O DESEMPENHO DA MARCHA DE HEMIPARÉTICOS CRÔNICOS E A CORRELAÇÃO COM A RECUPERAÇÃO E O NÍVEL DE COMPROMETIMENTO MOTOR FUNCIONAL

  • Alice Haniuda Moliterno
  • Bruna de Mello Padovan Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Juliana de Souza Viana Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Andressa Sampaio Pereira Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Katiane Mayara Guerrero Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Caroline Nunes Gonzaga Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Silas de Oliveira Damasceno Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Isabela Bortolin Frasson Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Guilherme Yassuyuki Tacao Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Lucia Martins Barbatto Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Roselene Modolo Regueiro Lorençoni Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Augusto Cesinando de Carvalho Universidade Estadual Paulista – UNESP
Palavras-chave: acidente vascular cerebral, paresia, pessoas com deficiência, teste de caminhada, marcha

Resumo

Em decorrência ao Acidente Vascular Cerebral (AVC) podem ocorrer comprometimentos como hemiparesia, marcha deficitária, alteração na função motora e descondicionamento físico. No qual, a marcha é uma das limitações funcionais de maior destaque e desta forma a sua avaliação torna-se importante para determinar o perfil funcional e consequentemente elaborar um tratamento adequado. O objetivo deste estudo foi avaliar e correlacionar a capacidade funcional com o nível de comprometimento motor e funcional de hemiparéticos crônicos. Trata-se de um estudo transversal que utilizou o Teste de Caminhada de seis minutos (TC6) para avaliar a capacidade funcional e o Protocolo de Fugl Meyer (FM) para avaliar o nível de comprometimento motor e funcional. Participaram do estudo 12 hemiparéticos. A análise estatística não revelou correlação significante entre o TC6 e o FM. Concluímos que o presente estudo revelou a não correlação entre a capacidade funcional e o comprometimento motor de hemiparéticos crônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Padovani C, Pires CVG, Ferreira FPC, Borin G, Filippo TRM, Imamura M et al. Aplicação das escalas Fugl-Meyer Assessment (FMA) e Wolf Motor Function Test (WMFT) na recuperação funcional do membro superior em pacientes pós-acidente vascular encefálico crônico: revisão de literatura. Acta Fisiátr. 2013;20(1):42-49. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20130008

Fagundes JS, Binda AC, Faria JG, Peres D, Michaelsen SM. Instrumentos de avaliação sensorial pós-acidente vascular encefálico (AVE) descritos em português: uma revisão sistemática. Fisioter Pesqui. 2015;22(4):435-42. DOI: http://dx.doi.org/10.590/1809-2950/13120122042015

Brito RG, Lins LCRF, Almeida CDA, Neto ESR, Araujo DP, Franco CIF. Instrumentos de Avaliação Funcional Específicos Para o Acidente Vascular Cerebral. Rev Neurocienc. 2013;21(4):593-99. DOI: http://dx.doi.org/10.4181/RNC.2013.21.850.7p

Silva SM, Corrêa JCF, Braga CS, Silva PFC, Corrêa FI. Relação entre a força de preensão manual e capacidade funcional após Acidente Vascular Cerebral. Rev Neurocienc. 2014;23(1):74-80. DOI: http://dx.doi.org/10.4181/RNC.2015.23.01.986.7p

Faria-Fortini I, Basílio ML, Polese JC, Menezes KKP, Faria CD, Scianni AA, et al. Caracterização da participação social de indivíduos na fase crônica pós-acidente vascular encefálico. Rev Ter Ocup USP. 2017;28(1):71-8. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v28i1p71-78

Mota RS, Bittencourt JS, Passos NC, Silva IL, Cardoso FB, Beresford H. Avaliação da marcha hemiparética após reabilitação com exercício aeróbio. Rev Textura Cruz das Almas-BA. 2011;4(8):163-8.

Teixeira-Salmela LF, Oliveira ESG, Santana EGS, Resende GP. Fortalecimento muscular e condicionamento físico em hemiplégicos. Acta Fisiátr. 2000;7(3):108-118.

Asa SKP, Garcia JRO, Matuti GS. Efeitos de um programa de condicionamento físico na qualidade de vida e funcionalidade em indivíduos com sequelas de um acidente vascular encefálico. R Bras Qual Vida. 2015;7(2):65-74. DOI: http://dx.doi.org/10.3895/rbqv.v7n2.2880

Severinsen K, Jakobsen JK, Pedersen AR, Overgaard K, Andersen H. Effects of resistance training and aerobic training on ambulation in chronic stroke. Am J Phys Med Rehabil. 2014; 93(1):29-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/PHM.0b013e3182a518e1

Júnior SLA, Lima AM, Silva TG. Atuação dos profissionais fisioterapeutas na reabilitação do paciente vítima de acidente vascular encefálico. R Interd. 2016;9(3):179-184.

Ovando AC, Michaelsen SM, Carvalho T, Herber V. Avaliação da aptidão cardiopulmonar em indivíduos com hemiparesia após acidente vascular encefálico. Arq Bras Cardiol. 2011;96(2):140-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2011005000001

Soaresa MR, Pereira CA. Six-minute walk test: reference values for healthy adults in Brazil. J Bras Pneumol. 2011;37(5):576-83.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O mini-exame do estado mental em uma população geral. Arq Neuropsiquiatr. 1994; 52(1):1-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1994000100001

ATS Committee on Proficiency Standards for Clinical Pulmonary Function Laboratories. ATS statement: guidelines for the six-minute walk test. Am J Respir Crit Care Med. 2002;166(1):111-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.166.1.at1102

Fugl-Meyer AR, Jaasko L, Leyman I, Olsson S, Steglind S. The post-stroke hemiplegic patient: 1. a method for evaluation of physical performance. Scand J Rehab Med. 1975;7(1):13-31.

Daniel CR, Battistella LR. Using the six minute walk test to evaluate walking capacity in patients with stroke. Acta Fisiátr. 2014;21(4):195-200. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20140038

Britto RR, Souza LAP. Teste de caminhada de seis minutos uma normatização brasileira. Fisioter Mov. 2006;19(4):49-54.

Pang MY, Eng JJ, Dawson AS. Relationship between ambulatory capacity and cardiorespiratory fitness in chronic stroke: influence of stroke-specific impairments. Chest. 2005;127(2):495-501. DOI: http://dx.doi.org/10.1378/chest.127.2.495

Marinho C, Monteiro M, Santos L, Oliveira-Filho J, Pinto EB. Desempenho da marcha e qualidade de vida nos sobreviventes de avc: um estudo transversal. Rev Pesq Fisio. 2018;8(1):79-87. DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i1.1777

Dunn A, Marsden DL, Nugent E, Van Vliet P, Spratt NJ, Attia J, et al. Protocol Variations and Six-Minute Walk Test Performance in Stroke Survivors: A Systematic Review with Meta-Analysis. Stroke Res Treat. 2015;2015:ID484813. DOI: http://dx.doi.org/10.1155/2015/484813

Brunnström S. Motor testing procedures in hemiplegia: based on sequential recovery stages. Phys Ther. 1966;46:357-75.

Publicado
2019-04-26
Como Citar
Haniuda Moliterno, A., de Mello Padovan, B., de Souza Viana, J., Sampaio Pereira, A., Mayara Guerrero, K., Nunes Gonzaga, C., de Oliveira Damasceno, S., Bortolin Frasson, I., Yassuyuki Tacao, G., Martins Barbatto, L., Modolo Regueiro Lorençoni, R., & Cesinando de Carvalho, A. (2019). O DESEMPENHO DA MARCHA DE HEMIPARÉTICOS CRÔNICOS E A CORRELAÇÃO COM A RECUPERAÇÃO E O NÍVEL DE COMPROMETIMENTO MOTOR FUNCIONAL. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(1), 63-69. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2848
Seção
Artigos Originais

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)