ESTADO NUTRICIONAL, PERCENTUAL DE GORDURA E ASPECTOS DIETÉTICOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN

  • Monique Stephanie Piovan Ribeiro Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Thayná Souza Neves Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Bianca Depieri Balmant UNOESTE
Palavras-chave: Avaliação nutricional, obesidade, composição corporal, consumo alimentar, síndrome de Down

Resumo

Este estudo avaliou o estado nutricional e aspectos dietéticos de portadores de Síndrome de Down (SD), entre 5 e 18 anos, vinculados a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Presidente Prudente. A amostra foi composta por 15 portadores de SD, sendo que para avaliação do estado nutricional realizou-se medidas antropométricas (peso e altura) e verificou-se o percentual de gordura corporal (%G) através da bioimpedância. Para avaliação de hábitos alimentares foi aplicado um questionário de frequência alimentar. Observou-se uma alta prevalência de excesso de peso e %G elevado. O peso corporal e %G foi maior nos indivíduos com consumo frequente de alimentos ricos em gordura e carboidrato, bem como menor, naqueles com consumo frequente de frutas, verduras e legumes. Conclui-se que a obesidade das crianças e adolescentes sindrômicas não está somente relacionada à alteração cromossômica, mas também ao hábito alimentar que os mesmos podem possuir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Depieri Balmant, UNOESTE

Nutrição Clínica

Referências

Silva NLPS, Dessen MA. Síndrome de Down: etiologia, caracterização e impacto na família. Inter Psic. 2002;6(2):167-76. DOI: https://doi.org/10.5380/psi.v6i2.3304

Gorla JI, Duarte E, Costa LT, Freire F. Crescimento de crianças e adolescentes com Síndrome de Down: uma breve revisão de literatura. Rev Bras Cineantrop. 2011;13(3):230-37.

Prado MB, Mestrinheri L, Frangella VS, Mustacchi Z. Acompanhamento nutricional de pacientes com síndrome de Down atendidos em um consultório pediátrico. Mund Saúd. 2009;33(3):335-46.

Santos JA; Franceschini SCC, Priore SE. Curvas de crescimento para crianças com síndrome de Down. Rev Bras Nutri Clin. 2006;21(2):144.

Benghi RAC, Krambeck WM, Lobe MCSB. Reconhecimento e confirmação diagnóstica. In: Fogaça HR, Lobe MCS. Síndrome de Down manejo e atenção clínica. Nov Letr. 2011:65-7.

Henn CG, Piccinini CA, Garcias GL. A família no contexto da Síndrome de Down: revisando a literatura. Psic Estud. 2008; 13(3):485-533. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722008000300009

Moura AB, Mendes A, Peri A. Passoni CRMS. Aspectos nutricionais em portadores da Síndrome de Down. Cadern Escol Saúd. 2009;2:1-11.

Reuter C, Roskowski LC, Lobe MCS. Crescimento. In: Fogaça HR, Lobe MCS. Síndrome de Down manejo e atenção clínica. Nov Letr. 2011:73-8.

Mourato FA, Villachan LRR, Mattos SS. Prevalência e perfil de cardiopatias congênitas e hipertensão pulmonar na síndrome de Down em serviço de cardiologia. Rev Paul Pediatr. 2014;32(2):159-63. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-0582201432218913

Sica CA, Cesa CC, Pellanda LC. Curvas de crescimento na síndrome de Down com cardiopatia congênita. Rev Ass Méd Bras. 2016;62(5):414-20. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9282.62.05.414

Gios DR, Rosa KZ, Vargas DM. Avaliação Gastrointestinal. In: Fogaça HR, Lobe MCS. Síndrome de Down manejo e atenção clínica. Nov Letr. 2011:157-67.

Wanderley EM, Ferreira VA. Obesidade: uma perspectiva plural. Ciênc Saúd Colet. 2010;15(1):185-94. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000100024

Claretta A, Ghiorzi AR. O ato de comer e as pessoas com Síndrome de Down. Rev Bras Enferm. 2009;62(3):480-84. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000300024

Cronk C, Crocker AC, Pueschel SM, Shea AM, Zackai E, Pickens G, et al. Growth charts for children with Down syndrome: 1 month to 18 years of age. Pediatrics. 1988;81(1):102-10.

Myrelid A. Growth charts for Down´s syndrome from birth to 18 years of age. Arch Dis Child. 2002;87:97-103. DOI: https://doi.org/10.1136/adc.87.2.97

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Vigilância alimentar e nutricional – Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, analise de dados e informação em serviços de saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Freedman DS, Perry G. Body composition and health status among children and adolescents. Prevent Med. 2000;31:34-53. DOI: https://doi.org/10.1006/pmed.1998.0480

Sung RYT, Sung R, Lau P, Yu C, Lam P. Measurement of body fat using leg to leg bioimpedance. Arch Dis Child. 2001;85:263-7. DOI: https://doi.org/10.1136/adc.85.3.263

Lohman TG. The use of skinfold to estimate body fatness on children and youth. JOPERD. 1987;58(9):98-102. DOI: https://doi.org/10.1080/07303084.1987.10604383

Voci SM, Enes CC, Slater B. Validação do questionário de frequência alimentar para adolescentes (QFAA) por grupos de alimentos em uma população de escolares. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(4):561-72. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000400005

Dal Bosco SM, Scherer F, Altevogt CG. Estado nutricional de portadores de síndrome de Down no Vale do Taquari-RS. ConScientiae Saúde. 2011;10(2):278-84. DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v10i2.2291

Shabayek MM. Assessment of the nutritional status of children with special needs in Alexandria: Part I. Nutrient intake and food consumption. J Egyp Public Health Assoc. 2004;79(3-4):225-41.

Dalpicolo F, Viebig RF, Nacif MAL. Avaliação do estado nutricional de crianças com Síndrome de Down. Nutr Brasil. 2004;6(1):336-40.

Whitt-Glover MC, O’Neill KL, Stettler N. Physical activity patterns in children with and without Down syndrome. Pediatr Rehabil. 2006;9(2):158-64. DOI: https://doi.org/10.1080/13638490500353202

Alaniz MHF, Takada J, Vale MICA e Lima FB. O tecido adiposo como centro regulador do metabolismo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006;50(2):221.

Freire F, Costa LT, Gorla JI. Indicadores de obesidade em jovens com Síndrome de Down. Motricidade. 2014;10(2):2-10. DOI: https://doi.org/10.6063/motricidade.10(2).1196

González-Agüero A, Ara I, Moreno LA, Vicente-Rodríguez G, Casajús JA. Fat and lean masses in youths with Down syndrome: Gender differences. Res Develop Disab. 2011;32:1685-93. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ridd.2011.02.023

Bravo-Valenzuela NJM, Passarelli MLB, Coates MV. Curvas de crescimento pôndero-estatural em crianças com síndrome de Down: uma revisão sistemática. Rev Paul Pediatr. 2011;29(2):261-9. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-05822011000200019

Bertapelli F. Curvas de referência de crescimento para crianças e adolescentes com síndrome de down com idade entre 0 e 20 anos. [Tese de doutorado]. Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, Campinas. 2016. 119p.

Mustacchi Z. Curvas padrão pôndero-estatural de portadores de Síndrome de Down procedentes da região urbana da cidade de São Paulo. [Tese de doutorado]. Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, São Paulo. 2002. 210p.

Mazurek D, Wyka J. Down syndrome – genetic and nutritional aspects of accompanying disorders. Roczniki Pan´stwowego Zakładu Higieny. 2015;66:189-194.

Alexander M, Petri H, Ding Y. Morbidity and medication in a large population of individuals with Down syndrome compared to the general population. Develop Med Child Neurology. 2016;58:246-54. DOI: https://doi.org/10.1111/dmcn.12868

Suckling RJ and Swift PA. The health impacts of dietary sodium and a low-salt diet. Clin Med. 2015;15:585–588. DOI: https://doi.org/10.7861/clinmedicine.15-6-585

Barata LV, Branco A. Os distúrbios fonoarticulatóeios na Síndrome de Down e a intervenção precoce. Rev CEFAC. 2010;12(1):134. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462010000100018

Publicado
2019-04-17
Como Citar
Stephanie Piovan Ribeiro, M., Souza Neves, T., & Balmant, B. D. (2019). ESTADO NUTRICIONAL, PERCENTUAL DE GORDURA E ASPECTOS DIETÉTICOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(1), 7-16. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2828
Seção
Artigos Originais