A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL E AS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PÓS-LDB 9394/96

Autores

  • Kelvin Rafael Rodrigues de Oliveira Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho" - UNESP, Campus Presidente Prudente
  • Leny Rodrigues Martins Teixeira Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP, Campus Presidente Prudente

Palavras-chave:

formação de professores que ensinam matemática; pedagogos, licenciados em matemática; diretrizes curriculares nacionais; ensino fundamental.

Resumo

O presente estudo se insere no campo da formação dos professores que ensinam Matemática no Ensino Fundamental e tem como objetivo analisar a constituição dos cursos formadores desses professores – Licenciatura em Pedagogia e em Matemática. Pesquisas publicadas a esse respeito indicam algumas lacunas na prática desses professores, em grande parte, devido a fatores relacionados à formação inicial. Neste sentido é necessário compreender a estrutura desses cursos embasadas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores desde a LDB 9394/96 e nos atos do Conselho Estadual de Educação de São Paulo – como documentos norteadores das instituições de educação paulistas. O texto apresenta uma análise destes documentos – pré-requisito para compreender o processo de formação inicial – envolvendo estrutura e organização do currículo de formação, carga horária, ementa das disciplinas de matemática e/ou educação matemática, estágios curriculares e trabalho de conclusão de curso. A análise indica que a formação inicial de professores que ensinam matemática apresenta enfoques diferentes para pedagogos e licenciados em matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelvin Rafael Rodrigues de Oliveira, Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho" - UNESP, Campus Presidente Prudente

Mestrando em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Presidente Prudente. Possui Licenciatura Plena em Matemática e habilitação em Física pela Faculdade de Presidente Venceslau (2014). Desenvolve pesquisa na área de formação de professores que ensinam Matemática pelo PPGE/UNESP Presidente Prudente. Desenvolve pesquisa sob coordenação do Grupo de Trabalho Formação de Professores que Ensinam Matemática (GT -7) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). Tem interesse nas seguintes áreas: profissionalidade docente, formação inicial de professores que ensinam Matemática, dilemas e desafios de professores que ensinam Matemática, atuação de professores que ensinam Matemática.

Leny Rodrigues Martins Teixeira, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP, Campus Presidente Prudente

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1968), mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1983) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1992). Atualmente é professor titular da Universidade Católica Dom Bosco e professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Escolar e Formação de Professores. Atua principalmente nos seguintes temas: aprendizagem escolar, aprendizagem de conceitos matemáticos, ensino e aprendizagem e formação de professores

Referências

BRASIL. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2002a.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educ. Soc., Campinas , v. 36, n. 131, p. 299-324, Junho, 2015. <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302015000200299&lng=en&nrm=iso>.

GA TTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. Professores do Brasil: Impasses e Desafios. Brasília, Unesco, 2009.

CYRINO, M. C. C. T.; PASSERINI, G. A. (2009). Reflexões sobre o estágio supervisionado do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Londrina. In: CAINELLI; M.; FIORELI, I. (Orgs.). O estágio na licenciatura: a formação de professores e a experiência interdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina. 1ª Edição. Londrina: UEL/Prodocencia/Midiograf,125-144

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução de Ernani F. da F. Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Ensino de quinta a oitava séries. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

SILVA, Carmem Silvia Bissoli da. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. 3.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

BRZEZINSKI, Iria. Pedagogia, pedagogos e formação de professores. Campinas: Papirus, 1996.

PINTO, Umberto de Andrade. Pedagogia e Pedagogos Escolares. 2006. 184f. Tese (Doutorado em Educação) – USP, São Paulo.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação - CNE. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP n° 3/2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em pedagogia, homologado pelo MEC em 21 de fevereiro de 2006.

LIBANEO, José Carlos. Diretrizes curriculares da pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educ. Soc., Campinas , v. 27, n. 96, p. 843-876, Out. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000300011&lng=en&nrm=iso>.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação).

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada.

GATTI, B. A.; NUNES, M. M. R. (Orgs.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC, 2009.

NEUBAUER, Rose; CRUZ, Neide. Formação de professores: novas diretrizes curriculares para o sistema de ensino de São Paulo. XLIV Plenária Nacional do Fórum dos Conselhos Estaduais de Educação – FNCE; 2015. Disponível em: http://cee.al.gov.br/artigos-do-fncee%20/SaO%20PAULO%20-%20Formacao%20de%20Professores_novas%20Diretrizes%20Curriculares%20para%20o%20Sistema%20de%20Ensino%20de%20Sao.pdf

SÃO PAULO. Deliberação CEE 126/2014 de 14 de junho de 2014. Altera dispositivos da Deliberação 111/2012

SÃO PAULO. DELIBERAÇÃO CEE 111/2012 de 01 de fevereiro de 2012. Fixa Diretrizes Curriculares Complementares para a Formação de Docentes para a Educação Básica nos Cursos de Graduação de Pedagogia, Normal Superior e Licenciaturas, oferecidos pelos estabelecimentos de ensino superior vinculados ao sistema estadual.

SÃO PAULO. DELIBERAÇÃO CEE 154/2017- Dispõe sobre alteração da Deliberação CEE 111/2012

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CONSELHO PLENO. Resolução CNE/CP n. 1 de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Pedagogia. Brasília: CNE, 2006b.

ANPED. Posição da ANPED sobre o “texto referência - diretrizes curriculares nacionais e base nacional comum para a formação inicial e continuada de professores da educação básica"; 2019

CURI, E. Formação de professores polivalentes: uma análise de conhecimentos para ensinar Matemática e de crenças e atitudes que interferem na constituição desses conhecimentos. 2004. 278 f. Tese de Doutorado – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2004.

GATTI, Bernardete A.. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc. [online]. Dez 2010, vol.31, n.113, pp.1355-1379. ISSN 1678-4626. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302010000400016.

CURI, E. A formação matemática de professores de dois anos teve início no aspecto fundamental das novas demandas brasileiras. Revista Ibero-americana de Educação , v. 37, n. 5 p. 1-10, 25 de janeiro 2006.

LORENZATO, Sérgio. Educação infantil e percepção matemática. 3ª Ed.rev. Campinas, SP. Autores Associados, 2011.

ALBUQUERQUE, L.; GONTIJO, C. A complexidade da formação do professor de matemática e suas implicações para a prática docente. Revista Espaço Pedagógico, v. 20, n. 1, 4 out. 2013.

SAVIANI, D. O curso de pedagogia e a formação de educadores (entrevista). Perspectiva (UFSC), v. 26, p. 641-660, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 9/2001, de 8 de maio de 2001a. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Publicado no Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 de jan. 2002. seção 1. p.31. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1/2002, de 18 de fevereiro de 2002a. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2/2002, de 19 de fevereiro de 2002b. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4 de mar de 2002, seção 1, p.9. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação de Professores da Educação Básica em nível superior. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1.302/2001. Diretrizes curriculares nacionais para os cursos de matemática, bacharelado e licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 05 mar. 2002a, Seção 1, p. 15. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf

VARANI, A. ; ZAN, Dirce Djanira Pacheco e ; GRANDIN, L. A. . O Curso de Pedagogia e a Deliberação 111/12 do CEE/SP. EDUCAÇÃO (SANTA MARIA. ONLINE), v. 45, p. 1-23, 2020.

Publicado

2020-11-11

Como Citar

Rafael Rodrigues de Oliveira, K., & Rodrigues Martins Teixeira, L. (2020). A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL E AS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PÓS-LDB 9394/96. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 27-46. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3661

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores