Opioid prescribing for the treatment of acute pain in children on hospital discharge. Anesthesia-Analgesia. 2017;125(6):2113-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1213/ANE.0000000000002586

Ribeiro SF, Pinto JCP, Ribeiro JB, Felix MMS, Barroso SM, Oliveira LF et al. Pain Management at Inpatient Wards of a University Hospital. Rev Bras Anestesiol. 2012;62(5):599-611. https://doi.org/10.1016/S0034-7094(12)70160-5

Joint Commission International Accreditation Standards for Hospitals. 2nd.ed. Illinois, 2004.

Lee GY, Yamada J, Kyololo O`B, Shorkey A, Stevens B. Pediatric clinical practice guidelines for acute procedural pain: a systematic review. Pediatrics. 2014;133(3):500-15. DOI: http://dx.doi.org/10.1542/peds.2013-2744

Candido LK, Tacla MTGM. Avaliação e caracterização da dor na criança: utilização de indicadores de qualidade. Rev Enfer UERJ. 2015;23(4):526-32. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2015.10514

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011, p.229.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 30.ed. Petrópolis: Vozes; 2016.

Silva EM, Olinda AG, Barros FHG, Silva LO et al. A percepção da equipe de enfermagem na avaliação da dor em unidades pediátricas: revisão sistemática da literatura. Rev Mult Psic. 2018;12(42):777-89. https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1536

Karos K, Williams ACC, Meulders A, Vlaeyen JWS. Pain as a threat to the social self: a motivational account. Pain. 2018;159(9):1690-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/j.pain.0000000000001257

Campos GRP, Passos MAN. Sentimentos da equipe de enfermagem decorrentes do trabalho com crianças em uma unidade de queimados. Rev Bras Queimaduras 2016;15(1):35-41.

Silva EM, Olinda AG, Barros FHG, Silva LO. et al. A Percepção da Equipe de Enfermagem na Avaliação da Dor em Unidades Pediátricas: Revisão Sistemática da Literatura. Rev. Mult. Psic. 2018;12(42):777-789. https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1536

Batalha LMC, Sousa AFD. Autoavaliação da intensidade da dor: correlação entre crianças, pais e enfermeiros. Rev Enf Ref. 2018;4(17):15-22. DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIV18002

Santos JP, Maranhão DG. Cuidado de Enfermagem e manejo da dor em crianças hospitalizadas: pesquisa bibliográfica. Rev Soc Bras Enferm Ped. 2016;16(1):44-50. https://doi.org/10.12957/reuerj.2017.15379

Stevens B, Franck L, Gibbins S, et al. Determining the structure of acute pain responses in vulnerable neonates. Can J Nurs Res. 2007;39(2):32-47.

Stevens B, Johnston C, Petryshen P, Taddio A. Premature infant pain profile: development and initial validation. Clin J Pain. 1996;12(1):13-22. https://doi.org/10.1097/00002508-199603000-00004

Publicado

2020-11-13

Como Citar

Ederli, S. F., Bazote, B. A. de O., Moraes, L. L. de, Aredes, M. E. de S. ., & Tacla, M. T. G. M. (2020). MANEJO DA DOR PEDIÁTRICA: PROJEÇÕES E PERSPECTIVAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 12(2), 109-115. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/3272

Edição

Seção

Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##