CONDIÇÕES DE TRABALHO DOCENTE NA ESCOLA PÚBLICA DE TEMPO INTEGRAL

Autores

  • Samanta Antunes Kasper UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO - UNESP
  • Renata Portela Rinaldi UNESP-FCT

Palavras-chave:

Trabalho docente. Condições de trabalho docente. Escola pública. Educação em tempo integral.

Resumo

O artigo é um recorte da pesquisa de Mestrado intitulada “Mal-estar no trabalho docente na escola pública de tempo integral” que aborda a complexidade do mal-estar docente entre os professores em exercício na rede pública de ensino por meio do Programa de Educação Integral no município de Presidente Prudente, Cidadescola. Nesta produção, tivemos como objetivo investigar e analisar as condições de trabalho dos professores que atuam com a jornada ampliada no Programa. Adotou-se a abordagem qualitativa de pesquisa em educação e, mais especificamente, a pesquisa de campo. Como instrumentos de coleta de dados foram utilizados o questionário e a entrevista semiestruturada. O procedimento de análise dos dados pautou-se proposta de Miles, Huberman e Saldaña (2014), sistematizada por meio da (1) condensação dos dados, (2) apresentação dos dados e (3) elaboração e verificação da conclusão. Os resultados revelaram que três categorias referentes as condições de trabalho dos professores prevaleceram nas falas dos participantes da pesquisa: participação docente no processo de implantação do Programa de Educação Integral Cidadescola; infraestrutura escolar e realização do trabalho docente e condições organizacionais, sociais e econômicas dos professores. A análise nos permitiu concluir que, as condições de trabalho docente dos professores que atuam no Programa Cidadescola carecem de aprimoramento. Nesse sentido, é necessário atentar-se para a relação entre as condições de trabalho e os efeitos sobre a saúde dos professores, o sofrimento no trabalho e a qualidade de vida dos professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSUNÇÃO, A. Á.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 107, p. 349-372, mai./ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n107/03.pdf. Acesso em: 20 jan. 2018. DOI: 10.1590/S0101-73302009000200003

BARBOSA, M. E. F.; FERNANDES, C. A escola brasileira faz diferença? Uma investigação dos efeitos da escola na proficiência em matemática dos alunos da 4ª série. In: FRANCO, C. (Org.). Avaliação, ciclos e promoção na educação. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 1-23.

BATISTA, A. S.; CODO, W. Crise de identidade e sofrimento. In: CODO, W. (coord.). Educação: carinho e trabalho - Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 60 – 85.

BATISTA, A. S.; ODELIUS, C. C. Infra-estrutura das escolas e burnout dos professores. In: CODO, W. (coord.). Educação: carinho e trabalho - Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 324 – 332.

BATISTA, A. S.; ODELIUS, C. C. Gestão democrática nas escolas e burnout nos professores. In: CODO, W. (coord.). Educação: carinho e trabalho - Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 333 -337.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez 1996. Acesso em: 26 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001. Acesso em: 15 fev. 2018.

BRASIL. Decreto nº. 6.253, de 13 de novembro de 2007. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, regulamenta a Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 nov. 2007a. Acesso em: 19 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da Educação: Razões, Princípios e Programas. Brasília, DF, 2007b. Acesso em: 19 de mar. 2018.

CAVALIERE, A. M. Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 20, n. 46, p. 249-259, ago. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v20n46/11.pdf. Acesso em: 15 jan. 2018. DOI: 10.1590/S0103-863X2010000200012.

CUNHA, M. I. da. Profissionalização docente: contradições e perspectivas. In: VEIGA, I. P. A.; CUNHA, M. I. (Orgs.). Desmistificando a profissionalização docente. Campinas: Papirus, 1999. p. 127-147.

CUNHA, R. C. O. B.; BARBOSA, A; FERNANDES, M. J. S. Implicações das avaliações externas para o trabalho docente coletivo. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 26, p. 386-416, 2015. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3288. Acesso em: Acesso em: 25 jun. 2018. DOI: 10.18222/eae266203288.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a-sala-de-aula e a saúde dos professores. Bauru/SP: EDUSC, 1999.

GIROUX, H. Escola crítica e política cultural. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1987.

HYPOLITO, Á. M. Trabalho docente na educação básica no Brasil: as condições de trabalho. In: OLIVEIRA, D. A; VIEIRA, F. G. (org). Trabalho na educação básica: a condição em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2012. p. 211-230.

HYPOLITO, Á. M. Currículo e projeto político-pedagógico: implicações na gestão e no trabalho docente. Cadernos de Educação, Brasília, v. 18, n. 26, jan./jun. 2014. p. 11-26.

HYPOLITO, Á. L. M. Trabalho docente e profissionalização: sonho prometido ou sonho negado? In: VEIGA, I. P. A.; CUNHA, M. I. (Org.). Desmistificando a profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1999. p. 81-100.

JACINTO, L. T; HOBOLD, M.S. Trabalho docente: desafios e perspectivas na relação professor-aluno no ensino médio. Educação & Linguagem, São Paulo, v. 15, n. 25, p. 277-301, 2012. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/article/view/3358. Acesso em: 5 jun. 2019 . DOI: 10.15603/2176-1043/el.v15n25p277-301.

LOURENCETTI, G. C. A intensificação no trabalho docente: repercussões no cotidiano da sala de aula. In: MARQUES, M. A. de R. B.; DAVID, A. (Org.). As interfaces da profissão docente: formação, trabalho, práticas, currículo e avaliação. Araraquara: Junqueira & Marin Editores, 2012, p. 68-92.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária- EPU, 1986.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M.; SALDAÑA, J. Qualitative Data Analysis: A Methods Sourcebook. London: Sage Publications Ltd. 2014.

MINAYO, M. C. S. O trabalho de campo: contexto de observação interação e descoberta. In: DESLANDES, S. F; GOMES, R.; MINAYO, M. C. S. (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 61-78.

NACARATO, A. M.; VARANI, A.; CARVALHO, V. de. O cotidiano do trabalho docente: palco, bastidores e trabalho invisível ... abrindo as cortinas. In: GERALDI, M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. de A. Cartografias do trabalho docente. Campinas (SP): Mercado de letras; 2007. p. 73-104.

NUNES SOBRINHO, F. P. O stress do professor do Ensino Fundamental: o enfoque da ergonomia. In: LIPP, M. L. (org.). O stress do professor. 5. ed. Campinas: Papirus, 2007. p. 81-94.

OLIVEIRA, D. A. Regulação educativa na América Latina: repercussões sobre a identidade dos trabalhadores docentes. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 44. p. 209-227. dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982006000200011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20 mar. 2018. DOI: /10.1590/S0102-46982006000200011 .

OLIVEIRA, D. A.; ASSUNCAO, A. Á. Condições de trabalho docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A.; VIEIRA, L. M. F. (Orgs.). Dicionário trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. Disponível em: http://www.gestrado.net.br/?pg=dicionario-verbetes. Acesso em: 11 ago. 2018

OLIVEIRA, D. A.; VIEIRA, L. F. Condições de trabalho docente: uma análise a partir de dados de sete estados brasileiros. In: OLIVEIRA, D. A.; VIEIRA, F. G. (org). Trabalho na educação básica: a condição em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2012. p. 153-190.

REBOLO, F. Fontes e dinâmicas do bem-estar docente: os quatro componentes de um trabalho felicitário. In: REBOLO, F.; TEXEIRA, L. R. M.; PERRELLI, M. A. S. (Org.). Docência em questão: discutindo trabalho e formação. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2012. p. 23-60.

SILVA, M. A. da; NÓBREGA, S. A. O programa Mais Educação e sua política de formação e trabalho docente: a experiência de Caruaru. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 26., Recife, 2013. Anais... Recife: ANPAE, 2013. Acesso em: 25 mar. 2019. Disponível em: http://www.anpae.org.br/simposio26/1comunicacoes/MariaAngelicadaSilva-ComunicacaoOral-int.pdf.

SILVA, N. S. Formação de professores e a Escola de Tempo Integral no município de Araçatuba: práticas, desafios e possibilidades. 2016. 189f. Dissertação (Mestrado em Educação). Presidente Prudente: 2016.

TARDIF, M. LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

Publicado

2020-05-21

Como Citar

Antunes Kasper, S. ., & Rinaldi, R. P. (2020). CONDIÇÕES DE TRABALHO DOCENTE NA ESCOLA PÚBLICA DE TEMPO INTEGRAL. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 26-48. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3341