APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA VEGETAL PARA PADRONIZAÇÃO DE PLANTAS ORNAMENTAIS

Autores

  • Fernanda Kelly Mezzalira Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Dois Vizinhos
  • Betty Cristiane Kuhn Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE

Palavras-chave:

Cultivo in vitro; clonagem; econômia; meristemas; Phalaenopsis., In vitro culture; cloning; economy; meristems; Phalaenopsis.

Resumo

A biotecnologia vegetal é uma área de elevada importância, uma vez que tem a função de obter organismos vegetais com características superiores aos já existentes no mercado. A clonagem é uma das ferramentas que podem ser utilizadas para essa função, através dela, seleciona-se organismos com características de interesse e realiza-se a multiplicação deste individuo, garantindo que as plantas regeneradas sejam geneticamente idênticas a matriz desejada, estabelecendo uma padronização. Sabendo que o setor de plantas ornamentais contribui de maneira expressiva com a economia e dentre as plantas ornamentais de mais estima entre os brasileiros, encontram-se as orquídeas, que vem adquirindo visibilidade cultural e um grande número de colecionadores nos últimos anos. O objetivo, do presente trabalho, foi estabelecer um protocolo de assepsia eficiente para meristemas laterais e obtenção de clones da orquídea do gênero Phalaenopsis. Para metodologia, visando a padronização de um protocolo de assepsia, foram elaborados e testados 4 tratamentos que possuíam diferentes combinações (concentração x tempo) de agentes como o hipoclorito de sódio, álcool, cobre, tween e lavagem dos explantes com água destilada estéril para meristemas laterais da orquídea de gênero Phalaenopsis. Os meristemas, também conhecidos como gemas laterais, foram retirados do caule das plântulas, de suas hastes florais. Quanto a obtenção de clones, o experimento realizado consistia na inoculação dos meristemas, após processo de assepsia, em meios de cultura Knudson, contendo diferentes combinações de reguladores de crescimento, sendo utilizado uma auxina e citocinina. Os resultados obtidos mostram que, nenhum tratamento para assepsia testados neste trabalho, apresentaram resultados significativos e positivos, deste modo não foi possível estabelecer, ainda, um protocolo de assepsia para meristemas laterais de orquídeas do gênero Phalaenopsis. Uma vez que todos os meristemas sofreram contaminação e oxidação. Logo, ainda não foi possível obter clones, por essa metodologia. Este trabalho serve como base inicial, para futuras pesquisas, referente a clonagem através de meristemas em Phalaenopsis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, G.; PASQUAL, A.; VILLA, M.; et al. Água de coco e polpa de banana no cultivo in vitro de plântulas de orquídea. Revista Ceres, v. 53, n. 310, p. 608-613, 2006.

BARROS, F. et al. Checklist of the Orchidaceae from the state of Mato Grosso do Sul, Brazil. Iheringia - Serie Botanica, v. 73, p. 287–296, 2018.

COSTA, M. A. P. de C.; et. al. Micropropagação de orquídea. In: JUNGHANS, T. G.; SOUZA, A. da S. (Ed.). Aspectos Práticos da Micropropagação de Plantas. 2. ed. Brasília - DF: Embrapa, 2013, p. 373-392.

CHAER, L. Estudo para o estabelecimento de uma nova estratégia de clonagem in vitro de Cattleya e Cymbidium (Orchidaceae) por meio da utilização de gemas laterais de caules estiolados. 2012. 120 f. Dissertação (mestrado) – Área de botânica. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

DRONK, A. G. Meios de cultura e condições de luminosidade para cultivo in vitro de Cattleya amethystoglossa. 2004. 45f. Tese (mestrado) – Área de botânica. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2004.

FALEIRO, F. G.; ANDRADE, S. R. M. Biotecnologia: estado da arte e aplicações na agropecuária. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 730 p., 2011.

FRANCESCHI, C. R. B. Conservação de sementes e micropropagação de orquídeas da mata atlântica utilizando a técnica “thin cell layer”. 2013. 112f. Tese (Mestrado) Área de botânica- Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2013.

Gorontalo. Britannica Academic, Encyclopædia Britannica, 4 Mai. 2012. academic-eb-britannica.ez48.periodicos.capes.gov.br/levels/collegiate/article/Gorontalo/488104. Acessado 12/05/20.

Hawaii. Britannica Academic, Encyclopædia Britannica, 2 Fev. 2017. academic-eb-britannica.ez48.periodicos.capes.gov.br/levels/collegiate/article/Hawaii/39594. Acessado 12/05/20.

KERBAUY, G. B.; CHAER, L. Micropropagação comercial de orquídeas: Conquistas, desafios e perspectivas. In: Gerald, L. T. S. Biofábrica de plantas: produção industrial de plantas in vitro. São Paulo: Antiqua, p. 178-205, 2011.

KOSIR, P.; SKOF, S.; LUTHAR, Z. Direct shoot regeneration fron nodes of Phalaenopsis orchids. Acta Agriculturae Slovenica, v. 83, n. 2, p. 233-242, 2004.

KNUDSON, L. A new nutrient solution for the germination of orchid seed. American Orchid Society Bulletin, v. 14, n. 2, p.214- 217, 1946.

LEE, L. L. Biofábrica de Phalaenopsis. In: Lee TSG (Ed.) Biofábrica de plantas: Produção industrial de plantas in vitro. São Paulo, Antiqua. p.150-175. 2011.

LYNDON, R. F. Plant Development – The Cellular basis. Cambridge: University Press, 1990.

MAYER, J. L. S.; CARDOSO-GUSTAVSON, P.; APPEZZATO-DA-GLÓRIA, B. Colleters in monocots: new record for Orchidaceae”. Flora Elsevier, vol. 206 (3), 2011.

MAYER, J. L. S; STANCATO, G. C.; APPEZZATO-DA-GLÓRIA, B. Direct regeneration of Protocorm-Like Bodies (PLBs) in leaf apex of Oncidium flexuosum Sims (Orchidaceae)”. Plant Cell, Tissue and Organ Culture, v. 103, p. 411-416, 2010.

MEZZALIRA, F. K.; KUHN, B. C. Uso de ferramentas da bioinformática para determinação dos possíveis efeitos do β-caroteno no cultivo in vitro de Phalaenopsis. Colloquium Agrariae, v. 16, n. 2, p. 101-113, 2020.

MEZZALIRA, F. K.; KUHN, B. C. Cultivo de Phalaenopsis hybrida. XXIII SICITE - Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica. Apucarana-PR, 2018.

MINAMIGUCHI, J; NETO, M. Embriogênese somática direta em folhas de Phalaenopsis: Orchidaceae. Colloquium Agrarie, v. 3, n. 1, p. 7-13, 2007.

MURASHIGE, T., SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum, v. 15 p. 473497, 1962.

NETO, A. A. .C; SILVA, P. P. A. Recursos genéticos vegetais: aplicações do cultivo in vitro. VII Botânica no Inverno 2017 – São Paulo: Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, Departamento de Botânica, p. 332, 2017.

PAULIQUEVIS, M. Mercado de flores sobrevive à crise. Estado de Minas: Economia, 2017. Disponível em:< https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2017/08/25/internas_economia,895049/mercado-de-flores-sobrevive-a-crise.shtml>. Acesso em: 25/10/2019.

ROYAL FLORA HOLLAND. Annual report 2018: Top 5 Kamerplanten. Disponível em: <http://annualreport.royalfloraholland.com/?_ga=2.32929982.1210685090.153704586-565804113.1537704586#/feiten-en-cijfers/kamerplanten?_k=i558by>. Acesso em: 22/04/2019.

SEBRAE. Flores e plantas ornamentais do Brasil: série estudos mercadológicos. Vol. 1, Brasília/DF, 2015.

SOCCOL, J. J. Rosas, orquídeas, hortênsias e campânula – pesquisas e possibilidades de inovação avaliadas em Lages-SC e em Arujá – SP. 2013. 64f. Relatório de Estágio, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-SC, 2013.

SCHOENMAKER, K. Boletim Informativo Ibraflor. v. 81, 2017.

TAKUHARA, K.; MII, M. Micropropagation of Phalaenopsis and Doritaenopsis by culturing shoot tips of flower atalk buds. Plant Cell Reports, v. 13, p. 7-11, 1993.

ULISSES, C.; et al. Indução e histologia de embriões somáticos primários e secundários do híbrido Phalaenopsis classic spotted pink (Orchidaceae). Acta biológica colombiana, v. 21, n. 3, p. 571-580, 2016.

Vacin, E; Went, F. W. Some pH changes in nutrient solution. Bottanical Gazette, v. 110, p. 605-613, 1949.

ZAHARA, M; et. al. The Effects of Different Media, Sucrose Concentrations and Natural Additives on Plantlet Growth of Phalaenopsis Hybrid ‘Pink’. Brazilian Archives of Biology and Technology. v.60: el160149, Jan/Dez 2017.

Downloads

Publicado

2021-03-08

Como Citar

Mezzalira, F. K., & Kuhn, B. C. (2021). APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA VEGETAL PARA PADRONIZAÇÃO DE PLANTAS ORNAMENTAIS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 17(1), 10–17. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3515