APLICAÇÃO FOLIAR DE PROLINA NO CRESCIMENTO E FISIOLOGIA DO MILHO VERDE CULTIVADO EM SOLO SALINIZADO

Autores

  • Francisco d de Assis da Silva Universidade Federal de Campina Grande
  • Francisco Hevilasio Freire Pereira UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
  • José Eustáquio Campos Junior ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ
  • Jackson Silva Nobrega Universidade Federal da Paraíba
  • Mirandy dos Santos Dias Universidade Federal de Campina Grande

Palavras-chave:

aminoácido; trocas gasosas; Zea mays L.

Resumo

 O milho (Zea mays L.) é uma das culturas mais cultivadas no mundo. No Brasil, este cereal tem ampla diversidade de uso. A maioria das áreas onde há produção de milho, utiliza-se a irrigação, entretanto, quando realizada de forma inadequada, torna-se preponderante para a salinização dos solos. Assim, objetivou-se avaliar, o efeito da aplicação foliar de prolina no crescimento e fisiologia da cultura do milho cultivado em solo salinizado. O experimento foi conduzido no Centro de Ciência e Tecnologia Agroalimentar (CCTA), pertencente à Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Pombal, PB, no período de março a abril de 2015, utilizando-se a variedade de milho AG 1051. Os tratamentos foram constituídos por dois níveis de salinidade do solo, (CE= 3,26 e 0,86 dS/m) e cinco concentrações de prolina (0; 2,5; 5,0; 7,5 e 10 mmol L-¹) aplicada via foliar nas plantas de milho. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, no esquema fatorial 2 x 5, com quatro repetições. Foi observado um maior crescimento e acúmulo de massa quando as plantas foram conduzidas em solo de menor salinidade (CE= 0,86 dS/m).  A transpiração foi influenciada pela salinidade e pela concentração de prolina. A maior taxa de concentração intercelular de CO2 (Ci) foi obtida na concentração de 7,5 mmol L-¹ prolina. As concentrações de prolina não influenciaram nos aspectos de crescimento e acúmulo de massa do milho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Hevilasio Freire Pereira, UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

PROFESSOR DO CURSO DE AGRONOMIA, CCTA/UFCG

 

José Eustáquio Campos Junior, ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ

ALUNO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA/ ESALQ

Jackson Silva Nobrega, Universidade Federal da Paraíba

Aluno do doutorado no programa de pós graduação em Agronomia, CCA/UFPB

Mirandy dos Santos Dias, Universidade Federal de Campina Grande

Aluno de mestrado no programa de Pós Graduação em Engenharia Agrícola

Referências

ABDELGAWAD, H.; ZINTA, G.; HEGAB, M.M.; PANDEY, R.; ASARD, H.; ABUELSOUD, W. High salinity induces different oxidative stress and antioxidant responses in maize seedlings organs. Frontiers in Plant Science, v.7, art. 276, 2016.
ASHRAF, M., AKRAM, N. A., ALQURAINY, F.; FOOLAD, M. R. Drought tolerance: roles of organic osmolytes, growth regulators, and mineral nutrients. Advances in Agronomy, v.1, n.11 p.249-296, 2011.
ASHRAF, M.; FOOLAD, M.R. Roles of glycine bataine and praline in improving plant abiotic stress resistence. Enviromental and Experimental Botany, Kidlington, v.59, n.2, p.2006-2016, 2007.
AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. 2.ed. Campina Grande: UFPB, 1999. 153p. Estudos FAO, Irrigação e Drenagem, 29.
BAYUELO JIMÉNEZ, J. S.; JASSO PLATA, N.; OCHOA, I. Growth and Physiological Responses of Phaseolus Species to salinity Stress. International Journal of Agronomy. 2012.
CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos: v.5 - Safra 2017/18, n.4, 4º levantamento. Brasília, 2018.132p.
D'ODORICO, P.; BHATTACHAN, A.; DAVIS, K.F.; RAVI, S.; RUNYAN, C.W. Global desertification: Drivers and feedbacks. Advances in Water Resources, v.51, p.326- 344, 2013.
FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. Statistical databases- production , 2005.
FEIJÃO, A.R.; SILVA, J. C.B; MARQUES, E. C.; PRISCO, J. T.; GOMES FILHO, E. Efeito da nutrição de nitrato na tolerância de plantas de sorgo sudão à salinidade. Revista Ciência Agronômica, v. 42, n.3, p. 675-683, 2011.
GALVÃO, J.C.C.; MIRANDA, G.V.; TROGELLO, E.; FRITSCHE-NETO, R. Sete décadas de evolução do sistema produtivo da cultura do milho. Revista Ceres, v.61, suplemento, p.819-828, 2014.
GERLAND, P.; RAFTERY, A.E.; SEVCIKOVA, H.; KI, N.; GU, D.; SPOORENBERG, T.; ALKEMA, L.; FOSDICK, B.K.; CHUNN, J.; LALIC, N.; BAY, G.; BUETTNER, T.; HEILIG, G.K.; WILMOTH, J. World population stabilization unlikely this century. Science, v.346, n.6206, p.234-237, 2014.
GOMES, K. R; AMORIM, A. V; FERREIRA, F. J; A FILHO, F. L; LACERDA, C. F; GOMES FILHO, E. Resposta de crescimento e fisiologia do milho submetido a estresse salino com diferentes espaços de cultivos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. V. 15, n.4, p.365 -370, 2011.
GONDIM, F.A.; MIRANDA, R.S.; GOMES-FILHO, E.; PRISCO, J.T. Enhanced salt tolerance in maize plants induced by H2O2 leaf spraying is associated with improved gas exchange rather than with non-enymatic antioxidant system. Theoretical and Experimental Plant Physiology, v.25, n.4, p.251-260, 2013.
ISLÃ, R.; ARAGUÉS, R.Yield and plant ion concentrations in maize (Zea mays L.) subject to diurnal and nocturnal saline sprinkler irrigations. Field Crops Research, v.116, p.175-183, 2010.
JIANG, C.; CUI, Q.; FENG, K.; XU, D.; LI, C.; ZHENG, Q. Melatonin improves antioxidant capacity and ion homeostasis and enhances salt tolerance in maize seedlings. Acta Physiologae Plantarum, v.38, art. 82, 2016.
KUZNETSOV, V.V.; SHEVYAKOVA, N.I. Stress responses of tobacco cells to high temperature and salinity. Proline accumulation and phosphorylation of polypeptides. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v.100, n.2, p.320-326, 1997.
LACERDA, F.H.D. et al. Aplicação exógena de prolina na redução do estresse salino em meloeiro. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 3, p. 218-227, 2012.
LACERDA, F. H. D. Aplicação exógena de prolina no crescimento fisiologia e produção da melancieira irrigada com água salina. 2013. Ano de obtenção. 2013. 39p. Monografia (Curso de Agronomia)- Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar, Pombal-PB, 2013.
LIMA, C.J.G.S. et al. Resposta do feijão caupi a salinidade da água de irrigação. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentavel, v.2, n.2, p.79-86, 2007.
MANE, A. V; DESHPAND, T. V; WAGH, V. B; KARADGE, , B. A; SAMANT, J. S. A. Critical review on physiological changes associed with reference to salinity. International Journal of Environmental Science, v.1, p. 1192 – 1216, 2011.
PITANN, B.; MOHAMED, A.; NEUBERT, A.B.; SCHUBERT S. Tonoplast Na+ / H+ antiporters of newly developed maize (Zea mays L.) hybrids contribute to salt resistance during the second phase of salt stress. Journal of Plant Nutrition and Soil Science, v.176, n.2, p.148–156, 2013.
ROY, D.; BASU, N.; BHUNIA, A.; BANERJEE, S.K. Counteraction of exogenous L- proline with NaCl in salt-sensitive cultivar of rice. Plant Biology, Hobeken, v.35 n. 1 p. 69-72, mar, 1993.
SILVA, J.F.; ALVES, S.S.V.; OLIVEIRA, F.A.; SILVA JUNIOR, M.J.S.; NASCIMENTO, I.B. Uso de águas salinas como alternativa na irrigação e produção de forragem no semiárido nordestino. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.18, suplemento, p.66-72, 2014.
TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I.A.; MURPHY, A. Água e células vegetais. In: Fisiologia e Desenvolvimento Vegetal. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 855p, 2017.
TAVARES FILHO, A.N.; BARROS, M.F.C.; ROLIM, M.M.; SILVA, E.F.F. Incorporação de gesso para correção da salinidade e sodicidade de solos salinos-sódicos. Revista Brasileira de engenharia Agrícola e Ambiental, v.16, n.3, p.247-252, 2012.

Publicado

2020-10-08

Como Citar

Silva, F. d de A. da, Pereira, F. H. F., Campos Junior, J. E., Nobrega, J. S., & Dias, M. dos S. (2020). APLICAÇÃO FOLIAR DE PROLINA NO CRESCIMENTO E FISIOLOGIA DO MILHO VERDE CULTIVADO EM SOLO SALINIZADO. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 16(5), 23-34. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3037

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##