FONTES DE ADUBAÇÃO ORGÂNICA E NÍVEIS SALINOS NO CRESCIMENTO INICIAL DE MARACUJAZEIRO

  • Joseano Graciliano da Silva Universidade Federal de Pelotas
  • Giuliana Naiara Sales Barros Universidade Federal de Campina Grande
  • Reginaldo Gomes Nobre giulianasales@outlook.com
Palavras-chave: ESTERCO, PASSIFLORA EDULIS, SALINIDADE, SUBSTRATO.

Resumo

O maracujazeiro (Passiflora edulis) é uma das frutíferas que mais vem ganhando destaque na fruticultura por ser bastante utilizado na alimentação, na indústria farmacológica e na ornamentação. Seu cultivo na região Nordeste do Brasil apresenta algumas limitações devido ao teor de matéria orgânica do solo e/ou ao uso de água de elevada salinidade em algumas propriedades. Diante disso, objetivou-se avaliar o efeito de diferentes tipos de esterco e a interação com diferentes níveis salinos da água de irrigação. Foram empregados três tipos de esterco (bovino, caprino e de aves) e cinco níveis salinos (0,3; 1,3; 2,3; 3,3; 4,3 dS m-1) e delineamento fatorial em blocos casualizados com quatro repetições e uma planta por repetição. Os dados foram analisados através do programa estatístico Sisvar 5.3. Concluiu-se que não houve interação entre os tipos de esterco e os níveis salinos, contudo, o esterco caprino favoreceu o crescimento das mudas de maracujazeiro amarelo. Por outro lado, o aumento nos níveis salinos prejudicou o crescimento de todas as variáveis até os 60 DAS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joseano Graciliano da Silva, Universidade Federal de Pelotas
Engenheiro Agrônomo. Mestrando em Ciência e Tecnologia de Sementes.
Giuliana Naiara Sales Barros, Universidade Federal de Campina Grande
Engenheira Agrônoma. Mestranda em Horticultura Tropical
Reginaldo Gomes Nobre, giulianasales@outlook.com
Engenheiro Agrônomo. Pesquisador PQ.
Publicado
2019-02-13
Como Citar
Silva, J., Barros, G., & Nobre, R. (2019). FONTES DE ADUBAÇÃO ORGÂNICA E NÍVEIS SALINOS NO CRESCIMENTO INICIAL DE MARACUJAZEIRO. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 14(4), 58-66. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/2366