FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA FRANÇA E NO BRASIL: COMPARATIVOS E POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO

  • Cláudio Roberto Brocanelli UNESP
  • Alonso Bezerra de Carvalho Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP
  • Vandeí Pinto da Silva Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP
Palavras-chave: Educação; Formação de Professores; Brasil e França

Resumo

Este artigo traz estudo referente à Formação de Professores. Traz reflexões resultantes da visita técnica realizada por professores da Unesp, dos Campi de Assis e Marília, na Universidade de Cergy-Pontoise e na École Superieure du Professorat et de l’Éducation (ÉSPÉ), na França, com o apoio financeiro da PROGRAD e PROPG/Unesp. Foi possível conhecer o processo formativo de professores da França com fins a pensar a formação dos nossos professores, com foco principal no momento em que realizam seus estágios. O desafio maior está na articulação teoria e prática, o que comumente causa espanto aos estagiários quando chegam ao ambiente da escola e necessitam criar uma reflexão para a atuação, ou seja, buscar olhar para o terreno da escola a partir dos conhecimentos acumulados nos anos de formação. Com um estudo comparativo, é possível pensar a Formação de Professores no Brasil e as possibilidades de envolvimento com o espaço da escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Casa Civil. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm. Acesso em: 10 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 mai. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em 10 mai. 2019.

BUTLEN, Max. Tensions entre universitarisation et professionnalisation dans la formation des enseignants, Revue Administration et éducation, n. 144, revue de l'Association française des acteurs de l'éducation, 2015. DOI: 10.3917/admed.144.0079. Disponível em : https://www.cairn.info/revue-administration-et-education-2014-4-page-79.htm?ref=doi#. Acesso em: 19 mai. 2019

DECLARAÇÃO DE BOLONHA, 1999. http://www.aauab.pt/bolonha/declaracaobolonha.pdf. Acesso em: 10 mai. 2019.

ÉSPÉ. Écoles supérieures du professorat et de l’éducation. 2015. Disponível em http://www.espe-versailles.fr. Acesso: 19 mai. 2019.

PERRENOUD, P. Enseigner : agir dans l'urgence, décider dans l'incertitudede. Savoirs et compétences dans un métier complexe. 2.ed. Paris : ESF, 1999.

SÃO PAULO. Deliberação CEE nº 111/12. Fixa Diretrizes Curriculares Complementares para a Formação de Docentes para a Educação Básica. Diário Oficial do Estado, de 03/02/2012, Seção I, Página 46.

UNESP. Memórias do I Encontro de Licenciaturas da UNESP e III Simpósio a Prática de Ensino em Questão. PROGRAD/UNESP: São Paulo, 2011 (mimeo).

Publicado
2019-05-13
Como Citar
Brocanelli, C. R., de Carvalho, A. B., & da Silva, V. P. (2019). FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA FRANÇA E NO BRASIL: COMPARATIVOS E POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(1), 123-133. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/2976