O ATO EDUCATVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL SOB A ÓTICA DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA

  • Larissa Aparecida Trindade dos Santos FAPEPE
  • Célia Maria Guimarães Unesp Presidente Prudente/ Programa de Pós-Graduação em Educação
Palavras-chave: Educação Infantil, Formação Continuada, Materialismo Histórico-Dialético

Resumo

Este artigo é resultado da tese de doutoramento denominada “A brincadeira de papéis sociais como elemento orientador da formação continuada de uma professora pré-escolar”, na qual o objetivo central  foi realizar e refletir sobre o processo de formação continuada da professora pré-escolar por meio de intervenções teóricas e práticas para a construção de uma prática educativa humanizadora norteada na Psicologia Histórico-Cultural, na Pedagogia Histórico-Crítica e no emprego do brinquedo e da brincadeira de papéis sociais na situação escolar. Para esta discussão trouxemos uma breve apresentação da Pedagogia Histórico-Crítica, envolvendo o âmbito social e os objetivos de sua construção, assim como seus fundamentos e características particularmente relacionadas ao ensino na Educação Infantil. Também destacamos o papel do professor, a formação continuada docente e a organização da prática educativa à guisa do materialismo histórico-dialético. Para tanto, utilizamos o método materialista histórico-dialético e os instrumentos metodológicos: questionário, entrevista, observação e análise dos documentos municipais para desenvolvimento da pesquisa, a qual revelou que as propostas educativas da professora oscilaram durante o processo formativo, pois ora seguiam os pressupostos marxistas, ora reproduziam práticas educativas do Ensino fundamental. Concluímos assim, que os professores carecem de uma visão de Educação Infantil como espaço promotor do desenvolvimento omnilateral da criança e de uma compreensão das crianças como sujeitos sociais em construção, frutos das suas relações humanas, com tempos distintos para aprender e níveis diferentes de desenvolvimento, especialmente, ensinar que a brincadeira de papéis sociais é a atividade-guia para o processo de humanização das crianças pré-escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRANTES, A. A. Como ensinar?: o método da pedagogia histórico-crítica e a aula como unidade concreta de relações sociais. In: PASQUALINI, J. C; TEIXEIRA, L. A; AGUDO, M de M. Pedagogia histórico-crítica: legado e perspectivas. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018. p. 99-116.

ARCE, A. Interações ou brincadeiras? afinal o que é mais importante na educação infantil? e o ensino como fica? In: ARCE, A. (Org.) Interações e brincadeiras. Campinas: Editora Alínea, 2013. p. 17-39.

ARCE, A.; JACOMELI, M. R. M. Educação infantil versus educação escolar?: entre a (des) escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas: Autores Associados, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação e do desporto. Referencial curricular nacional de educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. 253 p. v.3

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

COSTA, A. Entre a dilapidação moral e a missão redentorista: o processo de alienação no trabalho dos professores do ensino básico brasileiro. In: COSTA, Á; FERNANDES, N. E.; SOUZA, G. A proletarização do professor: neoliberalismo na educação. São Paulo: Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2009. p. 59-100.

DUARTE, N. A escola de Vigotski e a educação escolar: algumas hipóteses para uma leitura pedagógica da psicologia histórico-cultural. Psicologia USP, São Paulo, v. 7, n. 1/2, p. 17-50, 1996.

DUARTE, N. A anatomia do homem é a chave da anatomia do macaco: a dialética em Vigotski e em Marx e a questão do saber objetivo na educação escolar. Educação e Sociedade, Campinas, v. 21, n. 71, p. 79-115, 2000.

DUARTE. N. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, L. M; DUARTE, N. (Orgs.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 33- 49.

DUARTE. N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões. Campinas: Autores Associados, 2013.

DUARTE. N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados, 2016.

EIDT, N. M.; DUARTE, N. Contribuições da teoria da atividade para o debate sobre a natureza da atividade de ensino escolar. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 24, p. 51-72, 2007.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FACCI. M, G. D. A periodização do desenvolvimento psicológico individual na perspectiva de Leontiev, Elkonin e Vigostski. Caderno Cedes, Campinas, v. 24, n. 62, p. 64-81, 2004.

HADDAD, C. R. PEREIRA. M. F. R. Pedagogia histórico-crítica e psicologia histórico cultural: inferências para a formação e o trabalho de professores. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 106-117, 2013.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978a.

LEONTIEV, A. N. Actividade, consciência e personalidade. Portugueses Edition: Domínio Público, 1978b.

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKI. L. S; LURIA, A. R; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: EDUSP, 2001. p. 119-142.

LOMBARDI, J. C. Notas sobre a educação da infância numa perspectiva marxista. In: MARSIGLIA, A. C. G. (Org.). Infância e pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013, p. 7-16.

LOPÉZ, J.; GOMÉZ, A. M. S. El proceso educativo para el desarrollo integral de la primera infancia. Havana: Celep e Unicef, 2005.

MARTINS, L. M. Especificidades do desenvolvimento afetivo-cognitivo de crianças de 4 a 6 anos. In. ARCE, A; MARTINS, L. M. (Orgs.). Quem tem medo de ensinar na educação infantil? Em defesa do ato de ensinar. Campinas: Alínea, 2007. p. 63-92.

MARTINS, L. M. Psicologia histórico-critica e psicologia histórico-cultural. In: MARSIGLIA, A. C. G. (Org.). Pedagogia histórico-critica 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 43-57.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições a luz da psicologia histórico cultural e da pedagogia histórico-critica. Campinas: Autores Associados, 2013.

MARSIGLIA, A. C. G. A prática pedagógica histórico-crítica na educação e ensino fundamental. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

MAZZEU. L. T. B. Uma proposta metodológica para a formação continuada de professores na perspectiva histórico-social. Caderno Cedes, Campinas, v. 19, n. 44, p. 59-72, 1998.

MELLO, S. A; LUGLE, A. M. C. Formação de professores: implicações pedagógicas da teoria histórico-cultural. Revista contrapontos, v. 14, n. 2, p. 259-272, 2014.

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PASQUALINI, J. C. Princípios para a organização do ensino na educação infantil na perspectiva Histórico-Cultural: um estudo a partir da análise da prática do professor. 2010. 268f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2010.

PASQUALINI, J. C. Periodização do desenvolvimento psíquico à luz da escola de Vigotski: a teoria histórico-cultural do desenvolvimento infantil e suas implicações pedagógicas. In: MARSIGLIA, A. C. G. (Org.) Infância e pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013. p. 71-97.

PASQUALINI, A. C; ABRANTES, A. A. Forma e conteúdo do ensino na educação infantil: o papel do jogo protagonizado e as contribuições da literatura infantil. Germinal Marxismo e Educação em Debate. Salvador, v. 5, n. 2, p. 13-24, 2013.

PRADO, A. E. F. G; AZEVEDO, H. H. O. Currículo para a educação infantil. In: ARCE. A; JACOMELI, M. R. M. Educação Infantil versus Educação escolar? Entre a (des)escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas: Autores Associados, 2012, p. 33-52.

SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 3.ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 35.ed. Campinas: Autores associados, 2011.

SAVIANI, D. Perspectiva marxiana do problema subjetividade-intersubjetividade. In: Duarte, N. (Org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2012a. p. 19-46.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11.ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, N. Educação infantil versus educação escolar: implicações curriculares de uma (falsa) oposição. In: ARCE, A.; JACOMELI, M. R. M. Educação infantil versus educação escolar?: entre a (des) escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas: Autores Associados, 2012b. p. 53-79.

TEIXEIRA, L. Pedagogia histórico-critica: contribuições para a superação do conhecimento tácito na formação de professores. In: MARSIGLIA, A. C. G. (Org.). Infância e pedagogia histórico-crítica. Campinas: Editores Associados, 2013. p. 17-34.

TRINDADE, L. A. O brinquedo na educação infantil como promotor das culturas da infância e humanização. 2010. 170 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2010.

VIGOTSKI. L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VIGOTSKI. L. S. El problema del desarrolho de las funciones psíquicas superiores. Madrid: Visor, 1995.

VIGOTSKI. L. S. Obras Escogidas. Madrid: Visor, 1996.

VIGOTSKI. L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI. L. S. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. [s. l.]: [s. n.], 2004. 34 p. Disponível em: http://www.ltds.ufrj.br/gis/A_brincadeira_seu_papel.htm. Acesso em: 27 jul. 2008.

Publicado
2020-01-08
Como Citar
Santos, L. A. T. dos, & Guimarães, C. M. (2020). O ATO EDUCATVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL SOB A ÓTICA DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4), 75-94. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3328
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAÇÃO DE PROFESSORES, CURRÍCULO E PRÁTICAS