FORMAÇÃO CONTINUADA E A IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE

Autores

  • Flávia Maria Albertino Unoeste

Palavras-chave:

Formação continuada. Identidade Profissional Docente. Ação Docente. Aporte histórico-Cultural.

Resumo

O artigo é um recorte da pesquisa de Mestrado intitulada “Formação continuada no ensino fundamental I: pressupostos teórico-metodológicos e os reflexos na ação docente”, que teve como objetivo identificar e analisar os pressupostos teórico - metodológicos de norteamento das propostas de formação continuada de professores, ofertadas pela Secretaria Municipal de Educação, em duas escolas do ensino fundamental I, de um município do interior paulista e seus reflexos na ação docente. O aporte teórico foi de natureza histórico-cultural (bakhtiniana); trata-se de uma investigação de natureza qualitativa, configurando-se como estudo de caso, com análise documental e entrevista semiestruturada, envolvendo três professoras, duas orientadoras pedagógicas e uma diretora, abrangendo o total de seis participantes diretos. A análise dos dados coletados dos documentos e das entrevistas foi feita por meio do processo teórico de triangulação, da análise de conteúdo e da análise semiótica de interpretação histórico-cultural (bakhtiniana) das falas das profissionais entrevistadas. Os resultados apontaram que o processo de formação docente, não ocorre de forma dialógica e ambivalente, pautada no desenvolvimento cultural, por meio das relações interpessoais e intersubjetivas, conforme enfatiza a teoria histórico-cultural. A presente pesquisa possibilita uma revisão crítico-reflexiva das práticas de formação continuada ofertadas pelo município pesquisado, e por extensão, poderá servir de objeto de confrontos com outros contextos de formação docente em outros municípios brasileiros.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABDALLA, Maria de Fátima Barbosa. O Senso Prático de Ser e Estar na Profissão. Cortez, São Paulo: 2006.

ALTENFELDER, Anna Helena. Desafios e tendências em formação continuada. Construção psicopedagógica, São Paulo , v. 13, n. 10, 2005 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-69542005000100004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 06 abr. 2019.

BAKHTIN, Mikhail. (V. N. Volochínov) Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Ed. Tradução Michel Lahud & Yara Frateschi Vieira. São Paulo, Hucitec, 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2011.

BECKER, Fernando. Educação e construção do conhecimento. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

CASTRO, Marcelo Macedo Corrêa; AMORIM, Rejane Maria de Almeida. A formação inicial e a continuada: diferenças conceituais que legitimam um espaço de formação permanente de vida. Caderno Cedes, Campinas, v. 35, n. 95, p. 37-55, jan./abr., 2015.

DUBAR, Claude. A Crise das Identidades: a interpretação de uma mutação. Porto, PT: Afrontamento, 2006.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2014.

MELLO, Suely Amaral. A escola de Vygotsky. IN: CARRARA, Kester (org.). Introdução à psicologia da educação: seis abordagens. São Paulo: Avercamp. 2004 p. 135-155.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Escola e desenvolvimento profissional da docência. In: GATTI, B. (org). Por Uma Política Nacional de Formação de Professores. São Paulo: Unesp, 2013, p. 23-54.

NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

PRADA, Luis Eduardo Alvarado; FREITAS, Thaís Campos; FREITAS, Cinara Aline. Formação Continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n.30, p. 367-387, maio/ago. 2010.

PILETTI, Nelson; ROSSATO, Solange Marques. Psicologia da aprendizagem: da teoria do condicionamento ao construtivismo. 1 ed. São Paulo: Contexto, 2013.

PIMENTA, Selma. Garrido; GHEDIN, Evandro. (orgs). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SARTOR, Ana Paula de Bona et al. Formação continuada de professores: notas para uma abordagem histórico-cultural. In: XIII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba, 2017. p. 8272-8282.

TOZETTO, Susana Soares. Docência e formação continuada. In: XIII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba, 2017. p. 24537-24549.

TREVIZAN, Zizi. Saberes Científicos e epistemologia da prática nos processos institucionais de formação docente e de formação de leitores. Perspectiva, Florianópolis, v. 35, n.1, p. 237-261, jan./mar. 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2017v35n1p237/pdf>. Acesso em: 06. ago. 2018.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Organizadores Michael Cole...[et. Al.]: tradução José Cipola Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

WADSWORTH, Barry J. Inteligência e afetividade da criança na teoria de Piaget. Tradução Esmérica Roval. 5 ed. São Paulo: Pioneira, 1997.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e método. 4. ed. Trad. Ana Thorell. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Maria Albertino, F. (2020). FORMAÇÃO CONTINUADA E A IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 308-317. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3710

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores