A EDUCAÇÃO, REFORMAS CURRICULARES E AS PROPOSTAS DO BANCO MUNDIAL NO CONTEXTO PÓS-GOLPE (2016-2018)

  • Renata Valério Silva
  • Jani Alves da Silva Moreira UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM
Palavras-chave: Educação; Políticas Educacionais; Reformas Educacionais; Pós-Golpe; Banco Mundial

Resumo

O presente texto tem como objetivo analisar as propostas do Banco Mundial e o conceito de educação no governo de Michel Temer[1]a fim de inquirir e elucidar as principais medidas políticas que permearam as reformas educacionais no Brasil, entre os anos de 2016 a 2018. Trata-se dos resultados de uma pesquisa exploratória qualitativa, na qual a metodologia adotada para desenvolvimento foi a análise documental. Utilizamos como fonte primária documentos selecionados do Banco Mundial (BM) e amparamos as análises a partir da compreensão do contexto histórico e seus determinantes. Os resultados evidenciam que há consonância entra as orientações do BM com as medidas tomadas nas reformas educacionais atuais no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADRIÃO, Theresa. Dimensões e formas da privatização da educação no Brasil: caracterização a partir de mapeamento de produções nacionais e internacionais. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 1, p. 8-28, jan./abr. 2018. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss1articles/adriao.pdf. Acesso em 01 dez. 2018.

ALVES, Giovanni. Notas sobre o Golpe de 2016 no Brasil neodesenvolvimentismo ou crônica de uma morte anunciada. In: LUCENA, Carlos; PREVITELI, Fabiane Santana; LUCENA, Lurdes (Org.). A crise da democracia brasileira. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017, p.129-147.

ALVES, Giovanni; MOREIRA, Jani; PUZIOL, Jeinni. Educação profissional e ideologia das competências: elementos para uma crítica da nova pedagogia empresarial sob a mundialização do capital. Revista Educere et Educare, v. 4, n. 8, p. 45-59, jul./dez. 2009. Disponível em:

http://e-revista.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/view/2281/2808. Acesso em 02 dez. 2018.

AMARAL, Nelson Cardoso. Uma análise do documento: “Um Ajuste Justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2017.

ANTUNES, Ricardo. A era das contrarrevoluções e o novo estado de exceção. In: LUCENA, Carlos; PREVITELI, Fabiane Santana; LUCENA, Lurdes (Org.). A CRISE da democracia brasileira. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017, p.53-61.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. Boitempo: São Paulo, 2018.

BALL, Stephen J. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa, Brasil: UEPG, 2014.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion: Examen Del Banco Mundial. Washington, 1995. Disponível em < http://documentos.bancomundial.org/curated/es/715681468329483128/Prioridades-y-estrategias-para-la-educacion-examen-del-Banco-Mundial> Acesso em: 11 mai. 2019

BANCO MUNDIAL. Um Ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Brasília, 2017. Disponível em < http://documents.worldbank.org/curated/en/884871511196609355/pdf/121480-REVISED-PORTUGUESE-Brazil-Public-Expenditure-Review-Overview-Portuguese-Final-revised.pdf> Acesso em: 11 mai. 2019

BANCO MUNDIAL. Competências e empregos: uma agenda para a juventude: síntese de constatações, conclusões e recomendações de políticas. Brasília, 2018a. Disponível em < http://documents.worldbank.org/curated/pt/953891520403854615/pdf/123968-WP-PUBLIC-PORTUGUESE-P156683-CompetenciaseEmpregosUmaAgendaparaaJuventude.pdf> Acesso em: 11 mai.2019

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2018: Aprendizagem para Realizar a Promessa da Educação. Washington, 2018b. Disponível em < https://www.worldbank.org/pt/news/press-release/2017/09/26/world-bank-warns-of-learning-crisis-in-global-education> Acesso em: 11 mai. 2019

BANCO MUNDIAL. Por um ajuste justo com crescimento compartilhado: uma agenda de reformas para o Brasil. Brasília, 2018c. Disponível em < http://pubdocs.worldbank.org/en/156721534876313863/Sum%C3%A1rio-Notas-de-Pol%C3%ADtica-P%C3%BAblica.pdf> Acesso em: 11 mai. 2019

BOITO JUNIOR, Armando. A Crise Política do Neodesenvolvimentismo e a Instabilidade da Democracia. Crítica Marxista, n. 42, p.155-162, 2016.

CUNHA, Luiz Antônio. O projeto reacionário da educação. 2016. Disponível em: http://www.luizantoniocunha.pro.br/uploads/independente/ProjReacEd_livro.pdf. Acesso em: 03 dez. 2018.

CHAUI, Marilena. A nova classe trabalhadora brasileira e a ascensão do conservadorismo. In: JINKINGS, Ivana; DORIA, Kim; CLETO, Murilo (org.). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016, p. 15-22.

GALLEGO, Esther Solano. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, T. T. da; GENTILI, P. (Orgs.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE, 1996, p. 9-49.

LEVITSKY, Steven; ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

MORAES, Reginaldo C. Neoliberalismo – de onde vem para onde vai? São Paulo: Editora Senac, 2001.

MOREIRA, Jani Alves da Silva. Reformas Educacionais e Políticas Curriculares para a Educação Básica: prenúncios e evidências para uma resistência ativa. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 10, n. 2, p. 199-213, Ago. 2018. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/27355. Acesso em: 02 dez. 2018.

MOREIRA, Jani Alves da Silva; SILVA, Renata Valério. Políticas para a formação de professores e as recomendações do Banco Mundial: interfaces com o contexto atual da formação de professores alfabetizadores no Brasil. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 11, n. 1, p. 37-61, jan./abr. 2016. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/7198/4756 Acesso em: 02 dez. 2018.

PANSARDI, Marcos Vinícius. A Formação de Professores e o Banco Mundial. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 24. , 2009. Cadernos [...]. Porto Alegre: ANPAE, 2009. Disponível em: www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2009/201.pdf. Acesso em: 02 dez. 2018.

PEREIRA, João Márcio Mendes. Topoi, v. 11, n. 21, p. 260-280, jul.-dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/topoi/v11n21/2237-101X-topoi-11-21-00260.pdf Acesso em: 02 dez. 2018.

PUZIOL, Jeinni; MOREIRA, Jani Alves da Silva. Capital humano e educação sob a perspectiva da Unesco no Brasil. In: SEMINÁRIO DO HISTEDBR, 8., 2009. Anais [...], Campinas-SP: UNICAMP, 2009. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario8/_files/p3bVDis.pdf Acesso em: 01 dez. 2018

SAVIANI, Dermeval. A crise política no Brasil, o golpe e o papel da educação na resistência e na transformação. In: LUCENA, Carlos; PREVITELI, Fabiane Santana; LUCENA, Lurdes (Org.). A CRISE da democracia brasileira. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017, p.215-232.

SHIROMA, Eneida. GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. CAMPOS, Roselane Fátima. Conversão das “almas” pela liturgia da palavra: uma análise do discurso do movimento Todos pela Educação, p. 222 a 248. In: BALL, Stephen, MAINARDES, Jefferson. (orgs) Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

SOUZA, Ângelo Ricardo de. Reformas educacionais: descentralização, gestão e autonomia escolar. Educar, Curitiba, n. 22, p. 17-49, 2003.

WAISMANN, Moisés; CORSETTI, Berenice. O Banco Mundial e as políticas públicas para o ensino superior no Brasil. Revista Educação Unisinos, v. 3, n. 18, p.331-341, set./dez., 2014. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/4496/449644344013/. Acesso em: 01 dez. 2018.

WORLD BANK. Brasil: aspectos gerais. 2019. Disponível em: https://www.worldbank.org/pt/country/brazil/overview Acesso em: 11 mai. 2019

VALIM, Rafael. Estado de Exceção: a forma jurídica do neoliberalismo. São Paulo: Editora Contracorrente, 2017.

Publicado
2019-05-13
Como Citar
Silva, R. V., & Moreira, J. A. da S. (2019). A EDUCAÇÃO, REFORMAS CURRICULARES E AS PROPOSTAS DO BANCO MUNDIAL NO CONTEXTO PÓS-GOLPE (2016-2018). Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(1), 145-162. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/2975