CONTROLE BIOLÓGICO DE Meloidogyne incognita POR ISOLADOS DE ACTINOMICETOS

  • Dérica Gonçalves Tavares Universidade Federal de Lavras/UFLA
  • Jônatas Barros Santos Universidade de Brasília
  • Alberto Nascimento Silva Universidade de Brasília/UNB
  • Heliab Bonfim Nunes Universidade de Brasília/UNB
  • João Luiz Coimbra Universidade do Estado da Bahia/UNEB
Palavras-chave: Controle biológico, Gossypium hirsutum, nematoide das galhas

Resumo

O bioma Cerrado possui grande biodiversidade e também comporta parte da produção agrícola do país sendo utilizado para o cultivo de grandes culturas. A cotonicultura brasileira vem sendo cultivada em alto grau de tecnificação, sendo os principais estados produtores são o Mato Grosso e a Bahia. O nematoide das galhas Meloidogyne incognita pode causar perdas significativas na cultura do algodoeiro, assim como o fungo Sclerotinia sclerotiorum que provoca danos a diversas culturas de importância econômica. Dentre os microrganismos com potencial para controle de fitopatógenos, os actinomicetos são conhecidos pela capacidade de produzir compostos com ação antimicrobiana. Objetivou-se com o presente trabalho isolar e avaliar o potencial antagônico de actinomicetos de solos de área nativa do Cerrado Baiano contra M. incognita e S. sclerotiorum. Foram obtidos 18 isolados de actinomicetos e dentre os isolados testados, AC. O, apresentou o maior percentual de imobilidade com 99,16% e AC. R, mostrou o maior percentual de mortalidade com 72,16% dos J2 de M. incognita. Quando os isolados foram inoculados diretamente na cultura do algodão dois dias antes da inoculação com os nematoides, não foi observado in vivo um controle eficiente de M. incognita no algodoeiro. Entretanto, utilizando o sistema de rotação de cultura com a soja inoculada com os isolados de actinomicetos e sendo cultivada anteriormente a cultura do algodão, foi verificado que o isolado AC. G, mostrou redução significativa no número de galhas e ovos no sistema radicular do algodoeiro. Com relação ao antagonismo das actinobactérias frente a S. sclerotiorum, pelo pareamento de culturas, o isolado AC. M, inibiu 81,99% do crescimento micelial desse fitopatógeno. Os resultados do presente trabalho mostram o potencial de controle dos fitopatógenos testados pelos actinomicetos, visto que grande parte da produção de algodão é encontrada em áreas de Cerrado e esses microrganismos foram isolados desse bioma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dérica Gonçalves Tavares, Universidade Federal de Lavras/UFLA

Departamento de Biologia, Lavras, MG, Brasil.

Doutoranda em Microbiologia Agrícola na Universidade Federal de Lavras - UFLA/MG. 

Mestrado em Microbiologia Agrícola pela Universidade Federal de Lavras - UFLA/MG 

Graduação em Engenharia Agronômica. Universidade do Estado da Bahia - UNEB/BA.

Alberto Nascimento Silva, Universidade de Brasília/UNB

Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária

Programa de Pós-Graduação em Agronomia

Doutorando em Agronomia - Universidade de Brasília/DF

Mestre em Agronomia - Universidade de Brasília/DF

Graduação em Engenharia Agronômica. Universidade do Estado da Bahia - UNEB/BA.

Heliab Bonfim Nunes, Universidade de Brasília/UNB

Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária

Programa de Pós-Graduação em Agronomia

Doutorando em Agronomia - Universidade de Brasília/DF

Mestrado em Microbiologia Agrícola. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, UFRB/BA. 

Graduação em Engenharia Agronômica. Universidade do Estado da Bahia - UNEB/BA.

João Luiz Coimbra, Universidade do Estado da Bahia/UNEB

Professor Titular da Universidade do Estado da Bahia. Departamento de Ciências Humanas - CAMPUS IX. Barreiras/BA.

Mestrado (1998) e doutorado em Fitopatologia pela Universidade Federal de Lavras (2003).

Graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (1994).

Referências

ARAÚJO, A. E. In: Cultura do Algodão no Cerrado. Embrapa Algodão. Sistema de Produção, 2 Versão Eletrônica 2ª edição. Jun/2017. Disponível em:

https://www.spo.cnptia.embrapa.br/conteudo?p_p_id=conteudoportlet_WAR_sistemasdeproducaolf6_1ga1ceportlet&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-2&p_p_col_count=1&p_r_p_-76293187_sistemaProducaoId=7718&p_r_p_-996514994_topicoId=7985 Acesso em: 17 set. 2018.

BENTLEY, S. D.; CHATER, K. F.; CERDEÑO-TÁRRAGA, A. M.; CHALLIS, G. L.; THOMSON, N. R.; JAMES K. D.; HARRIS, D. E.; QUAIL, M. A.; KIESER, H.; HARPER, D.; BATEMAN, A.; BROWN, S.; CHANDRA, G.; CHEN, C. W.; COLLINS, M.; CRONIN, A.; FRASER, A.; GOBLE, A.; HIDALGO, J.; HORNSBY, T.; HOWARTH, S.; HUANG, C. H.; KIESER, T.; LARKE, L.; MURPHY, L.; OLIVER, K.; O'NEIL, S.; RABBINOWITSCH, E.; RAJANDREAM, M. A.; RUTHERFORD, K.; RUTTER, S.; SEEGER, K.; SAUNDERS, D.; SHARP, S.; SQUARES, R.; SQUARES, S.; TAYLOR, K.; WARREN, T.; WIETZORREK, A.; WOODWARD, J.; BARRELL, B. G.; PARKHILL, J.; HOPWOOD, D. A. Complete genome sequence of the model actinomycete Streptomyces coelicolor A3 (2). Nature, v.417, p.141-147, 2002. http://dx.doi.org/10.1038/417141a

BONETI, J. I.; FERRAZ, S. Modificações do método de Hussey e Barker para extração de ovos de Meloidogyne exigua em raízes de cafeeiro. Fitopatologia Brasileira, v.6, p.553, 1981.

CHARTER, K. F., HOPWOOD, D. A. Streptomyces genetics. In: GOODFELLOW, M., MORDARSKI, M., WILLIAMS, S. T. The Biology of the Actinomycetes. Academic Press, London, 1984. p.229-286.

COIMBRA, J. L.; CAMPOS, V. P. Efeito de exsudatos de colônias e de filtrados de culturas de actinomicetos na eclosão, motilidade e mortalidade de juvenis do segundo estádio de Meloidogyne javanica. Fitopatologia Brasileira, v.30, p.232-238, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582005000300003

COIMBRA, J. L.; CAMPOS, V. P. Efeito antagônico de actinomicetos isolados de ervas daninhas e gramíneas na formação de galhas e na reprodução de Meloidogyne javanica em tomateiro. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v.10, n.2, 2010.

CRAWFORD, D. L. Biodegradation of agricultural and urban wastes. In: GOODFELLOW, M.; WILLIANS, S. T.; MORDARSKY, M. Actinomycetes in Biotechnology. San Diego, Wiley Interscience, 1988. p.433-459.

CRAWFORD, D. L.; LYNCH, J. M.; WHIPPS, J. M.; OUSLEY, M. A. Isolation and characterization of actinomycete antagonist of a fungal root pathogen. Applied and environmental microbiology, v.59, n.11, p.3899-3905, 1993. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-289673-6.50015-4

DAMASCENO, J. C. A.; SOARES, A. C. F. Controle por bactérias de nematoides que atacam a cultura do tomate. Cultivar HF, v.11, p.16-18, 2013.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.35, n.6, p.1039-1042, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542011000600001

HUSSEY, R. S.; BARKER, K. R. A comparison of methods for colecting inocula of Meloidogyne spp. including a new technique. Plant Disease Reporter, v.57, p.1025-1028, 1973.

INOMOTO, M. M.; SIQUEIRA, K. M. S.; MACHADO, A. C. Z. Sucessão de cultura sob pivô central para controle de fitonematoides: variação populacional, patogenicidade e estimativa de perdas. Tropical Plant Pathology, v.36, n.3, p.178-185, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1982-56762011000300006

JONATHAN, E.; BARKER, K. R.; ABDEL-ALIM, F. F.; VRAIN, T. C.; DICKSON, D. W. Biological control of Meloidogyne incognita on tomato and banana with rhizobacteria, actinomycetes, and Pasteuria penetrans. Nematropica, v.30, n.2, p.231-240, 2000.

KORN-WENDISCH, F.; KÜTZNER, H. J. The family Streptomycetaceae. In: BALOWS, A.; TRÜPER, H. G.; DWORKIN, M.; SCHULEIFER, K. H. (Eds.). The prokaryotes. 2.ed. New York: Springer-Verlag. 1992. p.921-995.

LIU, X.; BOLLA, K.; ASHFORTH, E. J.; ZHUO, Y.; GAO, H.; HUANG, P.; STANLEY, S. A.; HUNG, D. T.; ZHANG, L. Systematics-guided bioprospecting for bioactive microbial natural products. Antonie Van Leeuwenhoek, v.101, p.55-66, 2012. https://doi.org/10.1007/s10482-011-9671-1

MEDEIROS, J. E.; MARIANO, R. L. R.; PEDROSA, E. M. R.; SILVEIRA, E. B. Inconsistency of the biological control of Meloidogyne incognita race 2 in melon by endophytic and rhizosphere bacteria. Horticultura Brasileira, v.27, n.3, p.319-324, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362009000300010

MELO, I. S. Agentes microbianos de controle de fungos fitopatogênicos. In: MELO, I. S.; AZEVEDO, J. L. Controle biológico. Jaguariúna: Embrapa-CNPMA, 1998. p. 17-67.

SANGLIER, J. J.; WELLINGTON, E. M. H.; BEHAL, V.; FIEDLER, H. P.; GHORBEL, R. E.; FINANCE, C.; HACENE, M.; KAMOUN, A.; KELLY, C.; MERCER, D. K.; PRINZIS, S.; TRIGO, C. Novel bioactive compounds from actinomycetes. Research in Microbiology, v.144. p.661-663. 1993. https://doi.org/10.1016/0923-2508(93)90071-9

SOLTANZADEH, M.; NEJAD, M. S.; BONJAR, G. H. S. Application of soil-borne actinomycetes for biological control against Fusarium wilt of chickpea (Cicer arietinum) caused by Fusarium solani f. sp. pisi. Journal of Phytopathology, v.164, p.967-978, 2016. https://doi.org/10.1111/jph.12517

SOUSA, C. S.; SOARES, A. C. F.; GARRIDO, M. S.; ALMEIDA, G. M. C. O. Estreptomicetos no controle da meloidoginose em mudas de tomateiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.41, n.12, p.1759-1766, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2006001200010

TSAO, P. H.; LEBEN, C.; KEITT, G. W. An enrichment method for isolating actinomycetes that produce diffusible antifungal antibiotics. Phytopathology, v.50, p.88-89, 1960.

Publicado
2019-04-24
Como Citar
Tavares, D., Santos, J., Silva, A., Nunes, H., & Coimbra, J. (2019). CONTROLE BIOLÓGICO DE Meloidogyne incognita POR ISOLADOS DE ACTINOMICETOS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 15(2), 29-36. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/2566