ANÁLISE COMPARATIVA DOS MODOS E FREQUENCIAS NATURAIS DE VIBRAÇÃO DE VIGAS ENGASTADA LIVRE E BI-ENGASTADA SUJEITAS À OSCILAÇÕES LIVRES

  • Cassio Fabian Sarquis de Campos
  • Daniele Araújo Altran Universidade do Oeste Paulista – Unoeste
  • Gustavo Figueiredo Formagio Universidade do Oeste Paulista – Unoeste

Resumo

O estudo da dinâmica de estruturas rígidas ou flexíveis sob a ação de forças externas, tais como, ondas regulares marítimas, ventos, vibrações mecânicas externas de qualquer ordem, é de extrema importância para a prevenção de possíveis problemas estruturais, sendo, por exemplo, trincas, deslocamentos, rupturas parciais ou totais dessas estruturas. Este trabalho teve como objetivo realizar a modelagem teórica e computacional de duas vigas idênticas sendo uma do tipo engastada livre e a outra bi engastada, de modo a obter a exibir representações gráficas de seus quatro primeiros modos naturais de vibrações e suas respectivas frequências naturais. O estudo realizado foi mediado pela modelagem computacional dos modos naturais de vibração para cada viga. A modelagem teórica do comportamento de cada viga ao longo de seu comprimento bem como os valores das frequências naturais de vibração seguiu o método dos modos assumidos. O recurso computacional utilizado para exibir os modos de vibração ao longo do comprimento de cada viga foi o software Matlab®. Este trabalho proporcionou o conhecimento matemático de modelagem dinâmica de estruturas com vínculos diferentes. Observou-se que as frequências naturais da viga bi engastada para os quatro modos de vibração foram maiores que as frequências da viga engastada livre devido sua limitação da vibração pelo segundo engaste.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-02-28
Como Citar
Fabian Sarquis de Campos, C., Araújo Altran, D., & Figueiredo Formagio, G. (2019). ANÁLISE COMPARATIVA DOS MODOS E FREQUENCIAS NATURAIS DE VIBRAÇÃO DE VIGAS ENGASTADA LIVRE E BI-ENGASTADA SUJEITAS À OSCILAÇÕES LIVRES. Colloquium Exactarum. ISSN: 2178-8332, 10(4), 18-27. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ce/article/view/2756