VEGETATIVE DEVELOPMENT OF VINE ROOTSTOCK CULTIVARS IN BRAZILIAN CERRADO CONDITIONS

Autores

  • Luiz Fernandes Cardoso Campos Universidade Federal de Goiás
  • Eduardo Pradi Vendruscolo Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Sávio Rosa Correia Universidade Federal de Goiás
  • Camila Meira de Abreu Campos Universidade Estadual de Goiás
  • Adriana Teramoto Universidade Federal de Goiás
  • Mara Fernandes Moura Instituto Agronômico de Campinas
  • Alexsander Seleguini Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Palavras-chave:

Taxa de crescimento; viticultura tropical; Vitis spp.

Resumo

No Estado de Goiás são escassos os estudos relacionados às respostas da videira às condições edafoclimáticas da região. Portanto, objetivou-se com este trabalho avaliar o crescimento de três cultivares porta-enxerto de videira, IAC 572 ‘Jales’, IAC 313 ‘Tropical’ e IAC 766 ‘Campinas’, na região de Goiânia, GO, após poda drástica para uniformização. Para avaliar o crescimento dos porta-enxertos, o experimento foi realizado em blocos ao acaso, em esquema fatorial duplo (3x7), com cinco repetições, cada repetição formada por uma planta. O primeiro fator consistiu em três porta-enxertos: IAC 313 ‘Tropical’, IAC 572 ‘Jales’ e IAC 766 ‘Campinas’. As plantas foram avaliadas a partir de 45 dias após uma poda drástica de uniformização, totalizando sete avaliações (45, 60, 75, 90, 105, 120, 135 dias após a poda), sendo este o segundo fator. Foram avaliados o diâmetro do ramo principal à altura de enxertia (80 cm), e comprimento do ramo principal. De posse dos dados do diâmetro e comprimento do ramo principal, calculou-se a taxa de crescimento absoluto. O cultivar porta-enxerto IAC 572 ‘Jales’ apresenta maior vigor para crescimento de ramo, sendo em comprimento 69% e 47,3% superior, e em diâmetro 49,8% e 18,8% superior aos porta-enxertos IAC 313 ‘Tropical’’ e ‘IAC 766 ‘Campinas’, respectivamente. A cultivar porta-enxerto IAC 766 ‘Campinas’ embora, tenha vigor baixo em crescimento de ramo, apresenta desenvolvimento satisfatório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMANÇA, A. M.; LERIN, S.; CAVALCANTI, F. R. Doenças da videira. Informe agropecuário, Belo Horizonte, v. 36, n. 289, p. 70-80, 2015.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. http://dx.doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

CAMPOS, L. F. C.; ALVES JR., J.; CAMPOS, C. M. A.; CASAROLI, D.; EVANGELISTA, A. W. P.; SELEGUINI, A. Sistema radicular do porta-enxerto IAC 572 ‘jales’ sob Niágara Rosada nas condições do cerrado goiano. Irriga, Botucatu, v. 22, n. 4, p. 723-734, 2017. https://doi.org/10.15809/irriga.2017v22n4p723-734

CARDOSO, M. R. D.; MARCUZZO, F. F. N.; BARROS, J. R. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica, Boa Vista, v. 8, n. 16, p. 40-55, 2014. http://dx.doi.org/10.5654/acta.v8i16.1384

HERNANDES, J. L.; MARTINS, F. P. Importância do uso de porta-enxertos na viticultura. In: Bueno, S. C. S. (Org.). Vinhedo Paulista. Campinas: Coordenadoria de Assintência Técnica Integral – CATI, 2010. p. 125-129.

LEÃO, P. C. S.; BRANDÃO, E. O.; GONÇALVES, N. P. S. Produção e qualidade de uvas de mesa ‘Sugraone’ sobre diferentes porta-enxertos no Submédio do Vale do São Francisco. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 9, p.1526-1531, 2011. https://doi.org/10.1590/S0103-84782011000900006

LEÃO, P.C.S.; SOARES, J.M. Implantação do vinhedo. In: SOARES, J.M.; LEÃO, P.C.S. (Ed.). A viticultura no semiárido brasileiro. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, Petrolina: Embrapa Semiárido, 2009. p. 257-291.

MAIA, J. D. G.; CAMARGO, U. A. Implantação do vinhedo. In: MAIA, J. D. G.; CAMARGO, U. A. (Eds). O cultivo da videira Niágara no Brasil. Brasília: Embrapa, 2012. p. 33-79.

NAVES, R.L.; GARRIDO, L.R.; SÔNEGO, O.R.; MÁRIO FOCHESATO, M. Antracnose da videira: sintomatologia, epidemiologia e controle. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, 2006. 32p. (Circular Técnica, 69).

POMMER, C. V. Cultivares de uva produzidos ou introduzidos pelo IAC. In: BOLIANE, A. C.; CORRÊA, L. S. (Eds.). Cultura de uvas de mesa: do plantio à comercialização. Ilha Solteria: UNESP; FAESP, 2001. 328 p.

SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. Á.; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A.; CUNHA, T. J. F.; OLIVEIRA, J. B. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3 ed. Brasília: Embrapa, 2013. 353 p.

SILVA, L. C.; MACÊDO, N. E.; AMORIM NETO, M. S. Análise do crescimento de comunidades vegetais. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2000. 18p. (Circular Técnica, 34)

SILVA, M. J. R.; TECCHIO, M. A.; MOURA, M. F.; BRUNELLI, L. T.; IMAIZUMI, V. M.; VENTURINI FILHO, W. G. Composição físico-química do mosto e do vinho branco de cultivares de videiras em resposta a porta-enxertos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 50, n. 11, p. 1105-1113, 2015. https://doi.org/10.1590/S0100-204X2015001100014

SILVA, M. J. R.; VEDOATO, B. T. F.; LIMA, G. P. P.; MOURA, M. F.; COSER, G. M. A. G.; WATANABE, C. Y.; TECCHIO, M. A. Phenolic compounds and antioxidant activity of red and white grapes on different rootstocks. African Journal of Biotechnology, v. 16, n. 13, p. 664-671, 2017. https://doi.org/10.5897/AJB2016.15837

SILVA, T. P.; PIO, R.; SALIBE, A. B.; DALASTRA, I. M.; STANGARLIN, J. R.; KUHN, O. J. Avaliação de porta-enxertos de videira em condições subtropicais. Bragantia, Campinas, v. 69, n. 1, pp. 93-97, 2010. https://doi.org/10.1590/S0006-87052010000100013

SOUSA, D. M. G.; LOBATO, E. Eds. Cerrado: Correção do solo e adubação. Planaltina, Embrapa Cerrados, 2004. 416p

SOUZA, E. R.; RIBEIRO, V. G.; MENDONÇA, O. R.; SANTOS, A. S.; SANTOS, M. A. C. Comprimentos de estacas e AIB na formação de porta-enxertos de videira ‘Harmony’ e ‘Campinas’. Revista Brasileira de Tecnologia Aplicada nas Ciências Agrárias, Guarapuava, v. 5, n. 2, p. 19-32, 2012. https://doi.org/10.5777/paet.v5i2.1584

SOUZA, J. S. I., MARTINS, F. P. Viticultura Brasileira: principais variedades e suas Características. Piracicaba, FEALQ, 2002. 368 p.

TECCHIO, M. A, SILVA, M. J. R., SÁNCHEZ, C.A.P.C, WATANABE, C.Y., MOURA, M. F., LEONEL, S., PIMENTEL-JÚNIOR, A. The influences of rootstock and pruning seasons on productive and physicochemical traits of ‘Niagara Rosada’ grape. Australian Journal of Crop Science, n. 13, v. 7, p. 1211-1214, 2019. https://doi.org/10.21475/ajcs.19.13.07.p2044

TERRA, M. M.; POMMER, C. V.; PIRES, E. J. P.; RIBEIRO, I. J. A.; GALLO, P. B.; PASSOS, I. R. S. Produtividade de cultivares de uvas para suco sobre diferentes porta-enxertos IAC em Mococa-SP. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 23, n. 2, p. 382-386, 2001. https://doi.org/10.1590/S0100-29452001000200037

Publicado

2020-07-28

Como Citar

Campos, L. F. C., Vendruscolo, E. P. ., Correia, S. R. ., Campos, C. M. de A., Teramoto, A. ., Moura, M. F. ., & Seleguini, A. . (2020). VEGETATIVE DEVELOPMENT OF VINE ROOTSTOCK CULTIVARS IN BRAZILIAN CERRADO CONDITIONS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 16(4), 121-129. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3465

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##