DIRETRIZES POLÍTICAS PARA O PERFIL DE PROFESSORES NO CONTEXTO DA REFORMA DO ESTADO: UMA ANÁLISE DAS RECOMENDAÇÕES DA UNESCO

Autores

  • Carlos Vinicius Ramos Universidade Estadual de Maringá
  • Jani Alves da Silva Moreira Universidade Estadual de Maringá

Palavras-chave:

Políticas para formação de professores. Reforma do Estado. Educação. Profissionalismo docente. Unesco.

Resumo

O objetivo do texto é analisar e identificar quais as recomendações advindas da Organização das Nações Unidas Para a Educação a Ciência e a Cultura (UNESCO) para a configuração da profissão de professor, a partir da reforma do Estado na década de 1990, a fim de evidenciar o perfil e o modelo que se consolidaram para esta profissão no Brasil. Verifica-se recomendações, especificamente, os discursos utilizados e os objetivos destes pronunciamentos pela análise documental de relatórios divulgados pela Unesco. A pesquisa contribuiu para que entendamos de que forma as consequências da reforma do Estado passaram a influenciar como os professores devem trabalhar por meio da otimização de investimentos a fim de serem mais produtivos e gerarem resultados eficazes no processo escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Vinicius Ramos, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Educação no Programa de Pós-graduação em Educação (PPE) da Universidade Estadual de Maringá e bolsista da CAPES ou CNPq, graduado em Geografia (UEM).

Jani Alves da Silva Moreira, Universidade Estadual de Maringá

Professora Adjunta do Departamento de Teoria e Prática Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá. Líder do Grupo de estudos e pesquisa em políticas educacionais, financiamento e gestão da educação - GEPEFI/CNPq.

Publicado

2018-05-23

Como Citar

Ramos, C. V., & Moreira, J. A. da S. (2018). DIRETRIZES POLÍTICAS PARA O PERFIL DE PROFESSORES NO CONTEXTO DA REFORMA DO ESTADO: UMA ANÁLISE DAS RECOMENDAÇÕES DA UNESCO. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 15(1), 56-67. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/2129