ENTRE EMÍLIA E MÔNICA: A INFÂNCIA EM EVIDÊNCIA NO DESENHO ANIMADO BRASILEIRO

  • Fernando Teixeira Luiz UNOESTE
Palavras-chave: Desenho animado, Literatura, Infância

Resumo

O presente artigo faz parte de uma pesquisa maior, intitulada Poéticas do cinema de animação, desenvolvida entre 2014 e 2015. A investigação científica tinha como meta analisar alguns aspectos estéticos e ideológicos de quatro desenhos animados produzidos e comercializados nos últimos setenta anos. Dada a necessidade de recorte do objeto, pretende-se, neste artigo, problematizar somente o processo de representação da criança no desenho animado brasileiro, contemplando um episódio da série O Sítio do picapau Amarelo (2012) e outro da Turma da Mônica (2009). Para tanto, contamos com o apoio dos estudos de Zilberman (1982) acerca dos diferentes modos de abordagem das relações entre adultos e crianças no território da ficção. No que tange à metodologia empregada, optou-se por uma abordagem de natureza qualitativa centrada na análise de documentos, que, no caso, constituem desenhos animados. Em linhas gerais, o estudo sinalizou a presença constante da obra de Maurício de Sousa na história do cinema de animação brasileiro e, no que diz respeito à adaptação da obra de Monteiro Lobato, ressalta-se a projeção de um enredo bastante simplificado se comparado aos livros publicados entre 1921 e 1944, firmando-se como pequenas crônicas do cotidiano das terras de Dona Benta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Teixeira Luiz, UNOESTE
Doutor em Letras e Mestre em Educação. Professor da FACLEPP nos cursos de Pedagogia, Letras e Artes Visuais. Ministra as disciplinas de Literatura Infantil, Juvenil, Semiótica e Teoria da Literatura. Pesquisador na área de Literatura Infantil e Cinema de Animação.

Referências

BAMBERGER, R. Como incentivar o hábito de leitura. São Paulo: Ática, 1987.

BARRIE, J. Peter Pan. Rio de Janeiro: Editora Pequena Zahar, 2013. (primeira edição em 1902)

CARVALHO, B. V. Literatura Infantil: visão histórica e crítica. São Paulo: Global: 1984.

LAJOLO, M.; ZILBERMAN, R. Literatura Infantil Brasileira: História e Histórias. São Paulo: Ática, 1998.

LOBATO, M. Obras Completas. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1972 [primeira edição em 1931].

LUIZ, F. T. Reinações na Jecatatuásia: aspectos estético sociológicos da arte segundo Monteiro Lobato. 2009. Tese (Doutorado em Literatura e Vida Social). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis.

MACHADO, A. M. Contracorrente: Conversas sobre leitura e literatura. São Paulo: Ática, 1999.

MARCHIORI, E. Tela Grande. Revista Mundo dos Super-Heróis. São Paulo: Editora Europa, 2011.

MELO, J. B. Lanterna Mágica: infância e cinema infantil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

MORENO, A. A experiência brasileira no cinema de animação. São Paulo: Arte Nova, 1978.

REY, M. O roteirista profissional. São Paulo: Ática, 1989.

SANDRONI, L. De Lobato à Década de 70. In: SERRA, E. 30 Anos de Literatura para Crianças e Jovens: Algumas Leituras. São Paulo: Mercado Aberto, 1998.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo. Cortez, 2007.

VASCONCELLOS, Z. M. C. O universo mágico da obra infantil de Monteiro Lobato. São Paulo: Editora Traço, 1982.

YAZLLE, S. C. L. Vozes da Criança: o discurso de auto-afirmação na literatura infantil de Ana Maria Machado. 2008. Tese (Doutorado em Literatura e Vida Social). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista.

YUNES, E. Presença de Monteiro Lobato. Rio de Janeiro: Divulgação e Pesquisa, 1982.

ZILBERMAN, R. A Literatura Infantil na Escola. São Paulo: Global Editora, 1982.

Publicado
2019-05-09
Como Citar
Luiz, F. T. (2019). ENTRE EMÍLIA E MÔNICA: A INFÂNCIA EM EVIDÊNCIA NO DESENHO ANIMADO BRASILEIRO. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(1), 99-109. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/2540