EM NOME DA TRADIÇÃO: A RELAÇÃO ESCOLA –CIDADE-FAMÍLIAS NO COTIDIANO DA (PRÉ)-ESCOLA

  • Julice Dias Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Luiz Martins Junior Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Rosa Elisabete Militz Wypyczynski Martins Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: (Pré)-Escola, Cadeias de Interação, Mães, Cidade, Famílias.

Resumo

O presente trabalho tem como foco de discussão a relação escola-cidade-famílias. Tendo como unidade de análise a manutenção de uma escola confessional católica blumenauense como tradição e referência no cenário da cidade desde sua instalação no século XIX até o final do século XX, busca-se neste texto, explorar um dos recortes da pesquisa que investigou em tese de doutorado a tríade mães, escola e cidade, abordando especificamente, a interação das mães com a escola, no que tange à seleção e manutenção de seus filhos e filhas neste educandário. Utilizando categorias sociológicas como habitus e tradição, neste estudo de abordagem qualitativa, explora-se os modos de ser, sentir, agir e pensar de mulheres e mães, articulados em sentimentos de pertença que constituem rede organizacional, não homogênea, porém, amalgamada a manifestações culturais particularizadas produzidas por setores que idealizaram a escola como a melhor, a mais tradicional, a escola referência. Trata-se de um estudo configuracional, sob a perspectiva analítica de Norbert Elias. Como instrumento de coleta de dados, utilizamos entrevistas e análise documental. Da análise dos dados obtidos, pode-se afirmar que as inovações ou alterações curriculares não foram resultado da interação escola e famílias. As inovações resultaram de pressões externas, de teorias de aprendizagem, discursos hegemônicos veiculados pelo modismo pedagógico da época. Pelo fato de a escola ser referência, não poderia deixar de estar à altura das demandas sociais e pedagógicas que os tempos da redemocratização do país e da profusão da sociedade do conhecimento exigiam dos processos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julice Dias, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em Educação: História, Política, Sociedade pela PUC/SP, Brasil. Professora Adjunta do Departamento de Pedagogia do Centro de Ciências Humanas e da Educação da UDESC. Integrante do Grupo de Pesquisa em Educação Infantil – GEDIN. Diretora Geral da FAED/UDESC.

Luiz Martins Junior, Universidade do Estado de Santa Catarina

Graduado em Geografia pela Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE, Graduado em Pedagogia pela UNINTER, Mestre em Geografia pela UFSC; Doutorando no Curso de Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação FAED/UDESC, Florianópolis, Brasil.

Rosa Elisabete Militz Wypyczynski Martins , Universidade do Estado de Santa Catarina

Licenciada em Geografia; Mestre em Educação; Doutora em Geografia; Professora da área do ensino de Geografia, supervisora de estágios do curso de Geografia Licenciatura da FAED/UDESC; Coordenadora do LEPEGEO – Laboratório de Estudos e Pesquisas de Educação em Geografia; membro do LABTATE/UFSC; Coordenadora PIBID Geografia da FAED/UDESC; Professora do curso de Pós-Graduação em Geografia da UFSC, Florianópolis, Brasil.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 09 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 09 ago. 2019.

BHERING, E.; DE NEZ, T. B. Envolvimento de pais em creche: possibilidades e dificuldades de parceria. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 18, n. 1, p. 63-73, 2002. https://doi.org/10.1590/S0102-37722002000100008

COLLINS, R. The microcontribution to macro sociology. Sociological Theory, v. 6, n. 2, p. 242-253, 1988. https://doi.org/10.2307/202118

DESSEN, M. A.; POLONIA, A. C. A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, Ribeirão Preto, v.17, n.36, p. 21-32, 2007. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2007000100003

DIAS, J. (Pré)-escola, cidade e famílias: produção de comunidades de sentido em cadeias ritualísticas de interação (1980-1999). 2009. 234f. Tese (Doutorado em História, Política, Sociedade). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2009.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ELIAS, N. Introdução à Sociologia. Lisboa, Portugal, 1999.

GUIMARÃES, D. A relação com as famílias na educação infantil: o desafio da alteridade e do diálogo. In: VAZ, A.; MOMM, C. M. Educação Infantil e Sociedade. Nova Petrópolis – Harmonia, 2012. p. 88-100.

MARANHÃO, D. G; SARTI, C. A. Creche e família: uma parceria necessária. Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 133, p. 171-194, 2008. https://doi.org/10.1590/S0100-15742008000100008

MAUSS, M. Ensaios de sociologia. São Paulo: Perspectiva, 1981.

PAROLIM, I. As dificuldades de aprendizagem e as relações familiares. Fortaleza, 2003

SOUZA, T. N. ; FERREIRA, M. C. R. Tullia Musatti: uma infância melhor. In: REGO, T. C. (org.) Cultura e Sociologia da Infância: Estudos Contemporâneos. Curitiba: CRV, 2018. p. 139-152.

WILLIAMS, R. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

Publicado
2020-01-08
Como Citar
Dias, J., Martins Junior, L., & Elisabete Militz Wypyczynski Martins , R. (2020). EM NOME DA TRADIÇÃO: A RELAÇÃO ESCOLA –CIDADE-FAMÍLIAS NO COTIDIANO DA (PRÉ)-ESCOLA . Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4), 50-60. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3286
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAÇÃO DE PROFESSORES, CURRÍCULO E PRÁTICAS