(TRANS)FORMAÇÕES DO PROFESSOR NO CONTEXTO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

contribuições da teoria histórico-cultural

Autores

  • Daniel Novaes Universidade São Francisco
  • Ana Paula de Freitas Universidade São Francisco

Palavras-chave:

Teoria Histórico-Cultural., Formação Docente., Educação Especial., Transtorno do Espectro Autista.

Resumo

A complexidade do transtorno do espectro autista tem mobilizado, no contexto escolar, o fazer docente. Nesse âmbito, faz-se necessário refletir acerca da formação do professor para lidar com o ensino de alunos com esse diagnóstico. Este artigo, resultado de uma pesquisa de mestrado realizada em uma escola de educação especial localizada no interior do estado de São Paulo, objetiva discutir como o professor, que se torna pesquisador de sua prática, articula as relações entre o referencial teórico histórico-cultural e a prática pedagógica. Os participantes foram o professor, formado em Pedagogia e mestrando em Educação, e seu aluno, com espectro autista. Durante o ano letivo, o professor registrou suas aulas em videogravações que foram posteriormente transcritas. Ao fundamentar sua prática na referida teoria, o professor passou a considerar atividades que favorecessem a imersão do aluno na esfera simbólica tendo, como primordial, o papel da linguagem sígnica. As análises, de cunho microgenético, trazem indícios de que: 1. A mudança na prática docente foi um processo (in)tenso; 2. As idas e vindas do processo de (trans)formação desvelam as tensões entre a apropriação de um referencial teórico e o modo de se realizar a prática pedagógica; 3. A produção de um saber pedagógico é oriunda do movimento da teoria com a prática.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula de Freitas , Universidade São Francisco

Graduada em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1989) e Mestre e Doutora em Educação, pela Universidade Estadual de Campinas (1996; 2001). Estágio Pós-Doutoral no Instituto de Educação da Universidade do Minho - PT (2018), na área de Ciências da Educação, na especialidade de Sociologia da Educação e Política Educativa. Professora na Universidade São Francisco - SP, no programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação, linha de pesquisa Educação, Linguagem e Processos Interativos e no Curso de Pedagogia. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação/USF. Bolsista Produtividade CNPq - nível II.

Referências

Referências

ANJOS, D. D. dos. Como foi começar a ensinar? Histórias de professoras, histórias da profissão docente. 2006. 178 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Unicamp; FAPESP, Campinas, 2006.

APA - AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION.. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BRAGA, I. S.; ROSSI, T. M. de F. Desenvolvimento da criança com o espectro de autismo na abordagem histórico-cultural de Vygotsky. Educação Saberes e Práticas, v. 1, n. 1, 2012. Disponível em: http://revistas.icesp.br/index.php/SaberesPratica/article/view/35/34. Acesso em: 6 ago. 2020.

BRASIL. Lei n. 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 dez. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em: 04 mar. 2021.

BRASILIENSE, I. C. da S. et al. Aprendizagem Observacional em crianças com autismo: efeitos do ensino de respostas de monitoramento via videomodelação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 34, p.1-11, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ptp/v34/1806-3446-ptp-34-e3424.pdf. Acesso em: 6 ago.2020. https://doi.org/10.1590/0102.3772e3424

BRAGIN, J. M. B. Atividades escolares envolvendo alunos autistas na escola especial. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2011. Disponível em: https://www.unimep.br/phpg/bibdig/aluno/ visualiza. php?cod=700. Acesso em: 04 mar. 2021.

CLOT, Y. Clínica da Atividade. Horizontes, v. 35, n. 3, p. 18-22, set./dez. 2017. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/526/239. Acesso em: 04 mar. 2021. https://doi.org/10.24933/horizontes.v35i3.526

COSTA, D. A. F. Superando limites: a contribuição de Vygotsky para a educação especial. Revista Psicopedagogia, v. 23, n. 72, 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoped/v23n72/v23n72a07.pdf. Acesso em: 6 ago. 2020.

CUSTÓDIO, I. A. O movimento de significações no processo de ensino e de aprendizagem de geometria nos anos iniciais do ensino fundamental. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) ─ Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação, Universidade São Francisco, Itatiba, SP, 2016.

DAINEZ, D. Constituição humana, deficiência e educação: problematizando o conceito de compensação na perspectiva histórico-cultural. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP., 2014.https://doi.org/10.1590/s1678-4634201945187853.

DAINEZ, D.; SMOLKA, A. L. B. A função social da escola em discussão, sob a perspectiva da educação inclusiva. Educação e Pesquisa, v. 45, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br /pdf/ep/v45/1517-9702-ep-45-e187853.pdf. Acesso em: 04 mar. 2021.

FACCI, M. G. D. Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2004.

FREITAS, A. P. de. Zona de desenvolvimento proximal: a problematização do conceito através de um estudo de caso. 2001. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática pedagógica, pode ser? São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GATTI, B. A. Formação de professores, complexidade e trabalho docente. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 53, p. 721-737, 2017. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/viewFile/8429/17739. Acesso em: 6 ago. 2020. https://doi.org/10.7213/1981-416X.17.053.AO01

GÓES, M. C. R. de. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: Uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, ano XX, n. 50, p. 9-25, abr. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-32622000000100002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 6 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S0101-32622000000100002

JANNUZZI, G. de M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2006. https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000100012

LIMA, C. N. do M. F. de; NACARATO, A. M. A investigação da própria prática: mobilização e apropriação de saberes profissionais em Matemática. Educação em Revista [online], v. 25, n. 2, p. 241-265, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982009000200011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 6 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-46982009000200011

MARTINS, A. D. F.; GÓES, M. C. R. de. Um estudo sobre o brincar de crianças autistas na perspectiva histórico-cultural. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 17. jan./jun. 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/pee/v17n1/a03v17n1.pdf>. Acesso em: 6 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S1413-85572013000100003

MARTINS, A. D. F.; MONTEIRO, M. I. B. Alunos autistas: análise das possibilidades de interação social no contexto pedagógico. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 21, n. 2, maio/ago. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pee/v21n2/2175-3539-pee-21-02-00215.pdf. Acesso em: 6 ago. 2020.

MARX, K. Excertos da ideologia alemã. In: FROMM, E. Conceito marxista de homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

MONTEIRO, M. I. B.; BRAGIN, J. M. B. Práticas pedagógicas com autistas: ampliando possibilidades. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, p. 884-888, 2016. Disponível em: https://nasenjournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/1471-3802.12346. Acesso em: 6 ago. 2020. https://doi.org/10.1111/1471-3802.12346

NOVAES, D.; FREITAS, A. P. Sentidos construídos na dinâmica dialógica entre um aluno com transtorno do espectro autista e seu professor. Revista Educação Especial, v. 32, 2019 – Publicação Contínua. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/ view/34596/html. Acesso em: 04 mar. 2021. https://doi.org/10.5902/1984686X34596

OLIVEIRA, M. K. de. Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 211-229, maio/ago. 2004. https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000200002

ORRÚ, S. E. Contribuições da abordagem histórico-cultural na educação de alunos autistas. Humanidades Médicas, v. 10, n. 3, p. 1-11, 2010. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-738687. Acesso em: 6 ago. 2020.

PINO, A. Técnica e semiótica na era da informática. Revista Contrapontos, Itajaí, v. 3, n. 2, p. 283-296, mai./ago. 2003. https://doi.org/10.1590/S0103-65642010000400006

PINO, A. As marcas do humano: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

PINO, A. A criança e seu meio: contribuição de Vigotski ao desenvolvimento da criança e à sua educação. Psicologia USP, v. 21, n. 4, p. 741-756, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pusp/v21n4 /v21n4a06.pdf. Acesso em: 04 mar. 2021.

SCHERER, R. P.; DAL’IGNA, M. C. Professoras do atendimento educacional especializado: intervenção clínica ou pedagógica? Acta Scientiarum. Education, v. 37, n. 4, p. 415-425, 2015. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/ 24642/pdf_72. Acesso em: 04 mar. 2021. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v37i4.24642

SMITH, D. D. Introdução à educação especial. Ensinar em tempos de inclusão. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SMOLKA, A. L. B.; LAPLANE, A. O trabalho em sala de aula: teorias para quê? Caderno ESE, FE/UFF, n. 1, nov. 1993.

SMOLKA, A. L. B. O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos Cedes, v. 20, n. 50. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n50/ a03v2050.pdf. Acesso em: 04 mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S0101-32622000000100003

SMOLKA, A. L. B. Sobre significação e sentido: uma contribuição à proposta de rede de significações. In: ROSSETI-FERREIRA, M. C. et al. (org.). Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 35- 49.

SMOLKA, A. L. B. Ensinar e significar: as relações de ensino em questão ou das (não) coincidências nas relações de ensino. In: SMOLKA, A. L. B.; NOGUEIRA, A. L. H. (org.). Questões de desenvolvimento humano: práticas e sentidos. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2010. p. 107-128.

SOUZA, V. L. T.; ANDRADA, P. C. de. Contribuições de Vigotski para a compreensão do psiquismo. Estudos de Psicologia, v. 30, n. 3, p 355-365, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v30n3/ v30n3a05.pdf. Acesso em: 04 mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2013000300005

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madri: Visor, 1995. v. 3.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madri: Visor, 1997. v. 5.

VIGOTSKI, L. S. Manuscrito de 1929. Educação & Sociedade, ano 21, n. 71, p. 21- 44, 2000. https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000200002

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003. (Trabalho original publicado em 1926).

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009. 194 p.

VITTI, S. C. A.; AZEVEDO, M. A. S. B. Reflexões sobre o desenvolvimento humano na perspectiva histórico-cultural: relações e inter-relações da mediação cultural, da escola e do professor. RPD, Uberaba, v. 18, n. 39, jul./dez. 2018. Disponível em: http://www.revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/viewFile/1219/1411. Acesso em: 06 mar. 2021. https://doi.org/10.31496/rpd.v18i39.1219

ZANOLLA, S. R. S. O conceito de mediação em Vigotski e Adorno. Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 1, p. 5-14, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/psoc/v24n1/02.pdf. Acesso em: 04 mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000100002

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

Novaes, D., & de Freitas , A. P. . (2021). (TRANS)FORMAÇÕES DO PROFESSOR NO CONTEXTO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL: contribuições da teoria histórico-cultural . Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 18(1), 32–48. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3902