PREVALÊNCIA DO TABAGISMO ENTRE ACADÊMICOS DE MEDICINA DE UMA UNIVERSIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

  • Jessyka Bertoldo Lopes
  • Tatiane Bordignon Uliana
  • Heloisa Stang Huning
  • Lilian Francisco Arantes de Souza
  • Emanuele Moraes Mello

Resumo

O objetivo deste estudo foi uma análise da população acadêmica fumante do curso de Medicina da UNOESTE. 455 alunos responderam a um questionário. A prevalência de fumantes foi de 8,1%, com 24,9 anos (MD) e predomínio masculino (64,8%, p=0,0004). Influência de amigos (45,9%), ansiedade (32,4%) e estresse (18,9%); principais motivos. Predominantemente moravam sozinhos (45,9%). 83,7% (p<0,0001) conviviam diariamente com fumantes, porém, 56,7% familiares. 70% dos tabagistas e não tabagistas consideram os profissionais de saúde como “modelos de comportamento”. Entretanto, os não tabagistas consideram com maior importância a realização de campanhas sobre o assunto (p=0,0183). 89,1% são considerados grau leve de dependência e 72,9% relataram ter o desejo de abandonar o tabagismo, porém, 48,6% tentaram efetivamente, sem êxito. Houve relação positiva entre o mau desempenho escolar e o tabagismo. Contudo, encontrou-se uma menor prevalência de fumantes, comparado com outras faculdades de medicina e com estatísticas nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-08-23
Como Citar
Bertoldo Lopes, J., Bordignon Uliana, T., Stang Huning, H., Francisco Arantes de Souza, L., & Moraes Mello, E. (2018). PREVALÊNCIA DO TABAGISMO ENTRE ACADÊMICOS DE MEDICINA DE UMA UNIVERSIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 10(2), 54-58. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/1705
Seção
Artigos Originais

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)