SÍNDROME DE CAPGRAS

  • Fabiana Rodrigues Fagote Unoeste (Universidade do Oeste Paulista)
  • Isadora Pires Peres Unoeste (Universidade do Oeste Paulista)
  • Lucas Teodoro Strelau Unoeste (Universidade do Oeste Paulista)
Palavras-chave: Psiquiatria, Psicopatologia, Medicina, Diagnóstico.

Resumo

O Delírio de Capgras, a mais relatada das Síndromes Delirantes de Falsa Identificação. Neste processo, o paciente descreve que indivíduos intimamente relacionados com ele foram substituídos por duplos ou sósias, “homônimos”, que assumem os papéis das pessoas que personificam e se comportam de maneira idêntica. Assim, o objetivo deste estudo é relatar um caso de delírio de Capgras com outras associações psicopatológicas. O caso em questão revela uma paciente com um conjunto de sinais e sintomas, como a esquizofrenia do tipo esquizóide e transtorno de ansiedade, associados a um quadro de erro de identificação delirante caracterizado pela despersonificação de suas filhas, o que corrobora para fechar o diagnóstico de síndrome de Capgras. Conclui-se que esta síndrome pode ser subdiagnosticada nos serviços de saúde, devido a dificuldade em estabelecer um diagnóstico por se tratar de um sintoma associado a outra psicopatologia. Desta forma, torna-se importante o relato para a área médica, no intuito de acrescentar novas informações sobre esta síndrome considerada rara.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Turkiewicz G., Zanetti MV, Zung S, Cordeiro Q. Coexistência das síndromes de Capgras e Frégoli associadas à redução de volume frontotemporal e hiperintensidades em substância branca cerebral. Psiquiatria Clínica, 2009;(36, Sppl 6): 240-243. https://doi.org/10.1590/S0101-60832009000600004

Silva LAP, Nicolato R. SÍNDROME DE CAPGRAS: RELATO DE CASO E REVISÃO DE LITERATURA. Casos Clínicos de Psiquiatria, 2000; (2, Sppl 2): 62-65.

Santos MCM. Abordagem e Etiologia do Síndrome de Capgras. Uma Revisão Sistemática. Ciências Biomédicas de Abel Salazar 2013; 1-27. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/71783/2/93270.pdf

Ferreira TS, Moreira T, Mendes M, Ferreira S. Síndromes de Falsa Identificação Delirante e Esquizofrenia Paranóide, a Propósito de um Caso Clínico. Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. doutor Fernando Fonseca, 2015 Dez; (13 Sppl 2): p.89-96.

Nunes LB, Christoff AO, Valle LL. AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA RISPERIDONA INJETÁVEL NA ESQUIZOFRENIA. Unibrasil, 2017; 1-17.

Silva RCB. Esquizofrenia: uma revisão. Psicologia Usp, 2016; (17 Sppl4): 1-10. https://doi.org/10.1590/S0103-65642006000400014

Silva RCB, Padovani RC, Neves MO. O delírio na perspectiva das neurociências e da terapia cognitiva. Brasileira de Terapias Cognitivas, 2011 Jun; (7 Sppl 7): 1-2.

Salum C; Pereira ACCI; Guimarães EABB. Dopamina, Óxido Nítrico e suas Interações em Modelos para o Estudo da Esquizofrenia. Universidade de São Paulo, 2008; 186-194.

Rainho JIM. Domínios da esquizofrenia e da perturbação delirante. Escola de Psicologia e Ciências da Vida, 2016; 1-133. https://doi.org/10.1590/S0102-79722008000200004

Santos AS. Custo-efetividade dos medicamentos antipsicóticos utilizados para o tratamento da esquizofrenia no Brasil. Ufmg 2016; 1-151.

Martinez MIV, León F, Torres F, Crossley NA. Antipsicóticos de primera y segunda generación en esquizofrenia: eficacia, efectividad y efecto de la dosis utilizada. Ars Medica, 2017 (42 Sppl 1): 41-48. https://doi.org/10.11565/arsmed.v42i1.452

Publicado
2019-06-06
Como Citar
Fagote, F. R., Peres, I. P., & Strelau, L. T. (2019). SÍNDROME DE CAPGRAS. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(2), 47-51. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2352