RELAÇÃO ENTRE A PRESENÇA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E ADESÃO AO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

  • Pablo Phillipe Cândido dos Santos
  • Waleska Thicyara Cândida dos Santos Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Thaís Gonçalves de Matos Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Jaqueline Costa Castilho Moreira Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP
  • Jamile Sanches Codogno Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP
Palavras-chave: hipertensão, agente comunitário de saúde, estratégia saúde da família, unidade básica de saúde, adesão à medicação

Resumo

O objetivo deste estudo foi comparar a adesão ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica entre Unidade Básica de Saúde e Estratégia de Saúde da Família. A pesquisa foi realizada no interior do oeste paulista, em 2014, com 200 usuários acima de 50 anos cadastrados em uma Estratégia de Saúde da Família e uma Unidade Básica de Saúde. A adesão foi avaliada pelos testes de Batalla e de Morisky-Green. A análise estatística foi feita no software BioStat. No teste de Batalla, a adesão na Estratégia de Saúde da Família foi de 31% e na Unidade Básica de Saúde, 40%. No de Morisky-Green, ela foi de 64% na Estratégia de Saúde da Família e na Unidade Básica de Saúde, 68%. Concluímos que não houve diferença significativa na adesão segundo a unidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Tesser CD, Garcia AV, Vendruscolo C, Argenta CE. Estratégia saúde da família e análise da realidade social: subsídios para políticas de promoção da saúde e educação permanente. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(11):4295-306. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001200002

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de A. B. Manual de operação. HiperDia - Sistema de cadastramento e acompanhamento de hipertensos e diabéticos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Cardoso GN. Além da prescrição: a má adesão ao tratamento medicamentoso da hipertensão arterial sistêmica. Governador Valadares. [Monografia]. Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família, Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Borba AKOT, Marques APO, Leal MCC, Ramos RSPS, Guerra ACCG, Caldas TM. Adesão à terapêutica medicamentosa em idosos diabéticos. Rev RENE. 2013;14(2):394-404. DOI: http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v14i2.3399

Dourado CS, Macêdo-Costa KN, Oliveira JS, Leadebal OD, Silva GR. Adesão ao tratamento de idosos com hipertensão em uma unidade básica de saúde de João Pessoa, Estado da Paraíba. Acta Sci Health Sci. 2011;33(1):9-17. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v33i1.7708

Alves BA, Calixto AATF. Aspectos determinantes da adesão ao tratamento de hipertensão e diabetes em uma Unidade Básica de Saúde do interior paulista. Health Sci Inst. 2012;30(3):255-60.

Carvalho Filha FSS, Nogueira LT, Viana LMM. Hiperdia: adesão e percepção de usuários acompanhados pela estratégia saúde da família. Rev RENE. 2011;12(Espec):930-6. DOI: http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v12i0.4380

Morisky DE, Green LW, Levine DM. Concurrent and predictive validity of a self-reported measure of medication adherence. Med Care. 1986;24:67-74. DOI: https://doi.org/10.1097/00005650-198601000-00007

Batalla MC, Blanquer LA, Ciurana MR, Garcia SM, Jordi CE, Pérez CA. Cumplimiento de la prescripción farmacológica en pacientes hipertensos. Aten Primaria. 1984;1(4):185-91.

Bastos-Barbosa RG, Ferriolli E, Moriguti JC, Nogueira CB, Nobre F, Ueta et al. Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial em idosos com hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2012;9(1):636-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2012005000054

Pucci N, Pereira MR, Vinholes DB, Pucci P, Campos ND. Conhecimento sobre hipertensão arterial sistêmica e adesão ao tratamento anti-hipertensivo em idosos. Rev Bras Cardiol. 2012;25(4):322-9. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-1169.3447.2442

Carvalho ALM, Duarte Leopoldino RW, Silva JEG, Cunha CP. Adesão ao tratamento medicamentoso em usuários cadastrados no Programa Hiperdia no município de Teresina (PI). Ciên Saúde Colet. 2012;17(7):1885-92. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000700028

Eid LP, Nogueira MS, Veiga EV, Cesarino EJ, Alves LMM. Adesão ao tratamento anti-hipertensivo: análise pelo Teste de Morisky-Green. Rev Eletr Enf. 2013;15(2):362-7. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v15i2.15599

Nunes MGS, Silva AR, Bernardino AO, Oliveira BL, Barreto NAC. Prevalência e fatores associados a cooperação do paciente portador de hipertensão arterial. Acta Paul Enferm. 2015;28(4):323-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500055

Dourado CS, Macêdo-Costa KN, Oliveira JS, Leadebal OD, Silva GR. Adesão ao tratamento de idosos com hipertensão em uma unidade básica de saúde de João Pessoa, Estado da Paraíba. Acta Sci Health Sci. 2011;33(1):9-17. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v33i1.7708

Ben AJ, Neumann CR, Mengue SS. Teste de Morisky-Green e Brief Medication Questionnaire para avaliar adesão a medicamentos. Rev Saúde Pública. 2012;46(2):279-89. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000013

Freitas JGA, Nielson SEO, Porto CC. Adesão ao tratamento farmacológico em idosos hipertensos: uma revisão integrativa da literatura. Rev Ssoc Bras Clin Med. 2015;13(1):75-84.

Melo Costa SD, Araújo FF, Martins LV, Nobre RLL, Araújo FM, Rodrigues CAQ. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciên Saúde Colet. 2013;18(7):2147-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000700030

Girotto E, Andrade SMD, Cabrera MAS, Matsuo T. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(6):1763-72. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000600027

Publicado
2019-04-26
Como Citar
Phillipe Cândido dos Santos, P., Thicyara Cândida dos Santos, W., Gonçalves de Matos, T., Costa Castilho Moreira, J., & Sanches Codogno, J. (2019). RELAÇÃO ENTRE A PRESENÇA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E ADESÃO AO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(1), 70-75. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2849
Seção
Artigos Originais