EXPOSIÇÃO PÓS-NATAL A POLUENTES DO AR (MP≤2,5) COMO FATOR DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPORTAMENTOS DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE: UM ESTUDO EXPERIMENTAL

  • Carla de Oliveira Carletti
  • Rodrigo Correia Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP
  • Luis Fernando Sierra de Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP
  • Murilo Américo de Paiva Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP
  • Mariana Matera Veras UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP
  • Regina Helena da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP
  • Maria Jose da Silva Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar as alterações comportamentais de ratos machos e fêmeas adultos, expostos ao material particulado fino e ultrafino (MP≤2,5) suspenso na poluição do ar, durante o desenvolvimento.  Ratos Wistar com idade de 7 dias pós-natal, foram expostos à câmara de um concentrador de partículas atmosféricas. Foram realizados os testes de campo aberto e teste de preferência por sacarose para avaliação da presença de comportamentos de ansiedade e depressão. Ratos machos do grupo poluição apresentaram redução da atividade locomotora e do tempo de permanência no centro do campo aberto quando comparados aos machos do grupo controle. O teste de preferência por sacarose evidenciou significância estatística entre os grupos poluição e controle, e entre os machos do grupo poluição e controle. O estudo concluiu que a exposição ao MP≤2,5 causa alterações comportamentais características de depressão e ansiedade, em ratos machos adultos expostos durante o período de desenvolvimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-01-17
Como Citar
de Oliveira Carletti, C., Correia Santos, R., Fernando Sierra de Araújo, L., Américo de Paiva Santos, M., Matera Veras, M., Helena da Silva , R., & Jose da Silva Fernandes, M. (2020). EXPOSIÇÃO PÓS-NATAL A POLUENTES DO AR (MP≤2,5) COMO FATOR DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPORTAMENTOS DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE: UM ESTUDO EXPERIMENTAL. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(3), 20-31. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/3266
Seção
Artigos Originais