O PROTAGONISMO INFANTIL POR MEIO DA RESISTÊNCIA EM KAMCHATKA (2003)

  • Keyla Andrea Santiago oliveira Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS
  • Pollyanna Rosa Ribeiro PUC-GO
Palavras-chave: Cinema, Educação, Vulnerabilidade, Protagonismo infantil

Resumo

Nosso pressuposto é que o cinema e seus dispositivos estéticos podem revelar sutilezas que o cotidiano tão imediatista muitas vezes não nos permite: o olhar da criança sobre o mundo e seus dramas inerentes à infância. E o que podemos acessar sobre as aflições infantis diante do controle social regido pela centralização do poder nos militares e pela perda dos direitos? A proposta deste trabalho é empreender uma discussão sobre a leitura da criança em um contexto social vulnerável por meio do filme argentino Kamchatka (2003) e sua potência enquanto ser de resistência. É sob a ótica do protagonista de 10 anos de idade, Matías (Harry), que acompanhamos a confluência da tensão, da ludicidade e também do enigma da resistência que os pais vivenciam diante da ditadura.   Este artigo é ligado à pesquisa interinstitucional em andamento Arte, psicanálise e educação: procedimentos estéticos no cinema e as vicissitudes da infância CEPAE/ UFG/PUCGO/ UEG/UAB-UNB/UEMS, tem como metodologia de investigação a análise fílmica e toma como referencial teórico Adorno e Horkheimer (1985), Adorno (1992), Bernadet (1985), Bordwell (2013), Gardies (2006), Rojas (2014) e Truffaut (2005). Os resultados levantados apontam para a vigorosidade da obra fílmica ao descortinar o impacto da penetração imperativa da barbárie da ditadura nos diversos meandros sociais, em especial, na vida infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pollyanna Rosa Ribeiro, PUC-GO

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Goiás - UFG. É professora efetiva da PUCGO e coordenadora pedagógica do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Cecília Meireles na rede pública de Goiânia

Referências

ADORNO, T. W. Minima moralia – reflexões a partir da vida danificada. São Paulo: Ática, 1992.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BERNARDET, J-C. O que é cinema. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BORDWELL, D. Sobre a história do estilo cinematográfico. Campinas: UNICAMP, 2008.

GARDIES, R. (org.). Compreender o cinema e as imagens. Lisboa: Edições Texto e Grafia, 2006.

KAMCHATKA. De Marcelo Piñeyro. Argentina. DVD, 2003.

ROJAS, G. A. A ditadura militar na Argentina (1976-1983): retomando algumas hipóteses frente aos relatos oficiais. Rev. Lutas Sociais, São Paulo, v. 18, n. 32, p. 163-176, 2014.

SOSA, M. Palabras para Julia. Buenos Aires: 1995. Disponível em https://www.ouvirmusica.com.br/mercedes-sosa/200718. Acesso em: 31 ago. 2019.

TRUFFAUT, F. O prazer dos olhos: textos sobre o cinema. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

Publicado
2020-01-08
Como Citar
Santiago oliveira, K. A., & Ribeiro, P. R. (2020). O PROTAGONISMO INFANTIL POR MEIO DA RESISTÊNCIA EM KAMCHATKA (2003). Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4), 95-109. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3366
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAÇÃO DE PROFESSORES, CURRÍCULO E PRÁTICAS