O EQUILÍBRIO DE HEMIPARÉTICOS CRÔNICOS PODE MELHORAR APÓS 12 SEMANAS DE CIRCUITO DE TREINAMENTO?

Autores

  • Mileide Cristina Stoco de Oliveira Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Andressa Sampaio Pereira
  • Danilo Bravo de Freitas
  • Mariana Bósio Mathias
  • Fabiana Araujo Silva
  • Carla de Oliveira Carletti
  • Thiago Kendy Kawano
  • Vanessa Niens Van Den Broek
  • Bruna de Mello Padovan
  • Isabella Cristina Leoci
  • Tânia Cristina Bofi
  • Lúcia Martins Barbatto
  • Augusto Cesinando de Carvalho

Palavras-chave:

fisioterapia, acidente vascular encefálico, equilíbrio postural, exercícios em circuitos, reabilitação neurológica.

Resumo

A reabilitação após um acidente vascular encefálico é melhorar o desempenho funcional de hemiparéticos. A Fisioterapia em Grupo no formato de Circuit Training (FGCT) utiliza exercícios funcionais específicos com foco na repetição e na progressão contínua de exercícios em um número de estações de trabalho organizadas em um formato de circuito, para melhorar a capacidade funcional. O objetivo desse estudo foi analisar o equilíbrio funcional de hemiparéticos submetidos a doze semanas de tratamento na FGCT. Os hemiparéticos foram avaliados através da Escala de Equilíbrio de Berg (EEB) em uma avaliação inicial (AV1) e outra avaliação final (AV2) após doze semanas de FGCT. Os resultados mostraram que houve uma melhora significativa no equilíbrio dos pacientes que realizaram a FGCT. Concluímos que na FGCT os paciente que realizaram a FGCT tiveram melhora no seu equilíbrio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-05-02

Como Citar

Oliveira, M. C. S. de, Sampaio Pereira, A., Bravo de Freitas, D., Bósio Mathias, M., Araujo Silva, F., de Oliveira Carletti, C., Kendy Kawano, T., Niens Van Den Broek, V., de Mello Padovan, B., Cristina Leoci, I., Cristina Bofi, T., Martins Barbatto, L., & Cesinando de Carvalho, A. (2017). O EQUILÍBRIO DE HEMIPARÉTICOS CRÔNICOS PODE MELHORAR APÓS 12 SEMANAS DE CIRCUITO DE TREINAMENTO?. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 8(3), 46–51. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/1814

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>