A HISTÓRIA DE VIDA COMO ALICERCE DA IDENTIDADE DOCENTE: TRAJETÓRIA PESSOAL E PROFISSIONAL DE UMA PROFESSORA

  • Vanessa Helena Seribelli
  • Aline de Souza
  • Cinthia Magda Fernandes Ariosi
  • Ariadne de Sousa Evangelista Universidade Estadual Paulista - UNESP
Palavras-chave: Formação de professores, História de vida, Identidade docente, Carreira docente

Resumo

Este trabalho versa sobre a formação de professores, um campo de investigação bastante explorado nos dias atuais mas com posicionamentos por vezes contraditórios. Nesse sentido, o objetivo desta pesquisa é compreender a trajetória de formação e trabalho de uma professora e como esse processo influenciou na sua identidade docente. A metodologia empregada foi um estudo de caso, na abordagem qualitativa. Como procedimento de coleta de dados foi utilizado a entrevista narrativa. O sujeito da pesquisa é uma professora que atua na educação básica com mais de dez anos de carreira. Os resultados apontam que questões financeiras interferem na escolha e na permanência da carreira e que acúmulo de funções atribuídas ao professor é uma das causas do desânimo em relação a profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline de Souza

Pedagoga e Mestranda em Educação na Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT/UNESP). 

Cinthia Magda Fernandes Ariosi

Professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT/UNESP). 

 

Ariadne de Sousa Evangelista, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutoranda em Educação e Mestre em Educação e Pedagoga pela Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT/UNESP), professora da Prefeitura Municipal de Presidente Prudente e Tutora do curso de Pedagogia Semi-presencial da Universidade Anhanguera - Pólo de Presidente Prudente.

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003.

ANDRÉ, M. Formação de professores: A constituição de um campo de estudos. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, set/dez, p. 174-181, 2010.

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. 3. ed. Brasília: Liber LivroEditora, 2008.

ANDRÉ, M. E. D. de. Perspectivas atuais da pesquisa sobre docência. In: BUENO, Belmira; CATANI, Denice Bárbara; SOUSA, Cynthia Pereira de et al. Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 1997. p. 65-74.

BITTENCOURT, A. B. Sobre o que falam as coisas lá fora: formação continuada dos profissionais da educação: In: FERREIRA, N. S. Formação continuada e gestão da educação. São Paulo: Cortez, 2003.p. 65-93.

BRASIL. Emenda Constitucional Nº 59, de 11 de novembro de 2009. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2009.

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, Portugal, v.16, n. 02, p. 221-236, 2003.

CORTESÃO, L. Ser Professor: um ofício em risco de extinção? São Paulo: Cortez, 2002.

CLANDININ, D. J; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEI/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

CONTRERAS, J. A autonomia dos professores. São Paulo: Cortez, 2012.

DEMARTINI, Z. B. F. Histórias de vida na abordagem de problemas educacionais. Porto, 1988.

DINIZ-PEREIRA. J. E. A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, n. 40, p. 145-154, jul./dez, 2013. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/758/531 Acesso em: 17 mai. 2017.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora, 1997.

FERREIRA, N. S. Formação continuada e gestão da educação no contexto da cultura globalizada. In: FERREIRA, N.S.Formação continuada e gestão da educação. São Paulo: Cortez, 2003. p. 17-42.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GARCÍA, C. M. Estrutura conceptual da formação de professores. In: GARCÍA, C. M. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Ed. 1999, p. 18-46.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S.; ANDRÉ, M. E. D. de A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO/MEC, 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HARGREAVES, A. Ser professor na era da insegurança: In: ADÃO, A.; MARTINS, E. (Org). Os professores: identidades (re) construídas. Lisboa: Edições Universitárias lusófonas, 2004, p. 37-54.

JESUS, S. N. de. Perspectivas para o bem-estar docente: uma lição de síntese. Porto: ASA, 2002.

JOANA. Questionário I. Entrevistadores: Vanessa Helena Seribelli, Aline de Souza, Cinthia Magda Fernandes Ariosi, Ariadne de Sousa Evangelista. Local, 2017. Questionário concedido para pesquisa.

LARROSA BONDIA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Bras. De Educação, n.19, p. 20-28, jan./abr, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782002000100003&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 17 mai. 2017.

LIMA, J. A. O papel de professor nas sociedades contemporâneas. Educação, Sociedade & Cultura, n. 6, p. 47-72, 1996.

LOPES, A. Mal-estar na docência? visões, razões e soluções. Porto: ASA, 2001.

MARIN, A. J. Educação continuada: introdução a uma análise de termos e concepções. Caderno CEDES, n. 36, p. 13-27, 1995.

MOMBERGER, C. D. Formação e socialização: Os ateliês biográficos de projeto. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 359-371, mai./ago, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022006000200011&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 17 mai. 2017.

NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

QUEIROZ, M. I. P. de. Relatos orais: do indivisível ao divisível. In: SIMSON, O. de M. V. Experimentos com histórias de vida: Itália e Brasil. São Paulo: Vértice, 1988, p. 14-43.

REBOLO, F.; BUENO, B. O. O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. Acta Scientiarum. Education, Maringá, v. 36, n. 2, p. 323-331, jul./dez., 2014.

RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência de melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2001.

SCHON, A. S. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (org). Os professores e sua formação. Lisboa, Dom Quixote, 1997, p. 77-92.

SOUZA, E. C. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto) biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Revista do Centro em Educação UFSM, Santa Maria, Rio Grande do Sul, v. 39, n. 1, p. 39-50, jan./abr. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5902/1984644411344. Acesso em: 20 mai. 2017.

ZAINCO, M. A. S. Desafios da universidade contemporânea: O processo de formação continuada dos profissionais da educação. In: FERREIRA, N. S. Formação continuada e gestão da educação. São Paulo: Cortez, 2003. P. 187-217.

Publicado
2019-05-13
Como Citar
Seribelli, V. H., de Souza, A., Ariosi, C. M. F., & Evangelista, A. de S. (2019). A HISTÓRIA DE VIDA COMO ALICERCE DA IDENTIDADE DOCENTE: TRAJETÓRIA PESSOAL E PROFISSIONAL DE UMA PROFESSORA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(1), 173-189. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/2603