IDENTIFICAÇÃO DE CROMO III COMO CONTAMINANTE EM GELATINAS COMERCIALIZADAS EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP

  • Isabela Alves de Souza Universidade do Oeste Paulista
  • Chelsea Pereira de Souza Universidade do Oeste Paulista
  • Angélica Augusta Grigoli Dominato Universidade do Oeste Paulista
Palavras-chave: cromo, gelatina, espectrofotometria por absorção atômica, colágeno e metais pesados

Resumo

O cromo (Cr3+) é necessário na dieta humana, principalmente para o metabolismo dos carboidratos. Pode ser encontrado em água potável, levedo de cerveja e grãos integrais, ou através de gelatinas contaminadas, proveniente da extração do colágeno no tratamento industrial do couro bovino, podendo causar danos à saúde quando ingerido acima de 200µg/dia. O objetivo deste trabalho foi investigar a presença de Cr3+ em gelatinas comerciais de acordo com a legislação vigente. A metodologia utilizada foi espectrofotometria de absorção atômica (EAA) após a digestão de oito amostras de gelatina, em triplicata (marcas do tipo colorida em pó, incolor em pó e em folha incolor). Os resultados obtidos demonstraram que todas as amostras de gelatina apresentaram concentrações de Cr+3 acima do permitido pela legislação (0,1 ppm). Concluímos que o Cr+3 pode ter sido arrastado durante o processamento do colágeno para a fabricação de gelatina e/ou adicionado ao produto colorido como corante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Alves de Souza, Universidade do Oeste Paulista
Estudante de Biomedicina da Universidade do Oeste Paulista.
Chelsea Pereira de Souza, Universidade do Oeste Paulista
Estudante de Biomedicina da Universidade do Oeste Paulista.
Angélica Augusta Grigoli Dominato, Universidade do Oeste Paulista
Professora do Curso de Biomedicina da Universidade do Oeste Paulista.

Referências

Marchi G, Guilherme LRG, Silva CA, Gonçalves VC. Elementos-traço e sua relação com qualidade e inocuidade de fertilizantes, corretivos agrícolas e resíduos orgânicos no Brasil. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2009. 45 p. (Embrapa Cerrados. Documentos, 252).

Organização Mundial de Saúde. Elementos traço na nutrição e saúde humanas. 1. ed. São Paulo: Roca: WHO; 1998.

Borel JS, Anderson RA. Chromium. In: Frieden E., editor. Biochemistry of the essential ultrace elements. New York: Plenum Press, 1984;:175-199. DOI: https://doi.org/10.1007/978-1-4684-4775-0

Almodovar, MLN. Estudo da anomalia de cromo nas águas subterrâneas da região noroeste do estado de São Paulo. [Dissertação] São Paulo: Universidade de São Paulo, 1995. https://doi.org/10.11606/issn.2316-8986.v26i0p1-12

Gomes MR, Rogero MM, Tirapegui J. Considerações sobre cromo, insulina e exercício físico. RevBrasMed Esporte 2005. Set/Out; 11(5):262-266. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-86922005000500003

Pinheiro DM, Porto KRA, Menezes MES. A química dos alimentos: carboidratos, lipídeos, proteínas, vitaminas e minerais. Maceió, AL: EDUFAL, 2005. 52 p. (Conversando sobre ciências em Alagoas).

Anderson, RA. Trace minerals in foods. In K. T. Smith (Ed.), New York: Marcel Dekker, 1988.

Gondal MA, Seddigi ZS, Nasr MM. et al. Spectroscopic detection of hazardous contaminants in lipstick using Laser Induced Breakdown Spectroscopy. Journal of Hazzardous Materials. 2010;175(1-3):726-32. https://doi.org/10.1016/j.jhazmat.2009.10.069

Freitas, TCM, Melnikov, P. O uso e os impactos da reciclagem de cromo em indústrias de curtume em Mato Grosso do Sul, Brasil. Eng Sanit Ambient, 2006. 11(4):305-310. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-41522006000400002

Abreu, MA. Reciclagem do Resíduo de Cromo da Industria do Curtume Como Pigmentos Cerâmicos. [Tese] São Paulo: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2006.

Roman JA. Sgarbieri VC. Caracterização Físico-química do Isolado Protéico de Soro de Leite e Gelatina de Origem Bovina. Braz. J. Food Technol. 2007; 10(2) 137-143.

Silva, TF, Penna ALB. Colágeno: Características químicas e propriedades funcionais. Rev. Inst. Adolfo Lutz (Impr.) [periódico na Internet]. 2012 [citado 2017 Maio 11]; 71(3): 530-539. Disponível em: <http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-98552012000300014&lng=pt>.

Souza RF. Investigação da presença de resíduo de pentaclorofenol em gelatina comestível por cromatografia a gás com captura de elétrons (CG/DCE). [Dissertação]. Porto Alegre: Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

Masilamani, D, Madhan, B, Shanmugam, G, Palanivel, S, Narayan, B. Extraction of collagen from raw trimming wastes of tannery: a waste to wealth approach, Journal of Cleaner Production, 2015. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2015.11.087

Amaral LA. Alternativas para o tratamento de resíduos de couro curtido ao cromo – hidrólise enzimática e ação bacteriana. [Dissertação] Porto Alegre: Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

Castro IA. Resíduo de couro “Wet Blue” após a extração do cromo: Uso como fertilizante nitrogenado em plantações de eucalipto. [Dissertação] Minas Gerais: Universidade Federal de Lavras, 2011.

Almeida PF. Análise da qualidade de gelatina obtida de tarsos de frango e aspectos envolvidos no processo produtivo. [Dissertação] São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Nove de Julho, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre os limites máximos toleráveis de cromo e cobre em alimentos e bebidas e dá outras providências [texto da Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011 Nov 18 [citado 2015 Nov 19]. Disponível em: http://www.idec.org.br/uploads/audiencias_documentos/anexos/CP_55_2011.pdf.

Instituto Adolfo Lutz, Métodos químicos e físicos para análises de alimentos. In: Sakuma AM, Kira CS, Maio FD, Okada IA, Buzzo ML, Duran MC et al. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. São Paulo: São Paulo, 2005. p735 – 754.

Schumann SPA, Polônio MLT, Gonçalves ECBA. Avaliação do consume de corantes artificiais por lactentes, pré-escolares e escolares. Ciênc Tecnol Aliment, Campinas, 2008. 28(3): 534-539. https://doi.org/10.1590/S0101-20612008000300005

Oliveira DQL, Carvalho KTG, Bastos ARR, Oliveira LCA, Marques JJGSM et al. Utilização de resíduos da indústria de couro como fonte nitrogenada para o capim-elefante. R Bras Ci Solo, 2008. 32: 417-424. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832008000100039

Silva TGN, SANTOS GR. Sistemas de gestão ambiental em curtumes. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, 2016. 10(1): 1-4. https://doi.org/10.24857/rgsa.v10i2.1226

Arruda MAS, Sussulini A. Determinação de cromo (VI) por espectrometria de absorção atômica com chama após a extração e pré-concentração no ponto nuvem. Ecl. Quím., São Paulo, 2006; 31(1): 73-80. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-46702006000100009

Fuck WF. Influência do teor de cromo e do tipo de óleo na formação do cromo hexavalente no couro. [Dissertação] Porto Alegre: Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

Gerência de Produtos Derivados do Tabaco – GPDTA/ANVISA, A ANVISA na redução à exposição involuntária à fumaça do tabaco. In: Andrade ACB, Campelo, VRC. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2009. p 1-24.

Costa LS, Pereira FRS, Farias, RF et al. Avaliação espectrofotométrica das formas Cr+3, CrO4-2 e Cr2O7-2. Revista: Ecl. Quím., São Paulo, 2010. 35(3): 157 – 167. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-46702010000300016

Publicado
2019-06-06
Como Citar
de Souza, I. A., de Souza, C. P., & Grigoli Dominato, A. A. (2019). IDENTIFICAÇÃO DE CROMO III COMO CONTAMINANTE EM GELATINAS COMERCIALIZADAS EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(2), 5-11. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2016
Seção
Artigos Originais