QUALIDADE NO ATENDIMENTO COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE: ESTUDO REALIZADO EM UMA MICROEMPRESA FAMILIAR DO RAMO DE CONFECÇÕES DE LUPIONÓPOLIS-PR

Autores

  • Thais Rubia Ferreira Lepre Unoeste
  • Érica Aparecida do Nascimento Crão
  • Sandra Severiano Moreira

Palavras-chave:

Microempresa Familiar, Marketing, Qualidade no Atendimento, Fidelização.

Resumo

as microempresas familiares precisam obter excelência no serviço, já que competem com organizações de grande porte, um diferencial é oferecer qualidade no atendimento, com objetivo de fidelizar os clientes e ainda destacar-se dos concorrentes. Sendo assim esta pesquisa é de suma importância para qualquer microempresa familiar, contribuindo com informações valiosas no difícil caminho de fidelização dos seus clientes. Além disso, também beneficiará microempresários, ajudando-os a compreender que um bom atendimento pode ser um diferencial competitivo, capaz de alavancar as suas vendas. Dessa maneira, o objetivo desta pesquisa recai em analisar o estado atual do atendimento de uma microempresa familiar, do ramo de confecções, situada na cidade de Lupionópolis-PR e propor formas de torná-la mais competitiva através do melhoramento das relações com o cliente. Quanto à metodologia, a pesquisa foi realizada através de abordagem qualitativa, tendo o estudo de caso como método condutor e a pesquisa bibliográfica, aliada a questionário e entrevista como instrumento de coleta de dados. Constatou-se com esta análise, que a implementação de banco de dados, pós venda, e treinamento dentro da empresa é capaz de melhorar o relacionamento com os clientes, fazendo com que a empresa obtenha excelência no atendimento, tornando-se mais competitiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2016-09-21

Como Citar

Ferreira Lepre, T. R., Crão, Érica A. do N., & Moreira, S. S. (2016). QUALIDADE NO ATENDIMENTO COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE: ESTUDO REALIZADO EM UMA MICROEMPRESA FAMILIAR DO RAMO DE CONFECÇÕES DE LUPIONÓPOLIS-PR. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 13(2), 95-108. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/1242