FISIOLOGIA PÓS-COLHEITA DO CAMU-CAMU TRATADO COM DIFERENTES FONTES E DOSES DE RADIAÇÃO

  • Alex Guimarães Sanches Universidade Federal do Pará
  • Amanda Germano Silveira Universidade Federal do Ceará
  • Maryelle Barros da Silva Universidade Federal do Pará
  • Elaine Gleice Silva Moreira Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Fisiologia pós-colheita, Fisiologia vegetal, Bioquímica vegetal

Resumo

Por se tratar de um fruto climatérico, o camu-camu (Myrciaria dúbia (H.B.K.) McVaugh) apresenta uma rápida deterioração em temperatura ambiente, sendo atribuída à elevada taxa respiratória o aumento da produção de etileno e a perda de água. Assim, o presente trabalho tem por objetivo avaliar os efeitos de diferentes doses de radiação gama e ultravioleta C na fisiologia e conservação pós-colheita in natura do camu-camu. Os frutos foram mantidos sob refrigeração por 21 dias a 10°C e avaliados a cada três dias sobre as seguintes variáveis: perda de massa fresca, firmeza do fruto, sólidos solúveis, acidez titulável, pH, vitamina C e antocianinas. O experimento foi conduzido em um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 5x8, com cinco repetições. Na avaliação físico-química, somente a variável pH não apresentou diferença significativa na interação dos fatores tratamentos e dias de armazenamento. O uso da radiação gama e ultravioleta C não comprometeu a qualidade pós-colheita do camu-camu in natura e a dose de 1,0 de ambas as fontes mostram-se mais eficientes em manter a conservação durante o período de armazenamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Guimarães Sanches, Universidade Federal do Pará
Engenheiro Agrônomo, Mestrando em Agronomia Fitotecnia pela Universidade Federal do Ceará na linha de pesquisa Fisiologia, Bioquímica e Fisiologia Pós-colheita. Experiência em fisiologia vegetal pós-colheita de frutos, legumes, folhosas e flores tropicais.
Amanda Germano Silveira, Universidade Federal do Ceará
Discente do curso de Engenharia de Alimentos, experiência em fisiologia pós-colheita e metabolismo oxidativo de frutos.
Maryelle Barros da Silva, Universidade Federal do Pará
Engenheira Agrônoma, experiencia em fisiologia pós-colheita de frutos.
Elaine Gleice Silva Moreira, Universidade Federal do Pará
Engenheira Agrônoma, experiencia em fisiologia pós-colheita de frutos.
Publicado
2018-07-10
Como Citar
Sanches, A., Silveira, A., Silva, M., & Moreira, E. G. (2018). FISIOLOGIA PÓS-COLHEITA DO CAMU-CAMU TRATADO COM DIFERENTES FONTES E DOSES DE RADIAÇÃO. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 14(2), 98-110. Recuperado de http://revistas.unoeste.br/index.php/ca/article/view/1959

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##