CORRELAÇÃO DA MORFOLOGIA ESPERMÁTICA EM PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONVENCIONAL EM NOVILHAS E VACAS DA RAÇA NELORE

  • José de Oliveira Guerra Neto UNOESTE
  • Marcelo George Mungai Chacur UNOESTE
  • Francielle Alves Caldato
  • Aline Aparecida da Silva
  • Caliê Castilho UNOESTE
Palavras-chave: Inseminação artificial convencional, touro, sêmen.

Resumo

O número de doses por prenhez dá um indício da fertilidade da vaca, do sêmen e da qualidade da técnica de inseminação. Portanto, o objetivo deste estudo foi verificar a relação entre a avaliação física e morfológica de sêmen criopreservado em Central com a quantidade de doses utilizadas por prenhez. Quatro touros da raça Nelore foram desafiados em 557 novilhas e 1 touro Red Angus em 156 vacas, ambas da raça Nelore. Para número de doses inseminantes necessárias por prenhez, houve tendência a correlação significativa com quantidade de patologias menores (0,053; P>0,05), não havendo correlação significativa entre motilidade espermática (0,433; P>0,05), vigor espermático (0,932; P>0,05), concentração (0,111; P>0,05), numero de espermatozóides viáveis (0,637; P>0,05), percentagem de patologias maiores (1; P>0,05) e percentagem de patologias totais (0,623; P>0,05). Para percentual de prenhez, não houve correlação significativa com motilidade espermática (0,218; P>0,05), vigor espermático (0,252; P>0,05), concentração espermática (1; P>0,05), número de espermatozóides viáveis (0,637; P>0,05), percentagem de patologias maiores (0,395; P>0,05), percentagem de patologias menores (0,740; P>0,05) e percentagem de patologias totais (0,872; P>0,05). Para outros parâmetros, houve correlação significativa de motilidade espermática e vigor (0,041; P<0,05), e motilidade espermática e numero de espermatozóides viáveis (0,042; P<0,05). Concluímos no presente trabalho que não houve correlação significativa entre os parâmetros avaliados no sêmen pós-descongelamento, quantidade de doses inseminantes por prenhez e percentagem de prenhez pela quantidade de doses utilizadas. Havendo apenas correlação significativa entre motilidade espermática e vigor espermático, bem como motilidade espermática e percentagem de espermatozóides viáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José de Oliveira Guerra Neto, UNOESTE
Discente Medicina veterinária
Marcelo George Mungai Chacur, UNOESTE
Docente Mestrado em Ciência Animal e Medicina Veterinária
Caliê Castilho, UNOESTE
Docente Mestrado em Ciência Animal e Medicina Veterinária
Publicado
2013-03-27
Como Citar
Guerra Neto, J. de O., Chacur, M. G. M., Caldato, F. A., Silva, A. A. da, & Castilho, C. (2013). CORRELAÇÃO DA MORFOLOGIA ESPERMÁTICA EM PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONVENCIONAL EM NOVILHAS E VACAS DA RAÇA NELORE. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 8(2), 57-64. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/697

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)