PEDAGOGIA GRIÔ E EDUCAÇÃO MUSICAL: DIÁLOGOS POSSÍVEIS ENTRE A TRADIÇÃO ORAL E A TRADIÇÃO ESCRITA

  • Lindiane de Santana Universidade Federal de Sergipe
  • Marizete Lucini Universidade Federal de Sergipe/Doutora em Educação
Palavras-chave: Pedagogia Griô, Educação Musical, Tradição Oral

Resumo

Neste artigo tecemos reflexões sobre a Educação Musical e a Pedagogia Griô. Para tanto, partimos de uma narrativa que nos possibilita refletir sobre os encontros e desencontros entre os conhecimentos da Tradição Oral e da Tradição Escrita. Apresentamos a Pedagogia Griô como possibilidade para pensar, conceituar, aprender, ensinar e vivenciar música através da Tradição Oral, percorrendo caminhos híbridos que promovem o encontro da Educação Musical com a Ancestralidade/Identidade, com o Diálogo, com a Vivência e por fim, com a Tradição Oral. Concluímos com indicativos para pensar a Pedagogia Griô como uma das fissuras possíveis para a descolonização do saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marizete Lucini, Universidade Federal de Sergipe/Doutora em Educação

Professora no Programa de Pós-graduação em Educação. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, História e Interculturalidade. 

Referências

ANDRADE, Edson; FONSECA, João Gabriel Marques. Artista-atleta: reflexões sobre a utilização do corpo na performance dos instrumentos de cordas. Per Musi. Belo Horizonte. UFMG. v. 2, n. 2, p. 118-12, 2000.

ALVES, Rubem. O amor que acende a lua. Campinas: Papirus, 1999.

BISCARO, Barbara. Considerações sobre o corpo musical. Revista Cena. Porto Alegre, n.22, p.177-184, jul/out.2017. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/cena> acesso em 12 Abr. 2019.

BRASIL. Lei 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino de música na educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

DI LUCA, Thiago. Desenvolvimento de competências musicais a partir de práticas corporais criativas no fazer musical em grupo. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Feevale, Novo Hamburgo, 2011.

DUTRA, Henrique Leonardo. Educação e cultura de tradição oral: um encontro com a Pedagogia Griô. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas – SP, 2015.

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. 2 ed. São Paulo: Editora UNESP, Rio de Janeiro: FUNART, 2008.

FRANÇA, Cecília Cavalieri. Por dentro da matriz. Revista ABEM. n.16. Porto Alegre. 2017. P. 83-94.

FREIRE, Marcelino. Contos Negreiros. Record, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GÓMEZ. Maria Cinta Aguaded. La investigación educativa a debate: hacia una nueva forma de investigar. In: FEITOSA, Debora Alves (et al.). O sensível e a sensibilidade na pesquisa em educação. Cruz das Almas/BA: UFRB, 2016. p. 153-170.

HADDAD, Sérgio. Educação de Jovens e Adultos no Brasil (1986-1998). Brasília, MEC/INEP/COMPED, 2002.

HALL, Staurt. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

JACQUES-DALCROZE, Émile. Le rythme, la musique et l’éducation. Lausanne: Foetisch, 1920. Disponível em: <https://archive.org/details/lerythmelamusiqu00jaqu/page/2> acesso em: 05 mar. 2019.

LANGER, Suzanne. Philosophy in a new key: a study in the symbolism of reason, rite and art. London: Harvard University Press, 1942

OLIVEIRA, Eduardo. Epistemologia da ancestralidade. Disponível em: <https://filosofia-africana.weebly.com/uploads/1/3/2/1/13213792/eduardo_oliveira_-_epistemologia_da_ancestralidade.pdf> Acesso em: 08 mar. 2019.

OLIVEIRA, Eduardo. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Gráfica e Editora Popular, 2007.

OLIVEIRA, Paulo de Salles. Cultura e coeducação de gerações. Psicologia USP, 9(2). 1998. p.261-296.

PACHECO, Líllian. Rituais de vínculo e aprendizagem: aula espetáculo e Trilha Griô. Apostilha. 2017.

PACHECO, Líllian. Dossiê Pedagogia Griô: Escritas Griô. In: Revista DIVERSITAS, ano 2, n. 3. (set. 2014/mar. 2015). São Paulo: DIVERSITAS/FFLCH/USP. 2014, p. 22-99.

PACHECO, Líllian. Pedagogia Griô: a reinvenção da roda da vida. Lençóis:

Grãos de Luz e Griô, 2006.

PEREIRA, Luciana de Araújo. Nas trilhas de uma comunidade Quilombola: tradição, oralidade, memória coletiva e identidade. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana – BA, 2014.

QUEIROZ, Luiz Ricardo Silva. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. In: Revista ABEM. Londrina, v.25, n. 39, p. 132-159, 2017.

QUEIROZ, Luiz Ricardo Silva. Educação Musical e etnomusicologia: caminhos, fronteiras e diálogos. Opus, Goiânia, v.16, n.2, p.113-130, dez. 2010.

RIBEIRO, Renato Janine. A democracia. São Paulo: Publifolha, 2001.

ROHDEN, Luiz. Hermenêutica filosófica: entre a linguagem da experiência e a experiência da linguagem, São Leopoldo: Unisinos, 2002.

ROSA, Laila Andressa Cavalcante. Das epistemologias feministas decoloniais ao sagrado feminino em música no Brasil. In: CHÁVEZ, María Luisa de la Garza; BONFIM, Carlos. La música y los mitos: Investigaciones etnomusicológicas. Tuxtla Gutiérrez, Chiapas: UNICACH, UFBA, 2018.

SCHAFER, Murray. Educação Sonora: 100 exercícios de escuta e criação de sons. Melhoramentos, São Paulo, 2009.

SCHAFER, Murray. A afinação do mundo. São Paulo: UNESP, 2001.

SCHAFER, Murray. O ouvido pensante. São Paulo, UNESP, 1991.

SIMÃO, João Paulo. Música corporal e o corpo do som: um estudo dos processos de ensino da percussão corporal do Barbatuques. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas – SP, 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autentica, 1999.

WILLEMS, Edgar. As bases psicológicas da educação musical. Fribourg: Pro Musica, 1970.

WISNIK, José Miguel; ZISKIND, Hélio. O som e o sentido: uma outra história das músicas. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Publicado
2019-05-10
Como Citar
Santana, L. de, & Lucini, M. (2019). PEDAGOGIA GRIÔ E EDUCAÇÃO MUSICAL: DIÁLOGOS POSSÍVEIS ENTRE A TRADIÇÃO ORAL E A TRADIÇÃO ESCRITA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(1), 110-122. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/2934