BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE NOVA IGUAÇU

  • Rejane Peres Neto Costa UFRRJ
  • Anelise Monteiro do Nascimento Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ
  • Luana Ramos Neves Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ
Palavras-chave: Educação infantil, Base Nacional Comum Curricular, Análise relacional, Política educacional

Resumo

A pesquisa que apresentamos nesse artigo tem como foco a política instituída pelo Ministério da Educação que propõe a (re)formulação curricular a partir de uma Base Nacional Comum Curricular, Lei 12.796/13. Aqui tratamos especificamente das proposições dessa política para o segmento da Educação Infantil. Acompanhamos nos anos de 2018 e 2019 o trabalho organizado pela Secretaria Municipal de Educação do município de Nova Iguaçu, com o intuito de investigar os desdobramentos de tal política a nível municipal, seus arranjos, ajustes, tensões e resultados. Utilizamos a Análise Relacional de Michael Apple como referencial teórico-metodológico para compreender a formulação de currículos como uma proposta dentro das políticas educacionais. O município estudado cumpriu seu objetivo de reformulação curricular, num cenário de curto espaço de tempo para elaboração do texto, baixa participação da comunidade escolar e ainda sem a publicação/divulgação do documento final.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOWICZ, A.; TEBET, G. G. C. Educação infantil: um balanço a partir do campo das diferenças. Pro-Posições, v. 28, p. 182-203, 2017. https://doi.org/10.1590/1980-6248-2016-0114

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. São Paulo, SP: Editora Brasiliense, 1979.

APPLE, M. W. A luta pela democracia na educação crítica. São Paulo: Revista e-Curriculum, v. 15, n. 4, p. 894–926, 2017. 10.23925/1809-3876.2017v15i4p894-926.

BALL, S.; MAINARDES, J. (Org). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 09 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 09 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf. Acesso em: 09 ago. 2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 09 ago. 2019

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394/1996, dispondo sobre obrigatoriedade da matrícula a partir dos 4 (quatro) anos de idade. Brasília, DF: Presidência da República, 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em 09/08/2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação (PNE). PNE 2014-2024. Brasília: Câmara dos Deputados, 2014. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485745/Plano+Nacional+de+Educação+PNE+2014-2024++Linha+de+Base/c2dd0faa-7227-40ee-a520-12c6fc77700f?version=1.1. Acesso em 09/08/2019.

BRASIL. MEC. Base nacional comum curricular: BNCC, 2016-2017. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Movimento pela base comum. Brasília: BNCC, 2018. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br. Acesso em: 02 fev. 2019

BRASIL. Ministério da Educação. Histórico da base nacional comum curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico.Acesso em: 02 jun. 2019.

BARBOSA, M. C. S.; OLIVEIRA, Z. R. Currículo e linguagem na educação infantil. 1.ed. Brasília: MEC/SEB, 2016. Disponível em: http://www.projetoleituraescrita. Acesso em: 12 abr. 2019.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. 2.ed. Brasília: MEC, SEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/direitosfundamentais.pdf. Acesso em: 02 jun. 2019.

GANDIN, L. A.; LIMA, I. G. A Perspectiva de Michael Apple para os estudos das políticas educacionais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 651-664, 2016. https://doi.org/10.1590/S1517-9702201609143447

GUIMARÃES, D. Educação Infantil: espaços e experiências. In: CORSINO, Patrícia (org.). Educação infantil: cotidiano e políticas. Campinas, SP: Autores Associados, 2009. p. 15-32.

KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 18, n. 60, 1997. https://doi.org/10.1590/S0101-73301997000300002

KRAMER, S. Com a pré-escola nas mãos. São Paulo: Ática, 2006.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2000.

NASCIMENTO, A. M.; BARBOSA, S. N. F.; MATTOS, M. N. S. Infância, experiência e etnografia na educação infantil. Revista Contemporânea de Educação, v. 13, n. 26, 2018. https://doi.org/10.20500/rce.v13i26.14357

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Publicado
2020-01-08
Como Citar
Peres Neto Costa, R., Monteiro do Nascimento, A., & Ramos Neves, L. (2020). BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE NOVA IGUAÇU. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4), 35-49. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3301
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAÇÃO DE PROFESSORES, CURRÍCULO E PRÁTICAS